Segundo Lugar no Concurso Nacional para o Anexo do BNDES / Anna Juni, Gustavo Delonero e Enk te Winkel

segundo lugar

Competição: Concurso Nacional Anexo do BNDES
Premio: Segundo Lugar
Projeto:
Autores: Anna Juni, Enk te Winkel, Gustavo Delonero, Pedro Ivo Freire André Nunes, Florencia Merguerian, João Sodré, Julia Reis, Marina Canhadas, Bruno Carnevalli , Guilherme Tanaka, Júlia Masagão , Raul Pereira Arquitetos Associados, Afaconsult , Ericlis Pimenta Freire e Karyn Rodrigues

Apresentamos a seguir o projeto de Anna Juni, Gustavo Delonero e Enk te Winkel, premiado com o segundo lugar no Concurso Nacional para o Anexo do BNDES, promovido pelo próprio Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Os participantes do concurso tinham como objetivo propor um edifício anexo à edificação existente, localizada no dentro do Rio de Janeiro.

Casa Ponte / Aranguiz-Bunster Arquitectos

  • Arquitetos: Aranguiz-Bunster Arquitectos
  • Localização: Puerto Varas, Puerto Varas, Los Lagos Region, Chile
  • Arquiteto Responsável: Nicolas Aranguiz S.
  • Contrução: Tierra Austral Ltda.
  • Área: 220.0 m²
  • Ano Do Projeto: 2010
  • Fotografias: Nico Saieh

Vídeo: Bach ganha vida dentro da Capela de Campo Bruder Klaus, de Peter Zumthor

Pare um instante e ouça o músico teuto-coreano Isang Enders tocando a Sinfonia N° 1 de Bach no violoncelo no interior sagrado e carbonizado da Capela de Campo Bruder Klaus, de Peter Zumthor.

Akmani Legian / TWS Partners

  • Arquitetos: TWS Partners
  • Localização: Legian, Kuta, Badung, Bali, Indonésia
  • Finalista Do Festival De Arquitetura 2013: Categoria Hotel
  • Área: 3165.0 m2
  • Ano Do Projeto: 2012
  • Fotografias: Fernando Gomulya

O capítulo final do High Line está completo; mas espere, não feche o livro ainda!

Com a inauguração da última etapa do High Line em Nova Iorque no mês passado, a cidade pôde finalmente fazer um balanço de uma transformação urbana que levou uma década e meia de sua concepção à concretização - e nos primeiros cinco anos desde a inauguração de sua primeira etapa se tornou um dos grandes fenômenos de planejamento urbano do século XXI, inspirando propostas semelhantes em cidades ao redor do mundo. Neste artigo, publicado originalmente pela Metropolis Magazine como "The High Line's Last Section Plays Up Its Rugged Past," Anthony Paletta escreve sobre essa nova peça final ao quebra-cabeça, e examina o que este projeto referência significou para o West Side de Manhattan.

A promessa de qualquer ferrovia urbana, ainda que obscura ou congestionada no seu início, é a eventual liberação para a fronteira aberta, a perspectiva de que esses trilhos enterrados poderiam, em tempo, levá-lo em qualquer lugar. Para aqueles de nós cujo único cronograma é o nosso ritmo de caminhada, esta é a experiência da última fase recém inaugurada do High Line. O parque, depois de serpentear em suas duas fases iniciais ao longo de 20 densas quadras de Manhattan, se alarga em uma grande promenade que termina com a épica vista para o Rio Hudson. É um grande coda e um final satisfatório para um dos projetos de parque mais ambiciosos na memória recente.

Cinema e Arquitetura: 10 cenas assustadoras que um arquiteto não pode deixar de ver

Halloween é uma tradição de origem anglo-saxã, apesar de não ser tão comum no Brasil, cada ano que passa torna-se mais comum as pessoas se fantasiarem dos mais diversos personagens das histórias de terror junto de decorações de abóboras, morcegos e teias de aranha na noite de 31 de outubro. Como não queremos ficar fora da celebração, preparamos um especial de Cinema e Arquitetura dedicado às cenas mais assustadoras dos clássicos de terror e suspense.

Uma boa cena, vem junto de um roteiro interessante, uma direção precisa e um desenho de atmosferas e espaços cenográficos que façam com que o espectador submerja na trama ao ponto de sentir arrepios. Pensamos, então, nos filmes clássicos de terror e suspense que pairam em nossas cabeças. Logo, escolhemos cuidadosamente as cenas que provocam um maior deleite a nossos olhos de arquiteto, sempre críticos da composição no plano, curiosos quanto ao uso das cores e a espera de um enquadramento perfeito.

A seguir, apresentamos o nosso especial do Dia das Bruxas.

