1. ArchDaily
  2. Desenho

Desenho: O mais recente de arquitetura e notícia

Astropad: Use seu iPad como um tablet de desenho profissional

Astropad, um aplicativo para iOS e Mac, transforma seu iPad em um tablet de desenho profissional sem a necessidade de hardwares adicionais. Desenvolvido por Matt Ronge e Giovanni Donelli - ambos engenheiros que já trabalharam na Apple - o aplicativo permite que o iPad funcione como um trackpad, aceitando a maioria das canetas de outros fabricantes.

Beba como um arquiteto: combine seu drink com um grande edifício

Parafraseando o antigo provérbio: "por trás de todo há um grande arquiteto". Segundo o escritório suíço Kosmos Architects, uma versão menos familiar desse ditado poderia ser: "além de cada grande edifício, há um drink perfeito". O escritório revelou uma relação cientificamente (não) comprovada entre o álcool e a arquitetura: rampas, por exemplo, são geralmente construídas numa inclinação de 5 a 7 graus, um número próximo à porcentagem de álcool de uma cerveja. Além disso, um telhado com 45 graus de inclinação, projetado para escolar a água e a neve, revela a porcentagem de álcool da vodca usada em climas rigorosos para aquecer as pessoas no inverno.

Kosmos Architects publicou uma série de doze cartões postais ilustrados, relacionando edifícios icônicos os seus drinks adequados. Um Manhattan para Mies, um Blue Blazer para Zumthor, e um Smoky Martini para Herzog & de Meuron, todos fazem parte da série Good Drinks & Good Buildings, uma comparação entre arquitetura e drinks bem a tempo para a virada do ano.

O que há no martíni do SOM? descubra a seguir.

Villa Malaparte por Adalberto Libera and Curzio Malaparte / Negroni.Cortesia de Kosmos ArchitectsSeagram Building por Mies van der Rohe / Manhattan Cocktail. Cortesia de Kosmos ArchitectsBruder Klaus Field Chapel por Peter Zumthor / Blue Blazer Cocktail. Cortesia de Kosmos ArchitectsPalais Bulles por Antti Lovag / Bellini. Cortesia de Kosmos Architects+ 26

Designer português registra sua viagem pelo mundo através de desenhos

Sacar uma câmera fotográfica ou, hoje em dia, o celular, fazer a foto, passa para o próximo monumento ou atração. É desse modo, mecânico e automático, que muitos turistas se comportam quando viajam para novos lugares. Talvez, quem sabe, um dia esses registros sejam revistos - lembranças de momentos que nunca foram vividos, dada a velocidade com que se observa o mundo por trás da pequena tela de LCD.

Parece cada vez mais raro contemplar, deter-se por um tempo e simplesmente observar, sentir o lugar. O português Luís Simões vem fazendo basicamente isso há dois anos. Sempre que chega a alguma nova cidade, presta-lhe a merecida atenção e, então, registra com lápis e papel aquilo que vê e sente.

"Desenhando Sombras" por Gautam Bhatia

Gautam Bhatia é um arquiteto de Nova Deli e um dos mais famosos escritores de arquitetura da Índia, tendo escrito para o The New York Times, Outlook Magazine e Indian Express.

Hoje em dia, vivemos do jeito que vivemos porque não conhecemos outro modo. Nossas vidas se enquadram nos padrões definidos de casas, ruas, bairros, cidades. Como um arquiteto, tento entender e explorar - através do desenho - diferentes possibilidades de construção e paisagem. Cada vez mais os desenhos têm me afastado das convenções da arquitetura, indo em direção a planos mais abstratos. Desenhar tem ajudado a definir espaços inexistentes, talvez como eles deveriam existir. Não de uma maneira utópica, mas de modo a tentar meramente descrever um jeito diferente de viver. 

Curso livre Escola da Cidade - Desenho e Criatividade: Experimentações

A Escola da Cidade – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo promove, a partir de agosto, o curso livre Desenho e Criatividade: Experimentações, organizado pelo artista plástico Marcelo Cipis.

O curso visa desenvolver a criatividade na representação/elaboração de projetos em geral, e a apropriação de recursos próprios para o desenho. Serão 12 aulas com exercícios para criação de desenhos a partir de diferentes estímulos. O único pré-requisito é gostar de desenhar.

O Ensino do Desenho / Lucio Costa

Clive Bell define arte como significant form.

O rabisco não é nada, o risco – o traço – é tudo. O risco tem carga, é desenho com determinada intenção – é o “design”. É por isto que os antigos empregavam a palavra risco no sentido de “projeto”: o “risco para a capela de São Francisco”, por exemplo. Trêmulo ou firme, esta carga é o que importa. Portinari costumava dar como exemplo a assinatura, feita com esforço, pelo analfabeto (risco), com o simples fingimento de uma assinatura (rabisco).

O arquiteto (pretendendo ser modesto) não deve jamais empregar a expressão “rabisco” e sim risco.

Risco é desenho não só quando quer compreender ou significar, mas “fazer”, construir.

Uma interessante ferramenta para arquitetos: “Any Kinda Tape measure” por Sunghoon Jung

Bienal de Veneza 2012: “Álvaro Siza. Viagem sem Programa”

Cadeira Bi / Elemento Diseño

Arte e Arquitetura: Desenhos ao Jantar / Álvaro Siza