Ampliar imagem | Tamanho original
O artigo a seguir, escrito por Jacob Dreyer e publicado originalmente no The Calvert Journal como "Maximum city: the vast urban planning projects of Soviet-era Russia are being reborn in modern China", analisa um fascinante fenômeno: a importação do urbanismo Soviético - ou urbanismo stalinista - que vem moldando as cidades chinesas de hoje. Como pedalei para trabalhar do dia 20 de maio desse ano, a Via Expressa Yan'an, que atravessa toda a cidade de Xangai, estava estranhamente silenciosa, isolada por conta de uma visita do presidente Vladimir Putin. Descobrimos no dia seguinte que o resultado da sua visita foi a assinatura de um contrato de 400 bilhões de dólares com a China para a exportação de gás e petróleo. Como o presidente Barack Obama havia previsto, Putin se aproximou da Ásia, embora de uma maneira um pouco diferente. Em Xangai, os termos do acordo - que foi imensamente vantajoso para a China - fizeram parecer que a Rússia se tornara voluntariamente um estado-vassalo da República Popular, tornando realidade as previsões do romance distópico de Vladimir Sorokin, Day of the Oprichnik and of Russian, sobre assustadoras histórias de imigrantes chineses ocupando a Sibéria. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar