Ampliar imagem | Tamanho original
Benguerir é uma cidade próxima de Marrakesh, Fes e Meknes não estão longe, cidades cujas sinuosas medinas estão entre as mais belas do mundo.E podemos ignorar as avenidas brancas de Casablana, moldadas pelo movimento Art Deco? Os jardins de Rabat? Os oásis do Vale Draa? O ksour e os palácios de terra ao sul do Atlas? Não. É impossível construir em solo marroquino como se faria na China ou no deserto de Las Vegas.  Aqui, mais do que em outros lugares, era necessário levar em conta o contexto. A arte de viver. Uma civilização. Restabelecer um vínculo com o que costumava ser uma fonte nacional de orgulho: a arte de construir uma cidade. Cidade que o mundo continua admirando, desde o coração palpitante da antiga Marrakesh, Jemaa el-Fna, até a mesquita de Córdoba, na Espanha. Este projeto reforçou minha convicção de que era possível unir a riqueza patrimonial de Marrocos com a modernidade. Reconhecer a força de uma tradição não significa olhar somente para trás; Aproximar-se do futuro com uma mentalidade antiquada seria fatal. As condições econômicas, técnicas e sociais nas quais se constrói hoje o campus Mohammed VI, para não mencionar a totalidade da Cidade Verde, estão completamente separadas das que originaram Koutoubia e a Bacia Agdal. Em Benguerir teriam arcadas, ruas cobertas ou semi-cobertas, espaços públicos relativamente estreitos. Detalhes apresentados por aqueles que nasceram no Reino ou que, pelo menos, provam suas sutilezas. Inventei uma arquitetura que enfatiza a geometria da praça, que trabalha através de todas as variantes do pátio e que traz de volta as figuras mais importantes da cultura marroquina como o muxarabi ou o arabesco árabe-andaluz.  Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar