Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Julho no ArchDaily: Resiliência na Arquitetura

14:30 - 17 Julho, 2019
Julho no ArchDaily: Resiliência na Arquitetura

Resiliência tornou-se cada vez mais comum em nosso vocabulário quando falamos de pessoas, edifícios, cidades ou mesmo sociedades inteiras que superam todos os tipos de problemas. Na verdade, as pesquisas do Google relacionadas à resiliência continuam a crescer desde 2004 em inglês, espanhol e português.

Veja o aumento da temperatura nas maiores cidades do mundo até 2050

07:00 - 17 Julho, 2019
Veja o aumento da temperatura nas maiores cidades do mundo até 2050, Mapa: Crowther Lab, Fuente: Bastin et al. 2019 Plos One, Creado con Datawrapper
Mapa: Crowther Lab, Fuente: Bastin et al. 2019 Plos One, Creado con Datawrapper

Em 2050, o clima em Madri será muito semelhante ao atual clima de Marrakech no Marrocos. Estocolmo será mais parecida com Budapeste, Londres a Barcelona, ​​Moscou com Sofia, o clima em Seattle será como em San Francisco enquanto que Tóquio, apresentará condições climáticas como aquelas da cidade de Changsha, na China.

10 Soluções de Fachadas Adaptativas para uma Arquitetura Resiliente

11:00 - 11 Julho, 2019
10 Soluções de Fachadas Adaptativas para uma Arquitetura Resiliente, Image Courtesy of TuDelft and the Spong3d project
Image Courtesy of TuDelft and the Spong3d project

O termo “resiliência” tem sido utilizado para os mais distintos assuntos. Sua definição científica é a capacidade de uma substância ou objeto retornar à forma depois de sofrer algum trauma. Ou seja, é bem diferente da resistência, pois trata-se da capacidade de adaptação e recuperação. Na ecologia, a resiliência trata da capacidade de um ecossistema em responder a uma perturbação ou a distúrbios, resistindo a danos e recuperando-se rapidamente. Já na arquitetura, desenhar algo tendo a resiliência em mente pode levar a diversas abordagens. Um projeto resiliente é sempre localmente específico. Prever os possíveis cenários típicos de uso da edificação e mesmo as situações de desastre que poderiam desafiar a integridade do projeto e dos ocupantes é um importante ponto de partida. Além disso, podemos abordar sobre as estruturas e materiais adaptáveis que podem “aprender” de seus ambientes e se reinventar continuamente. Se pensamos em programas e robôs com logaritmos que aprendem com o contexto, porque não podemos usar o mesmo raciocínio em nossas construções?

Por que mitigar ao invés de reconstruir? O exemplo da resiliência chilena

15:00 - 9 Julho, 2019
Por que mitigar ao invés de reconstruir? O exemplo da resiliência chilena, © Carolina Barría Kemp, licença <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0">CC BY-SA 2.0</a>. Imagem A erupção do vulcão Calbuco (2015) visto de Puerto Montt
© Carolina Barría Kemp, licença CC BY-SA 2.0. Imagem A erupção do vulcão Calbuco (2015) visto de Puerto Montt

O Chile é um país acostumado tanto com desastres naturais quanto com processos de reconstrução. No entanto, a frequência desses ciclos tem aumentado ao longo dos anos. De acordo com o Ministério do Interior, 43% de todos os desastres naturais registrados no Chile desde 1960 ocorreram entre 2014 e 2017. Inclusive o governo já está envolvido em vários processos de reconstrução em todo o país.