Pagina inicial

Conheça a história por trás da nova identidade da nossa marca

Saiba mais

Byun Jongseok

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE FOTÓGRAFO

As megacidades do futuro também podem se tornar inteligentes?

Cidades estão tão profundamente enraizadas na história da humanidade que dificilmente nos perguntamos por que vivemos nelas ou qual a razão de nos agruparmos em assentamentos urbanos. Ciro Pirondi, arquiteto brasileiro, aponta que vivemos em cidades porque gostamos de ter alguém para conversar, enquanto Paulo Mendes da Rocha classifica a cidade como “a suprema obra da arquitetura”. A cidade é o mundo que o homem constrói para si próprio. Tratam-se de imensas construções coletivas, palimpsestos, colagens de camadas de histórias, realizações, conquistas e perdas.  

Já somos majoritariamente urbanos desde 2007. E a porcentagem deve chegar a 70% de pessoas vivendo em cidades em 2050. Nos próximos anos, megacidades com mais de 10 milhões de habitantes deverão se multiplicar, principalmente na Ásia e na África, muitas delas em países em desenvolvimento. Tal projeção levanta o alerta em relação à sustentabilidade e às mudanças climáticas que as cidades catalisam. E, claro, sobre como possibilitar a qualidade de vida a seus habitantes e de que forma eles poderão prosperar e se desenvolver em contextos que, muitas vezes, não são os ideais. Como esses assentamentos urbanos receberão este aporte da população? Enquanto seus centros antigos demandarão transformações e atualizações, suas periferias exigirão o projeto de novas residências e equipamentos públicos, além de infraestruturas adequadas. Como esse processo pode ajudar os centros urbanos a se tornarem inteligentes, utilizando de forma criativa e eficiente a tecnologia já disponível a favor de seus habitantes? 

Como aproveitar o espaço embaixo da cama?

Durante os últimos anos, temos explorado diferentes maneiras de aproveitar os pequenos espaços na arquitetura residencial. De móveis eficientes e cozinhas com sistemas transformáveis a ideias para adaptar eletrodomésticos, os arquitetos têm buscado soluções eficazes para melhorar a qualidade de vida das pessoas em escassos metros quadrados, ou para flexibilizar as opções de espaço flexível em tipologias multifuncionais e de uso misto.

A cama, como elemento indispensável, pode ser utilizada à favor desses conceitos. Suas funções podem ser cumpridas sem perder espaço valioso e a experiência do dormitório pode ser enriquecida com uma reflexão cuidadosa. Como reinventar e aproveitar as oportunidades da cama tradicional?

Casa Seroro / Smaller Architects

© Byun Jongseok
© Byun Jongseok

© Byun Jongseok© Byun Jongseok© Byun Jongseok© Byun Jongseok+ 21

  • Arquitetos: Smaller Architects
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  66
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2020