Eleições CAU/BR e CAU/UF

No dia 5 de novembro, os arquitetos e urbanistas brasileiros vão escolher seus representantes para o CAU/BR e os CAU/UF. O novo regimento eleitoral, aprovado na 31ª Reunião Plenária do CAU/BR, estabelece o calendário e as regras para a escolha dos conselheiros federais e estaduais - e seus suplentes - para o mandato 2015-2017. No mesmo dia também haverá a votação para escolher o conselheiro federal representante das instituições de ensino superior de Arquitetura e Urbanismo. 

Toda a votação será realizada via internet, pelos sites do CAU/BR e dos conselhos estaduais. O acesso ao painel de votação se dará por meio da senha de acesso ao SICCAU. O voto é obrigatório para todos os profissionais registrados no CAU e com menos de 70 anos.

Hotel Emperor em Qianmen / asap

  • Arquitetos: asap
  • Localização: Dongcheng, Pequim, China
  • Lead Architect: Adam Sokol
  • Área: 7500.0 m²
  • Ano Do Projeto: 2013
  • Fotografias: Jonathan Leijonhufvud

Casa Serra de Tomar / Contaminar Arquitectos

  • Arquitetos: Contaminar Arquitectos
  • Localização: Portugal
  • Arquitetos Responsáveis: arch. Joel Esperança, arch. Ruben Vaz, designer Romeu Sousa
  • Colaboradores: Frederico Louçano, Margarida Carrilho, Hugo Rainho
  • Área: 211.0 m²
  • Ano Do Projeto: 2013
  • Fotografias: Fernando Guerra | FG+SG

De Bogotá a Mumbai: Como os assentamentos informais facilitam a mudança das cidades

Por trás da névoa que cobre as montanhas de Bogotá pela manhã está a residência de William Oquendo. É um labirinto de portas e janelas onde um dormitório abre-se para a cozinha e o banheiro possui aberturas diretamente para  a sala.

A 5 mil quilômetros de distância, no Rio de Janeiro, Gilson Fumaça vive no terraço da residência construída por seu avô, depois pelo seu pai e agora por ele mesmo. Ela é bastante resistente: feita de tijolo e argamassa no primeiro pavimento, concreto reforçado no segundo, e uma combinação caótica de telhas de zinco e tijolos soltos no terceiro. Esta última é a contribuição de Gilson, que ele irá melhorar à medida que aumenta no número de moradores na casa.

Do outro lado do mundo, em Mumbai, existem moradias que invadem os trilhos do trem suburbano, construídas e reconstruídas após inúmeras tentativas de demolição. "O entorno físico da cidade está em movimento perpétuo", observa Suketu Mehta em Maximum City"[1]. Existem moradias feitas de bambu e bolsas plásticas e famílias que vivem em calçadas ou debaixo de pontes, em locais precários feitos com as próprias mãos. Enquanto Dharavi - conhecido como o maior favela da Ásia - conta com uma moradia de melhor qualidade, água tratada e eletricidade, este não é o caso da maioria dos novos habitantes da cidade. 

Residência Limantos / Fernanda Marques Arquitetos Associados

Em foco: Zaha Hadid

"O uso obsessivo da projeção isométrica e da perspectiva conduziu à ideia de que o espaço em si mesmo poderia ser deformado e distorcido para ganhar em dinamismo e complexidade sem perder coerência e continuidade. Apesar de seu caráter abstrato, este trabalho sempre se volta à realidade arquitetônica e à vida real."

Zaha Hadid propõe cinco torres de madeira para o Instituto do Genocídio do Camboja

Sleuk_rith_institute_library_exterior___reflecting_pool
Espelho d'água. Cortesia de ZHA

O escritório Zaha Hadid Architects revelou sua proposta para o Sleuk Rith Institute em Phnom Penh. O projeto bastante antecipado, comissionado pelo Centro de Documentação do Camboja, servirá de arquivo para o centro Khmer Rouge de história e estudos do genocídio na Ásia.

O instituto é composto por cinco torres de madeira inspiradas na antiga arquitetura Angkoriana que abrigarão um centro de pesquisas de genocídio, uma escola de graduação, um museu, um arquivo e uma biblioteca. À medida que as torres se elevam, as estruturas se entrelaçam e conectam diferentes departamentos acima do térreo, unindo as instituições como um todo.

Faça um passeio virtual pelo instituto, a seguir.

Primeiro Lugar no Concurso Nacional para o Anexo do BNDES / Daniel Gusmão

primeiro lugar

Competição: Concurso Nacional Anexo do BNDES
Premio: Primeiro Lugar
Projeto:
Autores: Daniel Gusmão, Rio de Janeiro - RJ, 2014

Apresentamos a seguir o projeto vencedor do Concurso Nacional para o Anexo do BNDES, promovido pelo próprio Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Os participantes do concurso tinham como objetivo propor um edifício anexo à edificação existente, localizada no dentro do Rio de Janeiro. Leia a Ata de Julgamento, que premiou a proposta do arquiteto Daniel Gusmão com o primeiro lugar. 

O Edifício Amarelo / Allford Hall Monaghan Morris