Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos

Artigos

Cadeira para crianças Trona / Daniel Molina

Esta cadeira, criada pelo arquiteto chileno Daniel Molina, foi pensada em função do crescimento das crianças pequenas - o que se reflete em seu desenho, que permite a regulagem da altura do assento. A base da cadeira se estrutura de modo bastante simples através de duas placas colocadas em diagonal, sobre as quais desliza o assento, que se ajusta à altura através de dois parafusos.

Yes Is More: A Filosofia do BIG

Anders Møller é co-fundador da GRASP Magazine, onde este artigo foi originalmente publicado.

O que o internacionalmente premiado Bjarke Ingels Group (BIG) tem a ver com Friederich Nietzsche e Charles Darwin? Muito, de acordo com o fundador Bjarke Ingels, que criou uma poderosa mistura de Nietzsche e Darwin como a base filosófica da arquitetura do BIG.

Leia a seguir o fascinante artigo de Anders Møller sobre a inusitada filosofia do BIG.

Prateleira Chuck / Natascha Harra-Frischkorn

Chuck é um sistema de prateleiras criado pela projetista Natascha Harra-Frischkorn, que se inspirou na ideia de criar um espaço individual flexível.

À primeira vista, o móvel parece ser uma simples prateleira de madeira fixada na parede, porém, um olhar mais atento revela que se trata de um sistema composto por tábulas de madeira flexíveis que se adaptam aos objetos que nela se apoiam.

Cinema & Arquitetura: "Dogville"

E se um filme é filmado de um modo tão minimalista que sua única referência seja uma planta desenhada no chão. Então você precisa imaginar todas as informações que faltam em um tipo de extrusão mental do que é físico. É essa a maneira escolhida pelo diretor dinamarquês Lars von Trier para representar uma parábola que se passa em um povoado fictício no Colorado.

A Literatura da Arquitetura, uma conversa com Germán del Sol [Parte II]

O Escândalo dos Bondes nos Estados Unidos

O escândalo ou conspiração dos bondes nos Estados Unidos é uma interessante história do transporte no mundo, pelo seguinte:

Estacionar é um inferno (mas os projetistas podem ajudar nisto)

A maior parte dos estacionamentos é gratuito - mas isso não significa que não têm um custo elevado. Um podcast recente da Freakonomics Radio examinou os estacionamentos nas cidades americanas, investigando o "custo de estacionamentos não pagos pelos motoristas" - um custo pago não só pelo governo, mas pelo meio ambiente - devido ao congestionamento e poluição causados pelas pessoas que procuram uma vaga. Por exemplo, em uma área de quinze quarteirões em Los Angeles, a distância percorrida pelos motoristas procurando por vagas é equivalente a uma viagem atravessando o EUA por dia.

Uma solução potencial discutida em um projeto de San Francisco chamado SF Park, faz uso de sensores para medir a demanda por estacionamento em certas áreas da cidade e ajustar o preço de acordo com a demanda. Em teoria, isto criaria um pequeno número de espaços vazios em cada quarterão e reduziria drasticamente o tempo que muitos motoristas gastam procurando por vagas.

Apesar da ideia ser uma inteligente abordagem ao problema de estacionamentos nas ruas, esta conversa sobre oferta, demanda e valores mais parece uma solução elaborada por um economista. O que os projetistas podem fazer para ajudar nesta situação?

Talvez, a partir da perspectiva do projetista, o verdadeiro problema dos estacionamentos nas ruas é que eles são sempre vistos como conjuntos a um edifício ou a uma região da cidade. Houve uma série de tentativas de arquitetos - algumas bem sucedidas outras tragicamente falhas - de tornar os estacionamentos um destino em si, ao invés de serem rupturas no tecido das cidades. Poderiam estas ideias apontar para outra direção?

Saiba mais sobre 3 exemplos de estacionamentos como eram no passado, e uma possibilidade futura, após o intervalo...

Desafio Pritzker: Reconhecimento na Era das Parcerias Criativas

O Prêmio Pritzker teve um começo idealista: conquistar o reconhecimento dentro da arquitetura, uma profissão que tinha perdido há muito tempo seu status na opinião pública. O Pritzker 'costurou' essa fragmentação, celebrou a figura do arquiteto e transmitiu sua contribuição para a sociedade; um semblante criativo, um autor singular cuja singularidade o coloca além de um campo de praticantes.

O Prêmio, desde então, assumiu um papel de "guardião" do "arquiteto estrela". Embora seja inspirador que a arquitetura como profissão tenha reafirmado seu status e importância cultural, o prêmio Pritzker se colocou no centro da cena, correndo o risco de ser consumido por uma realidade sintética dentro da profissão. Se o Pritzker e outros modelos semelhantes de reconhecimento estão evoluindo, eles devem difundir transformações na prática e enfatizar as mudanças no interior da profissão.

Primeiramente, Denise Scott Brown deve ser reconhecida de forma retrospectiva. Algumas opiniões divergentes não mudam os fatos.

Leia mais sobre a (d)evolução do prêmio Pritzker após o intervalo...

A Recuperação da Calçada no Desenho da Cidade

O principal tipo de espaço público nos Estados Unidos é a rua. Por muito tempo ela se demonstra como o suporte para a economia, servindo de cenário para o intercâmbio e interação entre clientes, comerciantes e empresários. Sob o ponto de vista de que as ruas e as cidades não são estáticas, tampouco completas, e com base de que é na calçada que surge a ideia da criação de valores, estas continuam crescendo como facilitadoras da vida urbana. Como nos rios, estes pontos de contato com a “margem” criam diversas atividades. Portanto, na medida em que nossas ruas recebem carros mais rápidos e maiores, o rio torna-se o caminho para separar a atividade que dá origem às calçadas.

Entrevista com Denise Scott Brown: “Na arquitetura faz falta menos ego e mais medo”, por El País

O conflito de ser reconhecida pelo prêmio Pritzker junto a seu marido e sócio Robert Venturi, pôs Denise Scott Brown "no olho do furacão".

Coleção Jangada / Nicole Tomazi

© Marcelo Donadussi © Marcelo Donadussi © Marcelo Donadussi © Marcelo Donadussi + 32

A designer brasileira Nicole Tomazi criou a coleção Jangada para a Semana de Design de Milão de 2013. Seus projetos são criados através da junção da estrutura de alumínio com bordado feito à mão com corda de poliéster, criando um interessante desenho que permite ao usuário utilizá-lo de forma versátil no cotidiano.

Confira fotos do projeto na continuação. 

Luminária Vilú: arquitetura mínima no espaço / gt2P

O escritório gt2P, em colaboração com Den Herder Production House (DHPH), desenvolveu a Coleção de Luminárias Vilú, que faz parte do projeto "No espaço de nossos objetos". Por que fazer objetos? Como eles participam no espaço? O que eles nos oferecem? Criar objeto nos ajuda a criar uma arquitetura mínima. Além disso, eles participam no espaço, o definem funcionalmente e intensificam as situações. Nos permitem ainda transmitir uma ideia, aprender maneiras de fazer e testar processos.

Mais informações, a seguir.

© Aryeh Kornfeld Kischinevzky © Aryeh Kornfeld Kischinevzky © Aryeh Kornfeld Kischinevzky © Aryeh Kornfeld Kischinevzky + 25

Cinema e Arquitetura: "24 City"

Esta semana em Cinema e Arquitetura, apresentamos uma obra do aclamado diretor Jia Zhangke, 24 City não pode ser considerado um documentário, já que os atores encenam na maioria das cenas, no entanto, este filme chinês realista mostra a dissociação entre o rápido desenvolvimento urbano e uma população que parece ser vitimada pela globalização.

O filme centra-se nos trabalhadores na Factory 420, um complexo projetado e implantado pelo governo para fins militares e usado como uma fábrica para a produção e reparação de elementos mecânicos para o exército. Toda esta área tornou-se uma cidade em si, junto das habitações que surgiram, dos trabalhadores da fábrica. Quando o espaço é convertido em 24 City, um complexo para acomodar centenas de apartamentos de luxo, todo o lugar é demolido. 24 City conta histórias dos trabalhadores no meio desta transformação.

Como devemos considerar esses tipos de cidades mono-funcionais e como poderia/deveria ser o seu futuro?

Suburbia / Note Design Studio

Suburbia é o resultado da primeira colaboração entre o Note Design Studio e o fabricante italiano Seletti; uma solução flexível para armazenar objetos quaisquer que trabalha com a iconografia arquitetônica - uma vista aérea de um povoado para se pendurar na parede. Os objetos interagem com a escala da paisagem de forma lúdica e divertida.

Memorial Steilneset / Peter Zumthor e Louise Bourgeois, fotografias de Andrew Meredith

© Andrew Meredith © Andrew Meredith © Andrew Meredith © Andrew Meredith + 26

Em homenagem àqueles perseguidos nos Julgamentos de Bruxaria Finnmark do século XVII, o Memorial Steilneset repousa ao longo da costa recortada do Mar de Barents em Vardø, Noruega. O fotógrafo Andrew Meredith compartilhou conosco uma série de fotos documentando essa obra de arte criada numa colaboração única entre o famoso arquiteto Suíço Peter Zumthor (Basel, 1943) e a influente artista contemporânea Louise Bourgeois (Paris 1911 – 2010).

Silla 2R / Sien Estudio

Sob o contexto do 52º Salone lnternazionale del Mobile de Milán, os chilenos do Sien Estudio apresentaram seu projeto para a cadeira 2R, na versão N. 16º do Salone Satellite, uma peça que demonstra a plena expressão a sua visão minimalista de vanguarda.

2R é uma poltrona compacta, elegante e sofisticada, de grande impacto visual e cômoda. É um desenho inovador cheio de expressão, é a reinterpretação de uma poltrona sob uma visão aguda e contemporânea de projeto. Seu nome deriva do gesto que pronuncia sua estrutura lateral.

Flux Cocoon: 3.600 luzes LED envolvem uma ponte / Allegory

Durante os meses de inverno, muitas cidades de todo o mundo revelam impressionantes instalações públicas que aumentam os ânimos com as luzes acesas. A cidade suíça de Lausanne celebrou o Festival Lausanne Lumières, e uma das instalações mais impressionantes é um gigantesco nó vermelho feito com 3.600 luzes LED. Criado pelo escritório de arquitetura e design Allegory, o "Flux Cocoon" envolve uma ponte para pedestres. O projeto foi inspirado no Flon, o principal centro da cidade, onde todos os percursos se encontram.

Mais informações após as imagens.

©  Laura Rimayati ©  Laura Rimayati ©  Laura Rimayati ©  Laura Rimayati + 7

Estudantes da Universidade de Newcastle constroem um café temporário com estrutura de papelão reciclado

Um grupo de estudantes da Universidade de Newcastle, em parceria com arquitetos e engenheiros, construiu um café pop-up inteiramente feito de caixas e restos papelão. O Trash-Café, como é chamado, faz parte de uma iniciativa de reciclagem da universidade, que tem como objetivo divulgar a consciência ambiental entre os jovens designers e incentivá-los a usar materiais sustentáveis.

Mais informações e imagens abaixo.

© Newcastle University © Newcastle University © Newcastle University © Newcastle University + 8

Fachada em cerâmica especial neutraliza a poluição do ar na Cidade do México

Este edifício literalmente "se alimenta" da poluição do ar que o rodeia. A nova Torre de um hospital na Cidade do México possui uma fachada revestida com Prosolve370e, um novo tipo de cerâmica - desenvolvido pelo escritório Elegant Embellishments - cuja forma e revestimento químico permitem neutralizar poluição, e não apenas uma pequena quantidade, mas a poluição equivalente de 8.750 carros por dia.

Mais informações e fotos abaixo.

© Alejandro Cartagena © Alejandro Cartagena © Alejandro Cartagena © Alejandro Cartagena + 9

Submergence: um espaço flutuante de luzes / Squidsoup

Caminhar através de uma paisagem estrelar brilhante é o conceito de Submergence. Projetado por Squidsoup, a instalação conta com 8.064 luzes LED flutuantes, penduradas no teto da Galleri ROM em Oslo, Noruega e no Royal Society da Nueva Zelanda, na sede Wellington. Enquanto os convidados passam através das luzes, a instalação reage às suas presenças, criando um ambiente que pode variar de calmo a agitado, fazendo com que os visitantes se sintam como se estivessem encapsulados pela luz.

Mais informações na sequência.

© vía Squidsoup © vía Squidsoup © vía Squidsoup © vía Squidsoup + 6

Video: Casa em Minami-azabu / Hitoshi Wakamatsu Architects

As normas e legislações urbanas no Japão fazem com que os arquitetos busquem soluções pragmáticas. Neste caso, a casa desenhada por Hitoshi Wakamatsu foi construída nos limite das restrições legais do bairro em que se localiza.

Casas de Bambu de H&P Architects resistem a inundações flutuando sobre tambores reciclados

O escritório vietnamita H&P Architects apresentou uma proposta de residência que resiste à cheia das águas; um projeto barato e fácil de construir, cuja base é feita de bambu colhido no local. As casas são construídas sobre plataformas de tambores de óleo reciclados que as fazem flutuar durante as inundações, porém, sem sair do lugar, pois são presas através de âncoras.

Optou-se pelo bambu como material predominante não apenas por ser abundante na região, mas também por ser versátil, durável e tradicional nas construções locais. Tetos e paredes e pisos estão dispostos entre estacas de aço que seguram as casas durante as inundações, fazendo-as funcionar como barcos ancorados.

Arte e Arquitetura: "Cities and Plants", Ilustrações de Atelier Olschinsky

Há alguns anos, Atelier Olschinsky trabalhou nesta série de incríveis ilustrações intitulada "Cities and Plants". Trata-se de um híbrido entre ilustração digital e arquitetura, obtendo resultados muito interessantes e, incluso, algumas das ilustrações estão disponíveis e à venda como obras de arte.

Mais imagens de seu trabalho na continuação.

Mesa Plet / Reinier de Jong

A mesa PET, desenvolvida pelo arquiteto e designer Reinier de Jong, é construída apenas com materiais reciclados. Oitenta faixas diferentes de metacrilato Perspex compõem a parte superior translúcida. Estas tiras apresentam diferentes espessuras, cores e níveis de transparência que fazem de cada mesa PLET uma peça única.

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.