Centro Comunitário “Heart of Yongan” / TJAD

Centro Comunitário “Heart of Yongan” / TJAD

© Schran Image© Schran Image© WeiserMaterial principal da construção - parede de taipa. Imagem © Schran Image+ 38

  • Lead Architect:Philip F. Yuan
  • Arquitetos Responsáveis:Weizhe Gao, Xiangping Kong
  • Engenharia Estrutural:Hongkui Yue, Rui Wang
  • Engenharia Mecânica E Elétrica:Liang Sheng, Qing Zhang, Jiandong Chen
  • Cliente:Nuodeng Township People's Government, Yunlong County, Yunnan Province
  • Cidade:Dali
  • País:China
Mais informaçõesMenos informações
© Schran Image
© Schran Image

Descrição enviada pela equipe de projeto. Localizada no condado de Yunlong na província de Yunnan, a vila de Yong'an é conhecida por sua paisagem montanhosa sinuosa, acessibilidade ruim e é considerada uma das áreas mais pobres da China. Ela está situada na antiga Tea Horse Road, que conecta o sul da Ásia e a China continental. Portanto, é o local de encontro de vários grupos étnicos minoritários, incluindo Han, Bai, Hui e Yi. Desde 2012, a equipe de voluntários da Universidade de Tongji está ativamente envolvida na organização de atividades e na criação de soluções no esforço de melhorar o conhecimento, o espaço e a qualidade de vida dos moradores locais. Na verdade, a equipe de voluntários construiu um pequeno edifício público rural com a visão de reativar a aldeia Yong'an em 2018. Devido à sua localização geográfica em um vale profundo, os moradores valorizam a importância de espaços públicos internos e externos. De um funeral a um casamento ou mesmo espaços de socialização diária, o espaço torna-se a principal prioridade para eles. A diferença de altitude entre a Aldeia Yong'an superior e inferior é de cerca de 300 metros, tornando a distância vertical de viagem inacessível. Na verdade, os moradores das aldeias superiores frequentemente sofrem de inacessibilidade ao transporte, pobreza e vivem em condições difíceis. A maioria deles são sem-teto e não têm espaço para interagir uns com os outros além do seu espaço de trabalho. Portanto, construir um centro comunitário para a aldeia superior se tornou o principal objetivo desta atividade voluntária.

Vista aérea à noite. Imagem © Schran Image
Vista aérea à noite. Imagem © Schran Image

Observação e experiência local. A primeira visita ao local foi realmente memorável, depois de dois dias viajando de Xangai, finalmente chegamos à aldeia de Yong'an. A entrada da aldeia ficava bem no topo de uma ponte suspensa acima da correnteza, dando aos visitantes uma sensação ritualística. Enquanto subíamos o caminho para a montanha, fomos recebidos com o distinto muro de contenção construído em arenito vermelho. Percebemos, então, que a maioria das residências tradicionais "wu di shui" estavam abandonadas, embora algumas ainda estivessem em ótimas condições. Ao continuarmos nossa jornada, pudemos ver que havia algumas cabanas e currais construídos com tijolos de adobe ao longo da rua. Depois de caminhar por meia hora, chegamos ao topo da montanha e lá havia um terraço ao norte, com algumas árvores grandes e uma velha estrutura assentada sobre ela. O terreno é retangular, com 1,5 metros de diferença de altura em relação à estrada. O local está voltado para um vale, as camadas de florestas em tons diferentes cobrindo o contorno da paisagem formam um cenário pitoresco.

A aldeia tranquila e pacífica e centro comunitário. Imagem © Schran Image
A aldeia tranquila e pacífica e centro comunitário. Imagem © Schran Image
© Schran Image
© Schran Image

Construído localmente pelos moradores. Durante o desenvolvimento do projeto do centro comunitário, a forte restrição orçamentária colocou uma limitação invisível no processo de criação do conceito. Depois de investigar mais a fundo o método de construção local e seu artesanato, percebemos que a construção com taipa era o método mais amplamente aplicado na aldeia. Além disso, havia uma pequena fábrica de estrutura de aço na cidade mais próxima que surgiu durante o início da industrialização da construção. A estratégia para manter a construção abaixo do orçamento era fazer uso do artesanato local existente e envolver os moradores no processo de construção, tanto quanto possível.

© Weiser
© Weiser
Axonométrica
Axonométrica

A aplicação de uma nova tectônica na construção tradicional tornou-se a estratégia deste projeto. A forma hiperbolóide do telhado foi gerada através da geometria algorítmica, no entanto, esta forma moderna dificilmente poderia ser compreendida pelos artesãos locais, mas acreditamos que através da comunicação e do estabelecimento de princípios simples, a construção deste volume seria altamente realizável. Foi adotado um telhado curvo com inclinação única e granulação reta, pois poderia drenar a água com eficácia e, o mais importante, esse método de construção poderia ser facilmente ensinado aos moradores por meio de matemática simples. As telhas azuis locais foram usadas como os principais materiais, pois eram sustentáveis e exigiam pouca manutenção no futuro. Além disso, poderiam ser facilmente empilhadas de acordo com a geometria pretendida; esse método foi então denominado como forma pixelada, realizando superfícies curvas complexas de grande dimensão por meio da simplificação.

Deck ao ar livre utilizando a alvenaria de entulho seco. Imagem © Schran Image
Deck ao ar livre utilizando a alvenaria de entulho seco. Imagem © Schran Image
Implementação de Parede de Taipa
Implementação de Parede de Taipa
Material principal da construção - parede de taipa. Imagem © Schran Image
Material principal da construção - parede de taipa. Imagem © Schran Image

O deck externo e os acabamentos do piso são construídos em pedra (entulho); os marrons foram feitos de arenito coletado do leito do rio na aldeia mais baixa. A combinação de paredes de alvenaria com pedra e telhado inclinado elaborou ainda mais o caráter do processo de construção. Em resposta à cultura local, a parede de taipa foi escolhida para ser o material principal deste projeto. O método de construção começou preenchendo a terra úmida em uma estrutura de madeira customizada, tomando a superfície plana da parede como referência, o artesão local então comprimia o solo pela ação de socar camada por camada. A parede de taipa de pilão continha arenito vermelho que poderia ser encontrado no local, enquanto outros conteúdos de solo necessários deveriam ser transportados para o local. Independentemente da consideração do orçamento, este método de construção eliminou amplamente o uso de maquinário, demonstrando com sucesso o uso de uma estratégia de design de baixa tecnologia.

© Schran Image
© Schran Image
Uma grande figueira plantada no ponto mais baixo do telhado. Imagem © Schran Image
Uma grande figueira plantada no ponto mais baixo do telhado. Imagem © Schran Image

Uma das principais intenções do projeto deste centro comunitário era apresentar a leveza do sistema estrutural, além de minimizar o uso de material de aço, a intenção também era criar uma ilusão de telhado 'flutuante' acima do volume de taipa. Para reduzir ainda mais o volume da estrutura, optou-se pelo pátio com colunas escalonadas de aço com detalhes mais finos nas extremidades. Algumas das colunas foram conectadas por dobradiças de alta eficiência para fortalecer sua capacidade de suporte, ao mesmo tempo criando um contraste interessante com a parede de taipa.

© Schran Image
© Schran Image

O teto hiperbólico não linear paramétrico aumentou a dificuldade de construção. Tentamos minimizar o uso de componentes não padronizados e derivamos os pontos de coordenadas necessários para o processo de determinação da forma visando a viga de aço do arco e os dados de comprimento, essas informações foram usadas para orientar os artesãos locais a realizar a construção manualmente. As estruturas leves de aço haviam injetado uma impressão de industrialização no centro comunitário, trazendo um efeito contemporâneo e animado, tornando-se uma justaposição à parede de taipa tradicionalmente trabalhada.

© Weiser
© Weiser

Assentado nas montanhas em direção ao horizonte, escondendo tendências por trás de um gesto humilde. O que os moradores locais desejam é um centro comunitário que seja "cultivado" na própria aldeia, ao mesmo tempo que funciona como abrigo para fins residenciais. Emergindo da natureza, ao mesmo tempo em que se fundia com ela, o centro comunitário se entrelaçava com o natural da maneira mais sutil, existindo co-dependentemente. O centro comunitário manteve a tranquilidade da aldeia, como se os moradores estivessem sendo colocados em um espaço com o qual estavam familiarizados. Apesar da familiaridade do volume, este centro comunitário elevou de alguma forma a qualidade de vida deles, ao mesmo tempo que lhes proporcionou um sentimento de pertencimento.

Pátio utilizado para atividades ao ar livre do centro comunitário (diurno). Imagem © Schran Image
Pátio utilizado para atividades ao ar livre do centro comunitário (diurno). Imagem © Schran Image

Foi adotada a tipologia de pátio semifechado, o terreno retangular foi definido como o limite externo do centro comunitário, com três quartos do local circundados pelo telhado em arco, formando uma linha de fluxo livre, criando um diálogo interessante com o limite retangular. Ao manter a funcionalidade dos espaços internos, tentamos maximizar o espaço público aberto tanto quanto possível. O corredor "flutuante" tornou-se um elemento contínuo, porém fluido, que mantinha os espaços unidos. Para acomodar a baixa diferença de altura da entrada, o teto foi rebaixado na entrada, formando um ponto de partida e finalizando no encontro com a encosta da montanha. Como o terreno existente já possuía uma essência própria e única, tentamos responder com a linguagem mais simples possível.

Corredor "flutuante" cria uma visão desobstruída. Imagem © Schran Image
Corredor "flutuante" cria uma visão desobstruída. Imagem © Schran Image

Integração da comunidade. Depois de explorar a aldeia, ficou claro que não havia espaço ou edificação pública existente, portanto, a falta de senso de pertencimento e reconhecimento espacial tornou-se um problema para a aldeia que consiste em Han, Bai, Hui e outras etnias grupos. A construção de um centro comunitário serve para estabelecer um local espiritual para os moradores. O salão comunitário, escritórios e banheiro público juntos criam uma sensação de proteção para os moradores, enquanto o pátio interno ocupa a posição central, atuando como o principal espaço de atividade pública do centro comunitário. Respeitamos a estrutura existente na zona norte, deixando essa parte do volume vazia. Além disso, com a tentativa de fornecer uma visão desobstruída da montanha sul, elevamos o lado nordeste do telhado em 3 metros, criando uma característica distinta a partir de uma forma de telhado horizontal originalmente monótona.

Salão comunitário para os aldeões se reunirem e discutirem assuntos diários. Imagem © Schran Image
Salão comunitário para os aldeões se reunirem e discutirem assuntos diários. Imagem © Schran Image
Vista do salão comunitário para o pátio. Imagem © Schran Image
Vista do salão comunitário para o pátio. Imagem © Schran Image

A fim de reconstituir a cena dos aldeões se reunindo em torno de uma árvore durante as civilizações antigas, uma grande figueira-da-índia foi plantada no ponto mais baixo do telhado. Esta árvore tornou-se a representação espiritual do local e zelará por este centro comunitário, que guardará memórias dos aldeões por muito tempo. Não tínhamos intenção de criar uma utopia rural, mas o que estávamos tentando criar era uma sensação de nostalgia por meio do conceito arquitetônico de "localidade não local". A nostalgia não se limita a carregar o passado, mas é uma experiência de aprender com ele. Um conceito utópico de nostalgia é normalmente definido como viver no presente enquanto relembra o passado, mas acreditamos que, enquanto houver um desejo de iteração; o futuro está cheio de esperança. Nosso respeito pela cultura local foi a base deste projeto arquitetônico, e levamos em consideração a capacidade local de construção. Estávamos trabalhando em desafiar a padronização da urbanização; em vez disso, queremos celebrar a essência das aldeias rurais. O objetivo do centro comunitário da aldeia de Yong'an é remodelar as moradas espirituais e as memórias dos aldeões no futuro.

Pátio. Imagem © Schran Image
Pátio. Imagem © Schran Image

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:Yongan Village, Yunlong County, Yunnan Province, China

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Escritório
Cita: "Centro Comunitário “Heart of Yongan” / TJAD" [“Heart of Yongan” Community Center / TJAD] 08 Jul 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/964739/centro-comunitario-heart-of-yongan-tjad> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.