Ampliar imagem | Tamanho original
Em todos os climas há exceções. Mais quente quando faz frio. Mais fresco nos trópicos. As pessoas, geralmente, não lidam bem ao choque térmico. As obras de arte também não. Tais observações elementais influíram no projeto do Louvre Abu Dabi. Desejou-se criar um mundo acolhedor que combine serenamente a luz e a sombra, a reflexão e a calma, que refletisse o pertencimento a um país, sua história, sua geografia sem tornar-se uma tradução plana, o pleonasmo que é traduzido na monotonia e convenção. Também tem como objetivo enfatizar a fascinação gerada pelos encontros raros.   É bastante incomum encontrar um arquipélago integrado no mar. É ainda mais raro ver que está protegido por uma sombra criando uma chuva de luz.  A possibilidade de acessar o museu em barco ou a busca por um portal para chegar a pé desde a orla é extraordinário, muito mais que ser acolhido como um visitante muito esperado disposto a ver coleções únicas, perder-se nas livrarias tentadoras, ou degustar chás locais, cafés e outros manjares.  Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar