Ampliar imagem | Tamanho original
Em um artigo do Los Angeles Times publicado em dezembro, "O futuro está no passado: tendências para a Arquitetura em 2014, o crítico Christopher Hawthorne procurou dar sentido a um ano que incluiu a Bienal de Veneza de Koolhaas, o Pavilhão Serpentine do Smiljan Radic e periódicos como Log 31: New Ancients e San Rocco 8: What’s Wrong with the Primitive Hut?  Através destes e outros exemplos, Hawthorne concluiu que era um ano de auto-reflexão em que, para determinar o futuro da arquitetura, seria necessário extrai-lo do passado. Com base nestes precedentes, Hawthorne previu que depois de anos de parametrização barroca, em 2015 arquitetos usariam as meditações antigas como um fundamento prático para novos projetos e propostas. Um exemplo disso pode ser encontrado na obra de Michael Ryan Charters e Ranjit John Corá, uma dupla que recentemente dividiu o prêmio top-cinco da CAF no Concurso ChiDesign (parte da Bienal de Arquitetura de Chicago) para o seu projeto Unveiled. Em um resumo chamou-o de "um novo centro para a arquitetura, design e educação", e com jurados elogiados incluindo Stanley Tigerman, David Adjaye, Ned Cramer, Monica Ponce de Leon e Billie Tsien, A proposta de Charters e Corá poderia casualmente ser resumida como um quadro de terracota sobre uma forma cristalina de vários andares de abóbadas de madeira, mas na verdade é algo muito mais complexo. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar