Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Espaco Publico

Espaco Publico: O mais recente de arquitetura e notícia

Ranking 2012: As 10 melhores cidades do mundo para viver

O programa de reabilitação dos bairros de favelas do Rio de Janeiro

O lado oculto de Nova York por Alex MacLean

Punggol Promenade / LOOK Architects

© Choo Meng Foo

Novo urbanismo de transformação e reciclagem: Projeto Madrid Centro

O Projeto Estratégico para o Centro de Madrid realizado pela iniciativa da Prefeitura da Capital constituiu a oportunidade de ensaiar um novo enfoque urbanístico capaz de afrontar os desafios derivados da globalização, mudanças climáticas e transformações. A estrutura do Projeto Madrid Centro é organizada como sintaxe inovadora de conceitos e políticas urbanísticas capazes de reinventar/reinterpretar a cidade conforme princípios de responsabilidade social, cultural e ambiental.
Madrid evoluiu desde macrocefalia centralizadora à perda de peso relativo a respeito do entorno metropolitano. Na última década, a cidade seguiu o caminho do modelo urbano anglo-saxão: crescente tendência à suburbanização metropolitana, primeiro das famílias e em segundo momento das instituições e atividades econômicas. Este processo é particularmente preocupante quando se refere às atividades mais inovadoras. O alojamento no centro manifesta uma heterogeneidade marcada. Convivem processos de modernização e de entrincheiramento de grandes bolsões de deterioração estrutural. Em síntese, pode-se afirmar que a “bolha” imobiliária experimentada durante a última década se manifestou no Centro numa polarização dos processos de “gentrificação” (atração de rendas altas suburbanas a arredores de qualidade reabilitada) e de “guetização” (consolidação de grandes bolsões de deterioração residencial vinculadas à imigração, particularmente aquela de caráter irregular).
Em relação com o espaço público e paisagem é detectado um processo de banalização e perda de identidade associado à degradação do meio ambiente urbano gerado pela preeminência do automóvel.

Qual é o lugar para o espaço público em nossas cidades?

Praça do Mercado La Salut / Vora Arquitectura

© Adrià Goula Sardà

Intervenção urbana: Livros nas ruas, para compartilhar e grátis

Em Detalhe: Mobiliário Urbano do Projeto LentSpace / Interboro

Vídeo: Low Line New York - o plano para um parque subterrâneo

Intervenção urbana: uma interpretação da vida nos edifícios

Centro de Repouso para idosos de Burlada / MAGMA ARQUITECTURA + Jokine Crespo

idosos de Burlada / MAGMA ARQUITECTURA + Jokine Crespo (3)" src="https://images.adsttc.com/adbr001cdn.archdaily.net/wp-content/uploads/2012/04/1333649586_burlada_center_for_the_elderly_magma_arquitectura_1-530x231.jpg" alt="" width="530" height="231">
© MAGMA ARQUITECTURA / Jokine Crespo

Mobiliário Urbano Reciclado por Oliver Schau

A estrada solar cada vez mais próxima

“Espaço compartilhado”: cidades sem sinais de trânsito

Atravessar uma rua ou avenida nem sempre é uma tarefa fácil em algumas cidades: para os pedestres, ciclistas e automobilistas são ensinados a olhar para ambos os lados, estar sempre atentos e com a vista e ouvidos com atenção na pista, pois mais vale ser precavido do que um condutor imprudente. Em outras palavras, ser defensivo parece ser o lema. No entanto, o modelo do “espaço compartilhado” (“Shared Space”) aposta numa mudança no desenho urbano que procura integrar o tráfego e as atividades humanas e não ser isoladas a partir daquele, como geralmente acontece. O projeto do “Espaço Compartilhado” nasceu em 2004 e foi financiado em parte pela União Europeia, para ser implantado na Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Holanda e Inglaterra.

Projeto fotográfico: Paisagem urbana apocalíptica de Pequim

"Urban Fabrics": Espaço público e uma instalação de telas coloridas

Arte e Arquitetura: Red Ball Project de Kurt Perschke