1. ArchDaily
  2. Comunitário

Comunitário: O mais recente de arquitetura e notícia

UNStudio publica guia sobre como construir comunidades no mundo pós-pandemia

Em relatório recentemente publicado e disponibilizado de forma pública e gratuita, o UNStudio procura documentar e esclarecer o processo de construção de comunidades desenvolvidos pelo estúdio neste primeiro momento de retomada pós-pandemia. Por meio de exemplos práticos, o UNStudio busca pôr em evidencia algumas das várias estratégias projetuais utilizadas tanto em projetos de arquitetura quanto de planejamento urbano que procuram favorecer e potencializar a interação humana e os processos de trocas entre as pessoas em uma era de tantos medos e incertezas. Além disso, o relatório enfatiza a importância dos chamados “terceiros lugares” e da incessante busca do estúdio por uma escala mais humana na arquitetura e no planejamento urbano, assim como a influência das novas formas e modalidades de trabalho e socialização que emergiram ao longos dos últimos anos.

Courtesy of UNStudio. Imagem FOUR FrankfurtImage Courtesy of UNStudio / Cox Architecture. Imagem Green Spine by UNStudio + Cox ArchitectureJetBrains Office. Imagem Cortesia de ZOA StudioBrainport Smart District Master Plan. Imagem Cortesia de UNSense+ 6

Escola Community Canvas / pk_iNCEPTiON

© Aashlesha Bhosale© Yash Katariya© Aashlesha Bhosale© Aashlesha Bhosale+ 32

  • Arquitetos: pk_iNCEPTiON
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  64
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2021

Arquitetura participativa: quando a comunidade se faz presente no processo projetual

Centro Comunitário de Naidi / CAUKIN Studio. Foto: © Katie EdwardsKindergarten Zimbabwe / Studio Anna Heringer. Foto: © Margarethe HolzerNave Multiprograma - sistema vertical de plataformas esportiva e culturais / Alejandro Haiek / LAB PRO FAB. Fotografia: © Julio Cesar MesaUVA El Paraíso / EDU - Empresa de Desarrollo Urbano de Medellín. Foto: © Alejandro Arango+ 39

A experiência do usuário facilmente pode se contrapor aos ideais de um projeto, principalmente quando espaços devem ser pensados para comunidades. Sendo assim, recorrer a uma arquitetura na qual os futuros usuários possuem poder de decisão representa um movimento no qual distintos pontos de vistas podem se aliar ao olhar do arquiteto para gerar um partido inovador.

Legibilidade cidadã e engajamento comunitário: o projeto Passeia, Jardim Nakamura

O projeto Passeia, Jardim Nakamura é uma iniciativa piloto de legibilidade cidadã; onde, ao utilizar-se do engajamento comunitário como forma de estabelecer vínculos, co-criou e implantou, juntamente com os moradores, um sistema de sinalização no bairro Jardim Nakamura, localizado no Jardim Angela em São Paulo/SP. O projeto foi desenvolvido pelo Instituto COURB e o SampaPé!, contando com o apoio financeiro do Fundo Casa Cidades. Com a proposta, se objetivou promover o reconhecimento do bairro pelos moradores, bem como a conquista de maior conforto e segurança nos deslocamentos a pé, o estímulo a conexões na relação com o espaço e a apropriação das histórias locais. O projeto buscou, nessa perspectiva, facilitar a leitura do território, fomentando o reconhecimento das histórias e dos próprios atores do bairro; além de também indicar os lugares mapeados, as distâncias a pé e o recorte territorial.