Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Onde as crianças brincarão? Como projetar cidades estimulantes e seguras para a infância

Cities for Play é um projeto cujo objetivo principal é de inspirar arquitetos, urbanistas e planejadores urbanos a criarem cidades estimulantes, respeitosas e acessíveis às crianças.

Como escolher pisos para áreas públicas e de alto tráfego

Atualmente há uma infinidade de opções de pisos disponíveis no mercado, cada qual com suas especificações e particularidades. Ao projetar um espaço público, é fundamental fazer as perguntas corretas para definir os materiais de acordo com os requisitos e funções de cada uma de suas partes. Para começar: onde o piso será instalado? (área interna/externa; área molhada/úmida) / qual a quantidade de tráfego ao qual será submetido? (leve, moderado, alto tráfego) / que tipo de fluxo o piso receberá? (Pessoas, bicicletas, veículos leves, veículos pesados) / que tipo de inserção você quer adicionar considerando o contexto preexistente?

A partir dessas perguntas, pode-se traçar um perfil mais preciso e efetivo em relação à "resistência à abrasão" do piso (fator fundamental para assegurar a durabilidade do material). Depois, somam-se os fatores estéticos, funcionais, econômicos e sustentáveis.

Parque Domino / James Corner Field Operations

Inspirado pela respostas da comunidade e pela rica história do local, o Parque Domino reconecta o bairro de Williamsburg ao East River pela primeira vez em 160 anos. Como primeira fase da transformação da antiga Fábrica de Açúcar Domino de onze acres, o parque, de cinco acres, celebra a história de um dos locais industriais mais emblemáticos de Nova York. O projeto integra mais de 30 relíquias recuperadas de grande escala, incluindo 21 colunas originais do depósito de açúcar, guindastes de pórtico, transportadores helicoidais, transportadores de caçambas e tanques de xarope, criando um “Passeio dos Artefatos”interpretativo e educacional.As estratégias de sustentabilidade e resiliência são centrais para o projeto, para a construção e o gerenciamento contínuo do parque. O parque é elevado acima dos níveis de inundações determinados pela FEMA, com muitas espécies de plantas nativas que reduzem o escoamento de águas pluviais e funcionam como uma esponja absorvente e a primeira barreira de defesa para a vizinhança.

Espaço público: lugar democrático ou de privilégios?

Quando falamos de espaço público, muitas vezes imaginamos um parque com pessoas felizes e relaxadas em um dia ensolarado. Na verdade, esta é uma abordagem muito restrita. Uma jovem não atravessa uma rua deserta de madrugada da mesma forma que um homem branco de terno ou um imigrante de diferentes trajes. Você já se sentiu discriminado ao visitar um espaço público?

O direito à cidade psíquica: como o espaço público se conecta à saúde mental?

A rotina da psicóloga e coordenadora do CAPS* (Centro de Atenção Psicossocial) Antoniella Santos Vieira é de escuta e caminhada: durante o dia, ela ouve histórias de moradores de rua, pessoas com problemas com álcool e drogas, entre outras questões. É esse território desafiador – metade urbano, metade rural – que ela percorre, mostrando que o centro oferece diversos serviços – como ioga e pilates – além de acompanhamento psicológico.

Pelas pessoas e para as pessoas: O que é arquitetura pública de acordo com nossos leitores

Na última semana convidamos nossos leitores pelas redes sociais a darem suas opiniões a respeito da pergunta: "O que significa arquitetura pública para você?". Essa é uma reflexão que faz parte do debate arquitetônico de forma permanente e entra em jogo em diversos tipos de projeto, sobretudo nos que se referem ao planejamento dos espaços de uso comum nas cidades.

"Espaços públicos contemporâneos são projetados sem vida, gênero ou desejo sexual". Entrevista com Nikos Salingaros

No âmbito do projeto de pesquisa Espacios Oscuros, focado em observar e analisar a experiência da diversidade sexual nos espaços públicos da cidade de Santiago do Chile, os arquitetos María González e José Tomás Franco conversaram com Nikos Salingaros, matemático e pensador conhecido por seu foco teórico alternativo para a arquitetura e o urbanismo, que promove o desenho centrado nas necessidades e aspirações humanas, combinando a análise científica com uma experiência intuitiva profunda.

100 Espaços públicos: de pequenas praças a parques urbanos

A chave para projetar ou recuperar com sucesso os espaços públicos de uma cidade é criar estratégias que favoreçam seu uso e os capacitem como ponto de encontro. Independentemente da escala, entre alguns dos aspectos mais importantes estão: o desenho informado pelas necessidades das pessoas; a consideração da escala humana; e uma mistura de usos que permita multifuncionalidade e flexibilidade e proporcione conforto e segurança. 

Para lhe inspirar a projetar lugares de encontro e lazer, de praças a parques, de mirantes a playgrounds infantis, reunimos a seguir 100 espaços públicos de todas as escalas. 

Elementos chave de Paisagismo: planos, clareiras e disposição de árvores

Assim como os elementos arquitetônicos que compõe e conformam o espaço construído – piso, paredes e teto, os elementos vegetais também são capazes de conformar espaços livres em áreas de grande, média e pequena escala, de parques a jardins residenciais, atuando como estruturadores espaciais. Segundo Benedito Abbud, “O paisagismo é a única expressão artística em que participam os cinco sentidos do ser humano. Enquanto a arquitetura, a pintura, a escultura e as demais artes plásticas usam e abusam apenas da visão, o paisagismo envolve também o olfato, a audição, o paladar e o tato, o que proporciona uma rica vivência sensorial, ao somar as mais diversas e completas experiências perceptivas. Quanto mais um jardim consegue aguçar todos os sentidos, melhor cumpre seu papel”. [1]