i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Museu
  4. Museu e Centro de Pesquisas sobre Biodiversidade / Guinée et Potin Architects

Museu e Centro de Pesquisas sobre Biodiversidade / Guinée et Potin Architects

Museu e Centro de Pesquisas sobre Biodiversidade / Guinée et Potin Architects
Museu e Centro de Pesquisas sobre Biodiversidade / Guinée et Potin Architects, © Stephane Chalmeau
© Stephane Chalmeau

© Stephane Chalmeau © Stephane Chalmeau © Stephane Chalmeau © Stephane Chalmeau + 42

  • Arquitetos

  • Localização

    La Roche-sur-Yon, França
  • Arquitetos Responsáveis

    Agence GUINEE*POTIN Architectes
  • Equipe de Projeto

    Anne-Flore Guinée et Hervé Potin architectes; Solen Nico chef de projet
  • Paisagismo

    Guillaume Sevin Paysages
  • Design Gráfico

    WARMGREY
  • Museografia

    Stéphanie VINCENT
  • Engenharia

    ISATEG
  • Cenografia

    block architects
  • Área

    2057.0 m2
  • Fotografias

© Nicolas Pineau
© Nicolas Pineau

Do arquiteto. A ideia principal do do centro Beautour é glorificar a mansão histórica de Georges Durand (naturalista, 1886-1964), que possuía importantes coleções. Homem de direitos, ele rapidamente desenvolveu uma paixão pelas ciências naturais. Por 70 anos, coletou plantas e insetos de toda a Europa, com a ajuda de seus amigos e colegas cientistas. Esta foi a forma que ele foi capaz de recolher cerca de 5.000 aves, 150.000 borboletas e insetos, e inúmeros vegetais. Assim, quase todas as 4.500 espécies da flora francesa são aqui representadas.

© Stephane Chalmeau
© Stephane Chalmeau

Contexto

O projeto tem como objetivo desenvolver o tema da biodiversidade, através do suporte educativo e científico, bem como uma estratégia de gestão e perspectivas de evolução para toda a área. Além dos jardins temáticos, compostagem, e utilização de água pluvial para rega, o projeto tem como objetivo ajudar as novas formas de biodiversidade para regenerar este terreno, abandonado há 30 anos. Alguns lotes atingiram um estado de "clímax", e a intervenção global apresenta duas alternativas: ou uma preservação integral, ou uma intervenção mínima que poderia envolver uma nova diversificação natural. Algumas outras parcelas, pelo contrário, foram mantidas em um estado de pobreza biológica devido à roça e pastagem frequente. Esses poderiam receber um maior nível de intervenções, para que um novo ecossistema seja estabelecido em longo prazo.

© Nicolas Pineau
© Nicolas Pineau

Biodiversidade

O Museu e Centro de Pesquisas tenta encontrar um equilíbrio interessante entre as ações leves, preservando a biodiversidade já no local, e outras mais fortes, criando um impacto positivo sobre a diversidade biológica. Assim, o projeto não é um parque temático, nem um jardim ornamental. Este é realmente um projeto específico do local, inspirado na biodiversidade local, topografia, e as outras qualidades que são próprias da região de Beautour. O itinerário da visita é atraído pelo propósito lógico e científico levando o visitante até os campos e o vale, onde a natureza selvagem encontra tanto os jardins históricos de Beautour e os recém-concebidos jardins e prados.

© Stephane Chalmeau
© Stephane Chalmeau

Projeto Arquitetônico

De uma forma muito atual nesse paisagismo, o projeto assume uma identidade forte, reinterpretando uma técnica tradicional de uma forma contemporânea e inovadora, através da adoção de uma envoltória de palha, que cobre totalmente as duas paredes e telhado do edifício. As perspectivas renderizadas do concurso mostram o envelhecimento natural do material, desaparecendo em tons de cinza, mudando de acordo com as estações. Já que uma forma compacta teria disputado com a mansão do Sr. Durand, o edifício cresce organicamente, envolvendo a mansão, que o rodeiam e se espalhando no terreno, sem derrubar a ordem natural. Troncos maciços de castanheiras, também confundem a imagem global desse projeto mimético. O edifício, como um tronco sobre o terreno, é um "pedaço de paisagem urbana", uma "nova geografia" completando a cenografia natural. Com a edificação levantando-se do solo permitiu-se que a biodiversidade permanecesse no local, minimizando o impacto das obras de fundação. O projeto levanta-se suavemente para desvendar o local de vida de sapos e garças. As instalações técnicas anexas são pintadas em preto, além dos vestiários e uma caldeira a lenha. Uma estufa pedagógica fica ao lado, na entrada do terreno.

Corte
Corte
Cita: "Museu e Centro de Pesquisas sobre Biodiversidade / Guinée et Potin Architects" [Museum & Biodiversity Research Center / Guinée et Potin Architects] 25 Jan 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <http://www.archdaily.com.br/br/760596/museu-e-centro-de-pesquisas-sobre-biodiversidade-guinee-et-potin-architects>