Ampliar imagem | Tamanho original
Os arquitetos no Reino Unido foram submetidos a um mês de altos e baixos monumentais. O Tate Modern, extensão de Herzog & de Meuron, (conhecido como Switch House) abriu suas portas na sexta-feira, 17 junho. Seis dias depois, na quinta-feira seguinte, 23 de junho, o país proclamou seu desejo (mal-planejado) de sair da União Europeia. Seria fácil ver os dois eventos em separado, sem sobreposição óbvia. Mas na verdade o Tate parece ter uma simbiose estranha com a decisão Brexit - promovendo inclusive uma visão enfática contra ela. Criando o Tate Modern As críticas da expansão do Tate Modern começaram anos antes de ser inicialmente previsto com base em projeções dos visitantes. O edifício original, que abriu em maio de 2000, agora conhecido como Boiler House, foi feito para ter 2 milhões de visitantes anuais. Pouco mais de um mês após a abertura, o museu já havia recebido seu milionésimo visitante e em 2014 a abrangência subiu para 5,7 milhões por ano, tornando-se o museu de arte moderna e contemporânea mais visitado do mundo. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar