Seminário "Jorge Wilheim: Tênue Esperança no Vasto Caos"

Seminário "Jorge Wilheim: Tênue Esperança no Vasto Caos"

O seminário “Jorge Wilheim: Tênue Esperança no Vasto Caos" tem como objetivo dar visibilidade às teses sobre o futuro das cidades no século XXI - elaboradas por Wilheim durante a Conferência de Istanbul da ONU nos anos 1990 e aprofundadas em publicação no início dos anos 2000 - e apresentar o pensamento do arquiteto  como planejador urbano, tendo como base suas publicações — “O caminho de Istambul” em seu apêndice “Nosso fecundo fim-de-mundo” e “Tênue Esperança no Vasto Caos – Questões do Proto Renascimento do Sec. XXI”. 

O debate contará com a participação de interlocutores que vivenciaram com Jorge Wilheim momentos importantes de sua trajetória, são eles: a Profa. Dra. Angélica Alvim, arquiteta e urbanista, diretora da FAU Mackenzie; o economista urbano e assessor do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC), Alberto Paranhos; o arquiteto, urbanista, professor da FAU USP e gestor público, Prof. Dr. Nabil Bonduki; e a filósofa, escritora, Profa. Dra. Olgária Matos, professora de filosofia na USP e na UNIFESP. O seminário será conduzido pelo arquiteto, escritor e Prof. Dr. da FAU USP, Guilherme Wisnik, que assinou a curadoria da exposição “Conversas na Praça: o urbanismo de Jorge Wilheim”, realizada pelo SESC SP na unidade Consolação em 2019. A socióloga Ana Maria Wilheim, filha do arquiteto, fará uma conceitualização do seminário, enquanto a apresentação e boas-vindas aos participantes ficam à cargo de Marilucia Bottallo, diretora técnica do IAC e Raquel Arnaud, presidente da instituição. 

O seminário foi concebido pela socióloga e responsável pelo projeto "Legado Jorge Wilheim", Ana Maria Wilheim, em parceria com o Instituto de Arte Contemporânea. 

Seminário "Jorge Wilheim: Tênue Esperança no Vasto Caos" - Imagem 2 de 2
Parque Anhembi / Acervo: Jorge Wilheim

Sobre o acervo pessoal de Jorge Wilheim

O acervo pessoal de Jorge Wilheim foi doado por sua família para o Instituto de Arte Contemporânea para que esse assuma a sua salvaguarda, difusão e disponibilização pública. São aproximadamente 14 mil itens entre documentos pessoais, fotos, livros, estudos, projetos, plantas, desenhos e outros formatos. Só de grandes formatos (plantas, desenhos e projetos de arquitetura) estima-se três mil itens.

Fazem parte do conjunto de documentos, os projetos do Anhembi, do Teatro de Arte Israelita Brasileiro – TAIB, do Centro de Diagnósticos Albert Einstein, o projeto da Nova Augusta (não executado), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, além de inúmeros outros. Antes de ser disponibilizado ao público e para pesquisa, o acervo passará pelos processos museológicos padrão do instituto, contemplando as seguintes etapas: quarentena, higienização e organização, acondicionamento, digitalização, upload para o banco dados e catalogação. A previsão é que o trabalho seja concluído em até quatro anos. 

Sobre o IAC

Única instituição no país voltada exclusivamente à preservação de arquivos pessoais de artistas visuais brasileiros, o IAC – Instituto de Arte Contemporânea surgiu em 1997 para a preservação inicial de dois acervos confiados a Raquel Arnaud: Willys de Castro e Sergio Camargo. São 23 anos de credibilidade, incluindo dois Prêmios APCA, em 2006, como melhor iniciativa cultural do ano e em 2021, como melhor atividade cultural na área das artes visuais em 2020. Com sede própria localizada na Av. Dr. Arnaldo desde 2020, o IAC operou até então por meio de parcerias institucionais com a Universidade de São Paulo (2006-2011) e com o Centro Universitário Belas Artes de São Paulo (2011-2019). 

Se de um lado, com seu potente Núcleo de Documentação e Pesquisa, atende a estudiosos, de outro, o IAC oferece ao público exposições que revelam o processo de trabalho de grandes nomes da arte brasileira, além de cursos, palestras e workshops. Pela interface on-line ainda, pesquisadores de qualquer parte do mundo podem ter acesso ao acervo por meio de seu banco de dados.    

Atualmente o acervo conta com mais de 60 mil documentos, dos artistas: Amilcar de Castro, Hermelindo Fiaminghi, Iole de Freitas, Ivan Serpa, Lothar Charoux, Luiz Sacilotto, Sergio Camargo, Sérvulo Esmeraldo e Willys de Castro e do arquiteto Jorge Wilheim. Até o final de 2022, o IAC se prepara para receber os acervos de Antonio Dias, Carmela Gross e Rubem Ludolf. 

  • Título

    Jorge Wilheim: Tênue Esperança no Vasto Caos
  • Tipo

    Seminário
  • Organizadores

  • De

    23 de Abril de 2021 10:00 AM
  • Até

    23 de Abril de 2021 12:30 PM
  • Onde

    https://www.youtube.com/channel/UCBVOtVzb8oEd9KYdjewxpKg
  • Endereço

    Online

Este evento foi enviado por um usuário de ArchDaily. Se você quiser, pode também colaborar utilizando "Enviar um evento". As opiniões expressas nos anúncios enviados pelos usuários archdaily não refletem necessariamente o ponto de vista de ArchDaily.

Cita: "Seminário "Jorge Wilheim: Tênue Esperança no Vasto Caos"" 19 Abr 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/960355/seminario-jorge-wilheim-tenue-esperanca-no-vasto-caos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.