Ampliar imagem | Tamanho original
Apesar de uma péssima reputação em histórias infantis, construções em palha podem, sim, ser sustentáveis, confortáveis e, acima de tudo, resistentes e sólidas. Diversas pesquisas e experimentações têm sido realizadas com esse resíduo da agricultura, qualificando-o como um material interessante para a construção de paredes, com boas características térmicas, acústicas e até mesmo estruturais. Além disso, é um recurso renovável e de construção simples. A seguir, falaremos sobre as características desse material e sobre como seria preciso muito mais que o sopro de um lobo mau para derrubar uma casa feita de paredes de palha.  A palha é uma sobra remanescente da produção de grãos, geralmente trigo, arroz ou cevada. Depois que a parte comestível dos grãos é colhida, os caules acabam descartados e, muitas vezes, são queimados. Uma das saídas é a compactação em fardos retangulares, que podem ser empilhados e utilizados como preenchimento ou até como paredes auto-portantes, técnica conhecida como estilo “Nebraska”, muito utilizada no século XIX nas planícies desse Estado dos EUA. Enquanto os fardos de campo podem suportar cerca de 900 kg por metro linear, blocos de alta densidade do mesmo material, compactados por máquinas, são projetados para suportar até quase 6000 kg/m. [1] Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar