Lightbox / Hsuyuan Kuo Architect & Associates

  • Arquitetos: Hsuyuan Kuo Architect & Associates
  • Localização: Taipei, Taiwan
  • Equipe De Projeto: Hsuyuan Kuo, Effie Huang, YaChun Tsai
  • Área: 1045.0 m²
  • Ano Do Projeto: 2012
  • Fotografias: Kuo-Min Lee

Como a vandalização de um clássico expõe a hipocrisia em relação ao modernismo

Essas imagens do artista Xavier Delory mostram a famosa Villa Sovoye de Le Corbusier em terrível estado de deterioração. Através dos vidros quebrados e das pichações os vândalos desfiguraram tragicamente suas paredes e janelas intocáveis. Mas não entre em pânico: as imagens apresentadas foram manipuladas no photoshop. Mas, e se não tivessem sido? Neste artigo, publicado originalmente pela Metropolis Magazine como "Modernism in Ruins: Artist "Vandalizes" a Le Corbusier Masterpiece", AJ Artemel explora como nossa comoção e espanto causados por estas imagens expõe uma hipocrisia subjacente na nossa reverência pelas famosas obras modernistas e propõe que talvez o modernismo e o vandalismo estejam mais conectados do que podemos imaginar.

“A arrogância do espaço”: A distribuição desigual do espaço público em relação aos pedestres, ciclistas e automóveis

A distribuição desigual do espaço público, em relação aos pedestres, ciclistas e condutores de automóveis, é um assunto que o especialista em mobilidade urbana, Mikael Colville-Andersen, qualifica como “a arrogância do espaço”.

Do ponto de vista desse planejador urbano e fundador do Copenhagenize, este termo pode ser aplicado às ruas que são dominadas pela engenharia de trânsito do século passado, isto é, aquelas que estão planejadas prioritariamente para os automóveis.

Para exemplificar seu posicionamento, Mikael analisou a quantidade de espaço que possui cada um desses grupos, além do espaço “morto” e dos edifícios, em algumas ruas de Calgary, Paris e Tóquio através da comparação de cada setor com diferentes cores.

Confira as imagens a seguir.

Casa do Arquiteto / Jirau Arquitetura

  • Arquitetos: Jirau Arquitetura
  • Localização: Caruaru - Pernambuco, Brasil
  • Autor: Pablo Patriota
  • Coautores: Mariana Caraciolo e Bernardo Lopes
  • Área: 314.6 m2
  • Ano Do Projeto: 2012
  • Fotografias: Antônio Preggo

Frank Gehry diz que a maior parte da arquitetura de hoje é "uma merda"

1
© EFE

“Deixe-me dizer uma coisa. Neste mundo em que vivemos, 98% de tudo o que é construído e projetado é uma merda. Não há senso de design, nenhum respeito pela humanidade nem por nada. São malditos edifícios e é isso."

“Eventualmente, no entanto, há um pequeno grupo de pessoas que faz algo especial. Muito poucas. Mas por Deus, deixe-nos em paz! Dedicamo-nos a nosso trabalho. Não peço por trabalho, não tenho um assessor de publicidade. Não estou esperando ninguém me ligar. Trabalho com clientes que respeitam a arte da arquitetura. Portanto, por favor, não faça perguntas tão estúpidas como essa."

OMA + OLIN vencem concurso para projetar um parque elevado em Washington D.C.

O júri do concurso para o 11th Street Bridge Park em Washington D.C. selecionou unanimemente o projeto da equipe formada pelos escritórios OMA e OLIN como vencedor. A equipe será responsável por transformar a antiga estrutura sobre o Rio Anacostia em um parque elevado e novo espaço cívico para a cidade.

Saiba mais sobre o projeto vencedor e veja algumas imagens, a seguir.

Evento "Percursos pela Arquitetura Contemporânea", no Porto

O espaço público ou, os espaços com uso público, devem ser espaços democráticos e permitir o acesso em iguais condições a todos os cidadãos, qualquer que seja a sua condição. Esta consciência (e vontade) vem crescendo em meio à sociedade portuguesa e internamente à comunidade profissional com competências para projetar estes espaços. No entanto, é sabido que nossa vivência do espaço e visão do mundo mudam conforme o lado de que estamos e a experiência de vida que temos.

Creche 4 Nurseries / Schemaa

  • Arquitetos: Schemaa
  • Localização: Sartrouville, França
  • Área: 490.0 sqm
  • Ano Do Projeto: 2013
  • Fotografias: Sébastien Andréi

Para além de "coisas que piscam": O próximo passo na arquitetura midiática

Nos dias 19 a 22 de novembro será realizada em AarhusBienal de Arquitetura Midiática de 2014, que contará com a estreia mundial de "Mapping the Senseable City," uma exibição dos trabalhos coletados do MIT SENSEable Cities Lab. O artigo a seguir foi escrito por Matthew Claudel, um pesquisador no SENSEable Cities Lab, em resposta a essa coleção, explorando o que o futuro reserva para a arquitetura midiática, e implorando para que esta experimente ideias além de "telas de TV para se morar."

A Catedral ativada

Arquitetura Midiática é enfaticamente ambígua. A frase foi colada diversas vezes em uma variedade estonteante de projetos e produtos. Mas, além da imprecisão, a arquitetura midiática é atormentada por uma tensão inerente: as mídias são meios de comunicação dinâmicos, interligados e imediatos que atingem as pessoas em larga escala, enquanto que a arquitetura é fixa, singular e persistente no tempo. Conciliar os dois evoca associações desastradas com a Times Square, telas, LEDs integrados, paparazzi, ou, mais geralmente, com coisas que piscam

Residência Tahan / BLANKPAGE Architects

  • Arquitetos: BLANKPAGE Architects
  • Localização: Kfour, Líbano
  • Arquiteto Responsável: Karim Nader, Patrick Mezher, Walid Ghantous, Romy Lahoud
  • Área: 865.0 m²
  • Ano Do Projeto: 2013
  • Fotografias: Ieva Saudargaitė

CAU/GO promove o "Ocupa Goiânia" em comemoração aos 81 anos da cidade

Para a comemoração dos 81 anos de Goiânia, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU/GO) vem identificando e conectando ações artísticas e culturais, governamentais e não-governamentais, que fazem a cidade “mais viva”. Surgiu assim o Ocupa Goiânia, uma ação de reconhecimento provocada pelo CAU-GO no intuito de presentear a cidade, conectando alguns coletivos de artistas, arquitetos e urbanistas e cidadãos, que têm em comum a reflexão e a prática de apropriação de espaços urbanos.

Exposição "Geografia de um lugar contada por ele mesmo", por Flavia Mielnik

O espaço Zip’up da Galeria Zipper, em São Paulo, recebe, até o dia 01 de novembro, a intervenção "Geografia de um lugar contada por ele mesmo" da artista Flavia Mielnik, com curadoria de Galciani Neves e coordenação do curador Mario Gioia. A ação de Flavia Mielnik propõe passagens e atravessamentos visuais como situações de des-limites em uma narrativa no espaço composta por elementos do próprio espaço e por elementos ficcionais construídos pela artista. Todos esses componentes, a galeria e seu entorno, agem em uma ficção argumentada no espaço e nele mesmo se constituem, fazendo com que o público se desloque tanto a partir do todo quanto de seus fragmentos, guiando-­se ou perdendo-­se nestes desenhos.

Casa Pátio / Yaita and Associates

  • Arquitetos: Hisaaki Yaita , Naoko Yaita
  • Localização: Tóquio, Japão
  • Área: 227.0 m2
  • Ano Do Projeto: 2011
  • Fotografias: Shigeo Ogawa, Shinkenchiku-sha

Hotel Vincci Gala Barcelona / TBI Architecture & Engineering

  • Arquitetos: TBI Architecture & Engineering
  • Localização: Ronda de Sant Pere, 32, 08010 Barcelona, Barcelona, Espanha
  • Diretor Tbi: Miguel Jordá
  • Arquitetura: Stefan Richter
  • Design E Design De Interiores: Gregor Mertens
  • Área: 4600 m²
  • Ano Do Projeto: 2014
  • Fotografias: José Hevia Blach

Guia de Desenho Urbano de Ciclovias: Conselhos da organização NACTO para um ciclismo urbano eficiente e seguro

A experiência das cidades que se destacam por sua cultura ciclista, como Amsterdã, Berlim e Copenhague, juntamente com Boston, Portland e Nova Iorque, entre outras, serviu de modelo para a NACTO (National Associatian of City Transportation Officials) elaborar o Guia de Desenho Urbano de Ciclovias.

Esse é um documento que procura guiar as cidades que estão consolidando o uso da bicicleta como meio de transporte através de uma série de conselhos de desenho urbano que pretendem fazer do ciclismo urbano uma experiência eficiente e segura.

Os conselhos se apresentam em seis categorias diferentes: Bulevares para Bicicletas, Ciclofaixas, Ciclovias, Intersecções, Semáforos para Ciclistas e, por fim, Sinalizações.

Sabia, a seguir, em que consiste cada uma dessas categorias.