Ampliar imagem | Tamanho original
Em 1926, Le Corbusier formula os cinco pontos que se tornariam os fundamentos para a arquitetura moderna. Concretizados em 1929 no emblemático projeto da Villa Savoye, os atributos apresentados por Corbusier — pilotis, planta livre, fachada livre, janelas em fita e terraço jardim — foram muito explorados na produção arquitetônica modernista e até hoje estão presentes nos mais variados projetos de arquitetura contemporâneos.  Os cinco pontos se tornaram uma espécie de diretriz para a “nova arquitetura”, como anunciava Corbusier. Com o passar das décadas, as novas tecnologias, materiais e necessidades da sociedade continuaram e continuam a atualizar aquelas soluções arquitetônicas prenunciadas há quase um século como rumos para uma nova arquitetura. Em muitos projetos de arquitetura das últimas décadas, é possível notar a presença de pelo menos um dos cinco pontos. Quando mais de um deles — ou ainda, todos os cinco —  são utilizados em um mesmo edifício, o caráter inter-relacional que esses pontos apresentam entre si é retomado e a herança modernista na produção arquitetônica atual é, em certa medida, reafirmada.  Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar