i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Arquitetura Esportiva
  4. Portugal
  5. Álvaro Fernandes Andrade
  6. 2008
  7. Centro de Alto Rendimento de Remo do Pocinho / Álvaro Fernandes Andrade

Centro de Alto Rendimento de Remo do Pocinho / Álvaro Fernandes Andrade

  • 12:00 - 27 Janeiro, 2014
Centro de Alto Rendimento de Remo do Pocinho / Álvaro Fernandes Andrade
© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG
  • Arquitetos

  • Localização

    Vila Nova de Foz Côa, Portugal
  • Coordenação Projeto de Arquitetura

    spacialAR-TE - Arqto. Alvaro Andrade Fernandes
  • Coordenação Geral de Processo

    mpt, Lda. - Eng. Paula Teles
  • Colaboradores Projeto de Arquitetura

    Aqta. Ana Rute Costa, Arqto.André Bevilacqua, Arqto. Marcelo Altieri e Arqta. Daniela Teixeira ,Arqto. Daniel Geada, Arqto. Luís Romero, Arqto. Nilton Marques e Arqta. Paula Cicuto
  • Área

    8000.0 m2
  • Ano do projeto

    2008
  • Fotografias

© Fernando Guerra | FG+SG © Fernando Guerra | FG+SG © Fernando Guerra | FG+SG © Fernando Guerra | FG+SG +132

  • Coordenação Design for All

    mpt, Lda. - Eng. Paula Teles
  • Colaboradores Design for All

    Adelino Ribeiro, Adriana Sá, Daniel Geada,Jorge Gorito, Pedro Ribeiro da Silva
  • Coordenação Projeto Fundações e Estruturas

    Loftspace – Projectos, Lda. - Eng. Machado dos Santos
  • Colaboradores Projeto Fundações e Estruturas

    Francisco Cardoso Santos, Paulo Gomes
  • Coordenação Projeto de Águas e Esgotos

    Loftspace – Projectos, Lda. - Eng. Machado dos Santos
  • Colaboradores Projeto de Águas e Esgotos

    Francisco Cardoso Santos
  • Coordenação Inst Elétricas e Telefónica

    Manuel Simões – Gabinete de Engenharia, Lda. / Eng. Manuel Costa Simões
  • Colaboradores Inst Elétricas e Telefónicas

    Eng. Dina Martins, Tec. Sup. Manuel Carvalho
  • Coordenação Projeto de Segurança

    Manuel Simões – Gabinete de Engenharia, Lda. - Manuel Costa Simões
  • Colaboradores Projeto de Segurança

    Eng. Helena Nogueira
  • Coordenação Arranjos Exteriores

    spacialAR-TE, Lda. e Loftspace – Projectos, Lda. - Álvaro Fernandes Andrade e Machado dos Santos
  • Colaboradores Arranjos Exteriores

    Marcelo Altieri e Paulo Gomes
  • Coordenação Fiscalização

    Loftspace – Projectos, Lda. - Machado dos Santos [eng.] Mariana Costa, Rui Silva e Luís Teixeira
  • Coordenação Instalações Mecânicas e RSECE

    Mecflui Engenharia Lda. – Eng. Mec. José Rocha
  • Colaboradores Instalações Mecânicas e RSECE

    Eduardo Gomes, Paulo Couto, Bruno Rocha e Fernando Dias
  • Cliente

    Camara Municipal de Vila Nova de Foz Côa
  • Construção

    Manuel Vieira & Irmãos, Lda.

Do arquiteto.Os princípios e estratégias para o Centro de Alto Rendimento de Remo do Pocinho consolidaram-se, durante o processo de projeto, como derivados de uma mistura densa e indestrinçável entre a especificidade e identidade de uma pré-existência, de um "Sítio" particular; as características e exigências de um Programa muito recente; e as vontades/necessidades próprias do ato de arquitetar.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Se nos socorrermos de referências que nos são mais próximas como as de Fernando Távora (do qual ainda tive a felicidade de ser aluno no meu primeiro ano de faculdade, e último em que este nosso saudoso mestre deu aulas na FAUP) em articulação com o muito que pensou, disse e (pouco) escreveu Siza Vieira (mas melhor desenhou e projetou), este “Sítio” deve ser entendido de uma forma o mais abrangente possível, nas suas múltiplas e diversas aceções, em particular como “coisa” cultural. Ainda mais, acrescente-se, neste caso da paisagem do Vale fluvial do Douro como Património Mundial, decorrente da específica expressão ancestral da intervenção/transformação do homem naquela paisagem.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Para as exigências de um programa muito recente, como é este das instalações desenvolvidas especificamente para o treino e condicionamento de atletas de elevado desempenho, de atletas de nível olímpico, não há, ou há muito pouco, como dizia Sting há uns anos atrás, “historical precedent to put the words in the mouth of the president”. O que, de uma forma geral, para um arquiteto apenas torna mais aliciante o desafio de projeto. Foi este o caso.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Relativamente às vontades e/ou necessidades de projetar (não fosse a Arquitetura, também, um ato consciente de vontade e de contemporaneidade) estas por sua vez também se jogaram entre algumas “pré-existências” (como a de assegurar a Mobilidade e Acessibilidade para Todos  e o caráter central de valores de Desenvolvimento Sustentável); e as que se manifestaram ao longo do processo de projeto, como foi a de procurar resolver um programa extenso (8.000 m2 / 84 quartos / cerca de 130 utentes), com perspetivas de expansão futura (até 11500m2 / 170 quartos / cerca de 225 utentes – numa possível subsequente fase de expansão da zona de alojamento – nas peças desenhadas representado a cinzento mais claro), sem um exagerado impacto volumétrico e paisagístico.

Render- Implantação
Render- Implantação

Na complexa interação gerada entre os fatores acima referidos, a decisão de estruturação do programa em três componentes fundamentais (Zona Social, Zona de Alojamento e Zona de Treino), fundiu-se com a (re)interpretação de dois elementos da construção secular da paisagem duriense: o omnipresente socalco, uma recorrente forma de "habitar" este marcadamente declivoso vale (leia-se aqui “habitar” como “extrair o pão da terra”); e os grandes volumes brancos das grandes unidades construídas na paisagem, em particular os das grandes quintas de produção vinícola, formalmente complexos e volumetricamente diversos (muitas vezes resultantes de uma construção ao longo do tempo, decorrentes da sucessiva (re)formulação das exigências da atividade agrícola).

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Entre estes dois elementos, socalcos e aglomerados construídos (e entre ambos e o rio, muitas vezes), ligações bruscas, tensas, a rasgar cotas, rampas íngremes e escadas entre muros, geralmente a céu aberto, aqui encerradas face às necessidades do programa.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Mas está também, essa escolha de estruturação / separação do programa em três zonas distintas, ao serviço da procura de colocar nas mesmas cotas os grandes tempos de permanência, reduzindo ao máximo possível as deslocações de cota. Algo que com certeza também não será estranho à história da transformação física e espacial deste vale, e que agora, apenas, procuramos reinterpretar.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

O acima exposto é também uma expressão do entendimento típico da História da Arquitetura na Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto… não como um fim em si mesmo, como algo estanque no passado, mas acima de tudo como mais um elemento que se traz para cima do estirador / computador, de forma articulada com os restantes problemas de projeto.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Recomenda-se a viagem de 3 horas por via-férrea entre o Porto e o Pocinho na qual, principalmente a partir da Régua, esta história se vai desvelando no ritmo dolente do comboio.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Concorrentemente o conjunto de opções assumidas / adotadas já referidas permitiu ainda conjugar de forma mais articulada princípios de gestão passiva da energia do edifício. Na zona de quartos, com períodos de maior permanência e com atividades físicas menos intensas, reduz-se a “pele” exposta ao exterior, encosta-se, semienterra-se no terreno (tal como os esquimós fazem com os igloos). As coberturas verdes reforçam o isolamento, material e simbólico. Complementando esta procura da energia solar passiva, os quartos expõem claraboias a sul, procurando o sol, uma vez que a vertente de implantação de todo o edificado é virada a norte. As paredes interiores dos quartos em betão aparente reforçam simultaneamente o sentido de “terra”, de “lar”, de proteção, desta componente do programa; e a otimização das possibilidades de armazenamento da energia solar térmica captada através das claraboias. Que no muito calor do Verão duriense se sombreiam pelo exterior.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Como bónus, das camas vêem-se as estrelas. E em conjugação com as necessárias janelas, e desejada iluminação natural ao longo dos corredores de acesso aos quartos, permite-se que, do exterior, os socalcos de xisto, e as suas respetivas coberturas “flutuem”, rejeitando, de forma consciente qualquer mimetismo direto. Mesmo a irregularidade da planta nesta zona de quartos, mais do que contribuir para uma qualquer “ironia” do mimetismo, está ao serviço da articulação entre uma componente sistematizada e repetitiva do programa (as células dos quartos), e a necessidade de uma grande proximidade destes com zonas diversas. Estas zonas destinam-se quer ao apoio mais direto da vivência dos quartos (pequenas copas, pequenas zonas de convívio, lavandarias de uso individual,…) quer a outras, variadas, exigências programáticas (áreas técnicas, zonas de equipamentos, de arrumos, …). Desempenha ainda, a referida irregularidade da planta, um papel no jogo entre repetição e identidade, fragmentando o longo espaço e visualidade de longos corredores indiferenciados, pontuando-o com limites de perspetiva e espaços únicos e irrepetíveis ao longo do seu desenvolvimento.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

No entanto, e mesmo face ao exposto, esta articulação de condições e opções de projeto não deixa de permitir que a componente quantitativamente mais significativa do programa se possa “diluir” no terreno/paisagem; e também que a desejada futura expansão do número de quartos do Centro (representadas a cinza mais claro nas peças gráficas que acompanham o texto) se possa vir a processar sem grandes perturbações das lógicas gerais do projeto (até porque este foi já desenvolvido tendo em conta a perspetiva de possível ocupação máxima do terreno).

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Acrescente-se ainda, no espaço de referência a esta componente do programa, que apesar da exiguidade da área de cada um dos quartos, estes foram desenvolvidos para que todos os que estão construídos à cota do corredor de acesso permitam a sua ocupação por atletas em cadeira de rodas. Apenas retirando e colocando os respetivos apoios em cada um dos wc’s desses quartos, permite-se que os atletas com condicionantes físicas possam escolher os quartos onde querem ficar, que possam ficar integrados nas mesmas áreas que o resto das suas equipas, sem os remeter para uns quartos específicos, nuns cantos convenientes, nuns “quartos para pessoas com deficiência”.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Assim definida a estruturação e modulação do terreno, do sítio e da componente programática de “alojamento”, as outras duas grandes áreas do programa (Zona Social – refeitório, bar, sala de convívio, biblioteca, auditório… – e Zona de Treino – Ginásio, Piscina de apoio, Balneários, Gabinetes médicos e de treinadores…), de funções mais dinâmicas, mais "produtivas", impõem-se na paisagem desenvolvendo-se ao longo da estabilização de algumas cotas como grandes volumes brancos, formalmente diversos e volumetricamente complexos.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Assumindo uma linguagem e uma expressividade próprias, surgindo como as componentes de maior visibilidade, manifestam o sentido de projecto e transformação, contrapondo-se à "timidez" dos socalcos. Desenvolvidas em conjunto com a investigação sobre as características e as necessidades espaciais de cada uma das componentes programáticas, procuram encontrar a especificidade da relação destas com o lugar.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

As zonas coletivas de permanência, descanso e relaxamento conquistam as cotas altas e contemplam a paisagem. As de treino e esforço, voltam-lhe as costas, na procura de correspondência a lógicas de esforço e concentração, que os atletas de alto desempenho conhecerão como poucos.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Desenvolvem também, em conjunto com estas especificidades, diferentes relações com os princípios enunciados, em relações de causa e efeito interdependentes. A complexidade formal articula o desenvolvimento de uma imagem específica com, por exemplo, a liberdade de controlar a exposição solar dos envidraçados entre o Verão e o Inverno, ou o Nascente e o Poente. Ou seja, a aparente aleatoriedade do devir das formas, procura garantir uma exposição direta dos envidraçados ao sol de Inverno e o seu sombreamento face ao agoniante calor do Verão. Igualmente se procura que estas articulações sejam consequentes com as particularidades do sistema construtivo desenvolvido, elemento indissociável das questões de linguagem que se colocam em jogo. Entre as fachadas e coberturas ventiladas ou o duplo isolamento térmico, e um sistema de “construção a seco” que procura questionar o ciclo de vida dos materiais e a inevitável demolição e, assim possível, desmontagem e recolha seletiva de matérias do Centro, daqui a muitos muitos anos. Assim se espera.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Desafio aliciante e estimulante de Arquitectura, o Centro foi-o também da investigação das formas e dos processos de integração da especificidade de "novos" temas, como o da Acessibilidade e o da Sustentabilidade, no que, indefinidamente, procuramos definir como… Arquitectura. Só. Sem rótulos. Sem acrescentar adjetivos que apenas a reduzem. Nem “ambiental”, nem “verde”, nem “acessível”, nem “inclusiva”, nem “sustentável. A verdadeira Arquitetura, para o ser, é tudo isto, e muito mais.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Quanto a este projeto, para além de terminar a obra, apenas falta aquilo pelo qual, penso eu, os arquitetos efetivamente trabalham. Os utilizadores da sua obra.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

“Álvaro Fernandes Andrade, professor na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, e intervindo neste projeto como partner da spacialAR-TE e Diretor do Departamento de Projetos da m.pt ®”

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato. Cita: "Centro de Alto Rendimento de Remo do Pocinho / Álvaro Fernandes Andrade" 27 Jan 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <http://www.archdaily.com.br/br/248200/centro-de-alto-rendimento-de-remo-do-pocinho-slash-alvaro-fernandes-andrade>
Ler comentários