Ampliar imagem | Tamanho original
Este ano o Pavilhão da França se destacou com um dos melhores pavilhões no Giardini, comunicando uma tese clara e envolvente que recebeu uma Menção Especial do júri.  O curador Jean-Louis Cohen levanta quatro questões através de quatro galerias, demonstrando as contradições que permeiam a história da modernidade e da arquitetura na França. As respostas ambivalentes da arquitetura à promessa da modernidade estão expostas através da justaposição de uma montagem cinematográfica contínua (que ocorre simultaneamente ao logo das quatro galerias) e objetos de grande escala.  Assista um trecho do filme de Teri Wehn Damisch e leia a descrição do curador a seguir. Para um tour virtual do espaço projetado pelo escritório parisiense Projectiles, clique aqui.  Do Catálogo Oficial da 14ª Exposição Internacional de Arquitetura. Desde 1914 a França não apenas "absorveu" a modernidade mas também a moldou através de contribuições de arquitetos e engenheiros que responderam às expectativas de diversos componentes da sociedade. As em muitos outros cenários nacionais, formas e estruturas modernas trataram dos programas da reforma social, materializando grandes esperanças. Mas muitas dessas expectativas surgidas dos experimentos e discursos permaneceram não atendidas. Esses "desajustes" são discutidos através de quatro episódios contraditórios marcados pela esperança e desilusão, entrelaçados por uma grande tela que expõe propagandas e filmes de ficção. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar