Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Nicolás Valencia

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE FOTÓGRAFO

9 lições para enfrentar a Arquitetura depois de sair da universidade

Você prepara seu trabalho final de graduação por um longo tempo. Sonha muito com a apresentação, com a banca, com o projeto, com sua maquete, com o memorial, com as suas palavras. Avança, mas crê que será péssimo. Logo sente que não, que será um êxito e que tudo terá valido a pena. E logo tudo se repete e tens vontade de suicidar-se. Que isso é uma montanha russa e não sabes quando tudo acabará. 

Até que chega o dia. Você apresentar seu projeto. Explica suas ideias. A banca faz perguntas. Você responde. Você percebe que sabe mais do que pensava e que nenhum de seus sonhos constantes durante o ano não estiveram perto do que realmente aconteceu no exame. A banca murmura. Acaba a apresentação e te pedem que saia por um tempo. Ali você espera uma eternidade, minutos que rastejam lentamente. Passa, por favor. A comissão recita uma breve introdução e você não pode deduzir se foi bem ou mal. A comissão vai direto ao ponto. Você passou! Parabéns, você é um novo colega e todos te felicitam pela sua realização. A alegria invade você, apesar do cansaço que vêm arrastando. A adrenalina baixa. Passam-se semanas ou meses para ter um descanso merecido. E você começa a se perguntar: e agora?

A universidade -essa instituição que te forma como profissional- te entrega o diploma e agora você enfrentará o mercado de trabalho pela primeira vez (se é que nunca trabalhou antes). Antes de sair e definir suas próprias métricas de êxito pessoal (o êxito já não é medido em avaliações acadêmicas), compartilhamos com você 9 lições para enfrentar o mundo, agora que você é uma arquiteta ou um arquiteto.

Clássicos da Arquitetura: Cine Tauro / Walter Weberhofer

O cinema Tauro é uma jóia arquitetônica (esquecida) no centro histórico de Lima.

Sua construção data de 1957 a 1959. Esta obra de Walter Weberhofer, incansável arquiteto moderno dos anos 50 e 60, foi concebida como um complexo misto de entretenimento, comércio e escritórios que faria parte de um sistema de uma torre de 10 andares. Do projeto original chamado "Washington Cinema" só foi possível construir 3 andares comerciais com seu respectivo porão e o complexo de cinema cuja fachada era orientada para uma praça triangular, dando à esquina - compreendida pelas ruas Washington e Delgado - uma imagem urbana cinematográfica que rompeu com o cotidiano.

Cortesía de CAMMP Cortesía de CAMMP Cortesía de CAMMP Cortesía de CAMMP + 14

Quais deveriam ser as habilidades de um arquiteto?

Ao se formar é comum uma rara sensação entre os arquitetos: não saber o que se sabe. Desenhar? Não tanto. Detalhes técnicos? Necessita especialistas. Pode construir a partir do zero? Não, ainda não, falta prática. Então, o que sabemos realmente?

Kazuyo Sejima: "Projetar um edifício não é apenas um exercício de escala, mas principalmente de detalhe"

A cofundadora do escritório japonês de arquitetura SANAA, Kazuyo Sejima, apresentou mais detalhes do seu novo projeto para a futura Galeria Nacional de Budapest na ocasião de sua participação no Hay Festival Segovia, realizado na cidade homônima na última sexta-feira na zona metropolitana de Madri. A ganhadora do Prêmio Pritzker de 2010 (junto ao seu sócio Ryue Nishizawa) assinalou que o conceito deste projeto segue a linha de outros três icônicos museus realizados anteriormente pelo seu aclamado escritório de arquitetura: o Museu de Arte Contemporânea do século XXI em Kanazawa (2004), o New Art Museum na cidade de Nova Iorque e o Louvre de Lens, na França (2012).

No contexto da décima terceira edição do Hay Festival realizado na cidade de Segovia, Laszló Baán, diretor do Museu Húngaro de Belas Artes, revelou seu plano ambicioso, apresentando os detalhes do Projeto em Budapest, um masterplan de 100 hectares em pleno coração da capital, o qual contará com o projeto de outros dez museus, incluindo a Casa da Música Húngara projetada por Sou Fujimoto, a ampliação do jardim zoológico, o museu de belas artes e a própria Galeria Nacional de Budapest, concebida pelo SANAA para abrigar um acervo que vai da arte do século XIX até a contemporaneidade.

O que estudantes de arquitetura podem aprender em uma comunidade nos andes peruanos?

Por ocasião da recente edição do Workshop Social Latino-americano em Chucuito, Peru - XV TSL Puno -, o ArchDaily em Espanhol e o Coordenador Latino-americano de Estudantes de Arquitetura (CLEA) convidaram todos os alunos participantes do encontro a refletir sobre sua experiência pessoal em uma recente chamada de artigos. O texto originalmente intitulado "Construyendo Lazos" (Construindo Laços), de Indira Fernández e Diana Hernández, membros do Taller Puma, de Lucio Torres e estudantes da Universidade Veracruzana, no México, foi eleito como vencedor desta chamada.

Indira e Diana se concentraram no desafio que a TSL enfrentou em seus últimos anos: ela não é mais simplesmente uma oficina de construção, mas também uma instância para que futuros arquitetos exercitem diferentes metodologias de participação e integração cidadã no momento do projeto, o mesmo momento em que se discute os desafios e ameaças da chamada arquitetura social.

Fazer parte de uma equipe interessada em entender sentimentos, tradições e culturas torna-se muito reconfortante, mas por sua vez convida a questionar qual é o propósito de fazer arquitetura. O que poderíamos esperar de uma oficina social em um país diferente do nosso? O que se pode aprender em uma comunidade localizada a 3.870 metros acima do nível do mar? O que podemos contribuir como estudantes?

Guia de arquitetura moderna de Lima: 16 obras imperdíveis

Assim como a maioria das capitais latino americanas, o centro histórico de Lima — conhecido como o Cercado de Lima— enfrenta simultaneamente processos de deterioração, conservação e transformação. Ao transitar por suas ruas e avenidas, podemos ver as massivas arquiteturas neocoloniais e republicanas sendo permeadas por algumas das principais obras do movimento modernista do Perú, uma "época de ouro" da arquitetura pública de meados do século XX.

Em 1947, a irrupção do grupo Agrupación Espacio, a reforma da Praça de Armas de Lima e o alargamento de algumas das principais vias da cidade como a Avenida Tacna e a Avenida Wilson, marcaram a expansão do movimento modernista no Peru. As obras de Enrique Seoane Ros e Walter Weberhofer em pleno centro histórico de Lima lançaram uma nova linguagem formal e estrutural para a arquitetura do país. Estrutura aparente, planta livre, janelas em fita, lajes planas e placas comerciais ilustravam uma visão otimista para com o futuro do país. A pesar da desconfiança inicial, este novo movimento acabou sendo amplamente respaldado, durante mais de duas décadas, por um Estado entusiasmado com o desenvolvimento urbano de suas cidades e a construção de grandes complexos habitacionais como o PREVI e o Residencial San Felipe.

Ainda que o seu legado seja indiscutível, o modernismo no Perú ainda não é protegido por lei, como bem colocam as arquitetas Alejandra Acevedo e Michelle Llona em seu último livro intitulado Catalogo Arquitectura Movimiento Moderno Peru, um volume imperdível e a principal fonte de pesquisa deste artigo. Nesta nova publicação do guia da arquitetura moderna na América Latina, apresentamos 15 obras modernas do centro histórico de Lima, juntamente com um mapa para que você possa fazer um tour guiado de arquitetura pelo centro da capital peruana.

Edificio La Nacional / Enrique Seoane Ros (1947-1948). Image © Nicolás Valencia Ministerio de Educación / Enrique Seoane Ros (1951-1956). Image © Nicolás Valencia Edificio de Seguros El Sol /  Enrique Seoane Ros (1956-1958). Image © Nicolás Valencia Centro Cívico de Lima (1966-1970). Image © Nicolás Valencia + 33

La Serpentina, um jogo infantil urbano projetado por ELEMENTAL para Somos Choapa

No centro do Parque Cultural de Valparaíso (Chile), um novo jogo infantil urbano capturou a atenção e a energia de crianças de todas as idades nas últimas duas semanas: é uma estrutura metálica de 40 metros de comprimento que contém um caminho ondulado colorido onde crianças correm, pulam, se escondem e deslizam.

Trata-se de La Serpentina, um dos projetos públicos espaciais que o escritório ELEMENTAL (Alejandro Aravena) construirá para Somos Choapa no Chile, e que por estes dias, faz uma parada em Valparaíso por ocasião da XX Bienal de Arquitectura y Urbanismo de Chile.

Após a concepção de dispositivos similares implantados no perímetro do Parque Bicentenário da Infância (2012) em Santiago, La Serpentina é uma das duas intervenções com as quais a Somos Choapa participa da Bienal. O segundo é um modelo interposto com uma série de telas de toque implantadas no recinto principal do Parque Cultural de Valparaíso, representando mais de 100 iniciativas concretas do projeto.

Miguel Lawner sobre guetos verticais: "A precariedade habitacional agora se estende à classe média"

no contexto da XX Bienal de Arquitetura e Urbanismo do Chile, o arquiteto chileno Miguel Lawner — ex-diretor da histórica Corporação de Melhoramento Urbano (CORMU) no início dos anos setenta— fez parte da mesa de debates O Habitar Comum.

A seguir está a transcrição do discurso lido por Lawner em sua apresentação inicial, compartilhando a mesa com Gabriel Salazar, vencedor do Prêmio Nacional de História Chilena 2006; Doris González, chefe do movimento de colonos UKAMAU; e Ernesto López, acadêmico da Universidade do Chile, entre outros.

Lawner coloca o foco nos chamados "guetos verticais", um fenômeno inédito na história do urbanismo chileno, definidos pela intensa densidade residencial aparentemente sem restrições regulatórias e com apartamentos de pequena área vendidos para famílias de classe média na Estación Central, bairro pericentral de Santiago do Chile. O arquiteto chileno liga o fenômeno à história da superlotação da classe baixa no Chile durante o século XX e adverte que "a habitação precária agora se estende à classe média".

10 conselhos para arquitetos procrastinadores

Ver memes de gatos. Revisar se há algo novo na geladeira a cada dez minutos. Distribuir obsessivamente os livros sobre a mesa. Renomear as pastas do computador. Enfim, qualquer atividade irrelevante para evitar começar sua leitura, ensaio, maquete, projeto. Procrastinar agora, sofrer depois. Que sua versão do futuro se encarregue disso!

Ao entrarmos em longos e extenuantes projetos, é provável que todos já tenhamos caído na procrastinação para evitar nossas próximas tarefas. Não somente pular olimpicamente aquelas metas exigidas no escritório e na universidade, mas também aquelas pessoais que resultariam fundamentais para nos sentirmos realizados como seres humanos. Hoje, baseados em nossas próprias experiências e a opinião de especialistas, apresentamos 10 conselhos para arquitetos procrastinadores, esperando que vocês não estejam procrastinando ao ler esse artigo.

O que um arquiteto pode fazer após um terremoto? Sete lições de RAMA Estudio no Equador

Na manhã de 17 de Abril, 2016, poucas horas depois do terremoto que atingiu a costa do Equador e deixaria mais de 650 mortos e 30.000 desabrigados, o escritório RAMA Estudio associou-se com 10 jovens escritórios para contribuir na reconstrução do país. Assim nasceu o supracoletivo Actuemos Ecuador.

Conversamos com Felipe Donosco e Carolina Rodas, co-fundadores do Rama Estudio (junto a Carla Chávez), sobre sua experiência no processo de reconstrução do Equador. "O aporte que se pode dar como indivíduo é mínimo e quase imperceptível", disse Rodas, "mas se são unidas forças entre coletivos, será algo mais robusto, popular e sustentável no tempo", acrescenta.

Neste artigo abordamos sete lições compartilhadas por Felipe e Carolina. A calma, o planejamento e a participação comunitária tem sido chaves em um coletivo que recentemente inaugurou um de seus projetos, a Casa Comunal Renacer de Chamanga. Sua regra de ouro? Não vá onde não precisem de você.

Estudar Arquitetura não é como o Uber ou o Netflix

Tenho dado aulas nos últimos dez anos e tenho visto com espanto como os estudantes universitários de arquitetura estão cada vez mais convencidos de que a Faculdade de Arquitetura é como o Uber ou o Netflix.

Acostumaram-se a escolher, rejeitar e evadir, apenas deslizando um dedo para o lado. Se você não gostam do escritório, podem deslizar algo mágico e passar ao seguinte. Como quando pedem um Uber e cancelam a viagem se não gostam do carro ou do rosto de quem irá recebê-los na porta. Creem que se os professores não os qualificam como esperam, eles podem dar uma ou duas estrelas na avaliação e a universidade lhes devolverá sua mensalidade. Nada do encontro de ideias e aprendizagem progressiva que significa a universidade. Pagam (ou seus pais) por um serviço, como uma assinatura do Netflix ou uma casa no Airbnb.

Panorama da arquitetura na Colômbia por arquitetos internacionais

O crescimento das instituições públicas, universidades e o setor privado na Colômbia criou a necessidade de conceber novas arquiteturas capazes de abrigar programas cada vez mais complexos, assumindo o papel da disciplina como o principal agente nos processos de renovação urbana e um fator necessário para posicionar o país no panorama global.

Na última década Colômbia se converteu no epicentro de importantes projetos realizados por arquitetos internacionais de alto nível como Richard Meier, Steven Holl, Rafael de la Hoz e Richard Rogers. Através de propostas urbanas distantes da retícula de origem espanhola tradicional na América Latina e com novas estéticas próprias de uma paisagem referencial contemporânea, a incidência de arquitetos internacionais começou a suscitar a importância de abordar a complexidade da disciplina como um assunto de primeira importância na construção das cidades.

A seguir, apresentamos o estado de 10 obras de arquitetos internacionais na Colômbia.

ATRIO / RSHP + Giancarlo Mazzanti . Image © RSHP Plan Maestro Centro Administrativo Nacional / OMA + Gomez Castro Arquitectos. Image © OMA Centro Internacional de Convenciones ÁGORA BOGOTÁ / Juan Herreros + Daniel Bermudez . Image © Bermudez + Herreros Centro Cívico Universidad de Los Andes / Cristián Undurraga + Konrad Brunner . Image Cortesía de Cristián Undurraga + Konrad Brunner + 42

Ciclovias, imigrantes e relíquias do futuro: 4 reflexões sobre arquitetura e cidade na Holanda

No final do mês de novembro tivemos o privilégio de visitar a Holanda (Países Baixos) graças ao convite que recebemos do Het Nieuwe Instituut (HNI): viajando entre Amsterdã, Roterdã e o charmoso povoado de Radio Kootwijk nos encharcamos da cultura holandesa, observando e pensando em voz alta, criando dúvidas e tentando resolvê-las na volta para casa.

Por isso, decidimos compartilhar com vocês uma série de reflexões pessoais sobre a arquitetura e o urbanismo da Holanda, acreditando que a partir de pequenos detalhes podemos discutir grandes temas.

Discorreremos sobre entender o êxito dos seus 32.000 km de ciclovias, a importância dos imigrantes na sua atual gastronomia, o inferno dos barcos durante séculos e que terminou sendo convertido em um aeroporto, as novas tipologias arquitetônicas em vias de extinção e os atuais experimentos de materiais carbono zero.

A seguir, um convite a observar e deixar de turistar. 

Radio Kootwijk: edifício A. Imagem © beefortytwo [Flickr CC] Bazar, restaurante multicultural em Rotterdam que reflete a multiculturalidade das principais cidades holandesas. Imagem © Dominik Morbitzer [CC] Ciclista em Amsterdam. Imagem © José Manuel Ríos Valiente [Flickr CC] A convivência das culturas gastronômicas na Holanda. Imagem via Wikipedia CC + Earth Pulse + 18

O que Germán Samper vê quando desenha?

Esquivando-se da suave chuva de Bogotá, um gato de olhos turquesa, banhado em branco em preto, se esconde embaixo da marquise de um escritório em meio a uma frondosa vegetação. Uma generosa abertura de madeira filtra a luz e ilumina um espaço, centenas de livros, pastas amarelas e quadros pendurados. Dentro, cômodo em sua cadeira, Germán Samper pega um lápis, o apoia sobre a superfície do papel e começa a explicar tudo o que diz da maneira mais simples e clara possível.

Seja dando instruções para pegar um táxi em Bogotá ou explicando as recentes modificações na histórica cidadela Colsubsidio, Samper - mestre da arquitetura colombiana - pode expressar suas ideias sobre o papel com uma facilidade que nos faz acreditar que desenhar pode ser muito simples, mas este é o truque. É apenas questão de registro e Samper sabe por experiência própria.

"Não entendo como os arquitetos não desenham mais se é um verdadeiro prazer", se questiona. 

A seguir, uma conversa com Germán Samper e uma série de desenhos inéditos do arquiteto colombiano.