i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Igreja
  4. Brasil
  5. Hans Broos
  6. 1965
  7. Clássicos da Arquitetura: Igreja São Bonifácio / Hans Broos

Clássicos da Arquitetura: Igreja São Bonifácio / Hans Broos

Clássicos da Arquitetura: Igreja São Bonifácio / Hans Broos
Clássicos da Arquitetura: Igreja São Bonifácio / Hans Broos, © Ricardo Amado
© Ricardo Amado

© Paula Mastrocola. Cortesia de Arquitetura Brutalista © Paula Mastrocola. Cortesia de Arquitetura Brutalista © Cristiano Mascaro. Acervo Hans Broos © Cristiano Mascaro. Acervo Hans Broos + 31

Por Bernardo Brasil Bielschowsky e João Serraglio.

Numa rua estreita, entre residências em fileiras, flutua, há quatro metros e meio do chão, uma caixa: sem símbolos, toda em concreto aparente, ritmado horizontalmente pelas marcas das fôrmas de tábuas de madeira.

A caixa, de treze por trinta e três metros, e altura de sete metros e vinte centímetros, eleva-se sobre os telhados das casas através de quatro pilares esbeltos, de cinquenta por oitenta centímetros, que, recuados em relação à fachada principal, se soltam da caixa, apenas tocando o volume pelo lado de fora.

© Acervo Hans Broos
© Acervo Hans Broos

Esse volume que paira sobre a cidade descola-se da rua e do alinhamento das fachadas residenciais; um platô é conformado pelo vazio que a caixa cria ao se elevar, e a calçada entra pelo vazio, configurando uma praça coberta, que é também um mirante sobre o vale, enquadrado pela arquitetura de concreto.

Aproveitando o desnível de quatorze metros e vinte e cinco centímetros dos fundos do terreno em relação à rua, abaixo do ângulo de visão, funcionam os setores administrativos, o centro social, a biblioteca e as moradias, em três pavimentos semienterrados, com pé direito de três metros.

© Cristiano Mascaro. Cortesia de Karine Daufenbach
© Cristiano Mascaro. Cortesia de Karine Daufenbach

Na parte de cima, funciona o templo. Seu pé direito duplo de seis metros e vinte centímetros permite a disposição de um mezanino sobre a sacristia, instalada de maneira pouco usual na parte de trás do templo.

Aos dois programas solicitados –templo e centro social– aparece um terceiro: o próprio espaço público que invade o terreno privado.

© Cristiano Mascaro. Acervo Hans Broos
© Cristiano Mascaro. Acervo Hans Broos

Esse conjunto organiza-se através de módulos de sete metros e meio no sentido longitudinal, e quatro metros e trinta centímetros no sentido transversal. A área edificável do terreno foi dividida em nove partes iguais, paralelas à rua, numa proporção de 2:5:2 entre praça aberta, praça coberta e mirante. Os dois pilares, em cada lado, que sustentam a caixa, estão posicionados no ritmo 1:3:1. As construções foram projetadas com o auxílio de uma modulação de noventa centímetros.

Liberando espaço para a praça, o acesso à nave do templo concentra-se à esquerda do grande vazio –demarca-o e funde-se à ele através das paredes de vidro, que mantém a permeabilidade visual e inundam de luz a subida–. A entrada configura-se através de uma marquise de concreto, solta em relação ao grande volume, entre a caixa e o chão, alinhada com o caixilho das esquadrias de vidro e com o pequeno fechamento que arremata a parte posterior da construção.

© Acervo Hans Broos
© Acervo Hans Broos

Inicia-se um percurso através da rampa e da escada, saindo do espaço aberto e livre da cidade, o espaço da convivência, e penetrando no espaço confinado da nave.

Acessa-se o templo pelos fundos. Ao virar em direção ao altar, se tem a visão da nave, em sua simplicidade. Ao fundo, uma cruz flutua, banhada em luz. Nas paredes laterais, a via crucis executada em baixo relevo de concreto recebe a iluminação que banha as paredes. A iluminação zenital, indireta, vaza ao redor de toda a nave dando ênfase aos elementos simbólicos. As vigas que sustentam a laje superior, paralelas à fachada principal, com intervalos de um metro e oitenta centímetros de eixo a eixo, escondem as aberturas zenitais, protegendo a visão da luz direta.

© Ricardo Amado
© Ricardo Amado

Aliado ao drama que a luz confere ao ambiente, há o conforto térmico, propiciado pelas densas paredes de concreto aparente, e pelas aberturas junto ao chão do templo, que permitem que o ar fresco ingresse, empurrando o ar quente para fora, através de aberturas na laje de cobertura. Esses vazados pontuam como volumes as fachadas laterais.

© Ricardo Amado
© Ricardo Amado

Uma circulação vertical secundária, através de escadas, faz a conexão entre todos os seis pavimentos. Na parte da praça e do templo, essa ligação se dá através de uma escada helicoidal, em estrutura metálica, que dá acesso também a um mezanino, nos fundos do templo.

© Ricardo Amado
© Ricardo Amado

Sobre a caixa, contra o céu, apoiada sobre pilares inclinados, repousa outra caixa de concreto, menor, vazada pela frente e fundos, alcançando, em seu extremo mais alto, dezenove metros e trinta centímetros. É o campanário, que sustenta a cruz: única pista, desde a rua, de que dentro deste duro volume de concreto, suspenso sobre a cidade, funciona uma igreja.

© Ricardo Amado
© Ricardo Amado

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato. Cita: Bernardo Brasil Bielschowsky e João Serraglio. "Clássicos da Arquitetura: Igreja São Bonifácio / Hans Broos" 02 Abr 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <http://www.archdaily.com.br/187129/classicos-da-arquitetura-igreja-sao-bonifacio-slash-hans-broos>