De onde virá a inovação na arquitetura?

De onde virá a inovação na arquitetura?

Agora, mais do que nunca, a arquitetura precisa de inovação. A pandemia nos fez repensar fundamentalmente o funcionamento de nossas cidades, espaços públicos, prédios e casas. Enquanto isso, os recentes protestos do Black Lives Matter e a justiça racial nos questionam sobre cumplicidade da arquitetura em questões socioeconômicas mais amplas. Esses desafios são prementes, e não podemos mais adiar as mudanças na arquitetura.

Porém, mesmo antes que essas crises nos obrigassem a reexaminar a arquitetura, a indústria precisava desesperadamente de inovação. Um relatório da McKinsey de 2017 afirmou que a construção global "evoluiu em um ritmo glacial". Mesmo considerando o grande tamanho do setor - US $ 10 trilhões são gastos anualmente em construção, o relatório constatou - a produtividade está diminuindo. Como podemos identificar e desenvolver a inovação necessária para mudar essa indústria notoriamente lenta?

Em um artigo posterior, escrevi sobre como estruturar uma análise da inovação arquitetônica. A tese principal do artigo nasceu de minhas experiências na prática e educação em arquitetura. Como arquiteto, projetei e construí edificações usando materiais não convencionais emprestados das indústrias automotiva e aeroespacial. No entanto, plástico reforçado com fibra de vidro, madeira maciça e outros materiais de ponta com os quais trabalhei permanecem incomuns e ainda precisam ser absorvidos pelos arquitetos em geral. Desde a migração para a academia, notei uma lacuna semelhante: as habilidades inculcadas nas escolas de arquitetura não estão alinhadas com as necessárias para a prática e pouco ou nada é ensinado sobre o processo multifacetado de construção. O resultado final é que o setor não consegue entender a inovação, mesmo quando a produz.

Por isso, propus uma estrutura analítica no intuito de localizar oportunidades de inovação de materiais em diferentes pontos do processo de construção, especificamente: (1) finalidade ou ambição arquitetônica, (2) o processo AEC e (3) a perspectiva cíclica. É a partir dessas três "pedras angulares", argumento, que as futuras inovações arquitetônicas virão. Para entender melhor como esse método funciona na prática, vale a pena discutir cada pedra angular em maior profundidade.

© Quang Truong
© Quang Truong

A primeira pedra angular estabelece a importância de uma declaração clara de ambição e escopo arquitetônicos. Esse é um passo vital, pois reconhece a incrível diversidade de propósitos e metas - todos válidos à sua maneira - inerentes a qualquer empreendimento arquitetônico. Os arquitetos podem trabalhar em grandes igrejas, edifícios cívicos, edifícios comerciais, moradias multifamiliares, instalações internas ou abrigos temporários de emergência. Todos esses tipos de projetos cumprem funções muito diferentes e exigem critérios distintos para julgar seu sucesso. Podemos, razoavelmente, esperar que as soluções de projeto “apropriadas” para cada tipo sejam correspondentemente diversas; afinal, um material ou tecnologia adequada para um aeroporto pode não ser a mesma de uma unidade residencial adicional.

A articulação de uma ambição arquitetônica clara serve a propósitos adicionais. Por um lado, é essencial agrupar as muitas partes interessadas em um determinado esforço em direção a um objetivo compartilhado. A arquitetura é necessariamente colaborativa e, além disso, geralmente envolve o público em geral, portanto, a clareza e a transparência desse objetivo são fundamentais. Em segundo lugar, esta declaração de intenções define os critérios pelos quais as decisões subsequentes na cadeia de AEC (arquitetura, engenharia e construção) serão tomadas. Se o objetivo arquitetônico for claramente declarado, pode ser fácil entender por que uma solução de projeto específica ou uma escolha de material é ou não é apropriada.

Mais do que tudo, porém, uma nova ambição é uma fonte de inovação. Necessidade é a mãe da invenção, definir uma ambição arquitetônica é identificar uma necessidade. A sustentabilidade é um ótimo exemplo. Embora a ONU já as tivesse definido em 1987, as preocupações com a sustentabilidade foram lentamente integradas à construção nas três décadas subsequentes. Hoje, a sustentabilidade ocupa grande parte da indústria da construção, com inúmeras empresas de certificação, consultores e produtos competindo por uma parcela cada vez maior dos orçamentos do projeto. A incorporação de objetivos ecológicos na arquitetura significou uma redefinição parcial de como um edifício se comporta ou, pelo menos, deveria se comportar. Atualmente, continuamos repensando o que nossos edifícios precisam fazer, e as preocupações com bem-estar e equidade social estão se tornando cada vez mais importantes. Não se engane, essas ambições são as sementes da inovação. E com isso vem uma mudança de material, forma e programa.

Impedir essa mudança, no entanto, é um processo AEC notoriamente complicado e lento. Uma compreensão desse processo constitui a segunda pedra angular da minha estrutura. Um edifício simples pode levar mais de dois anos para passar da concepção à ocupação, enquanto projetos maiores e complexos podem facilmente levar uma década. A cada passo do processo, os sistemas burocráticos, legais, técnicos, econômicos, sociais e políticos se envolvem com a arquitetura de maneiras complexas.

© Quang Truong
© Quang Truong

Embora demore muito tempo para explicar todas as atividades incluídas no processo de AEC, podemos analisá-lo nas três seguintes fases: (1) viabilidade, (2) projeto e engenharia e (3) construção. Na fase de viabilidade, as partes interessadas determinam a viabilidade de um projeto de construção específico, que geralmente envolve a avaliação da disponibilidade de terreno, o estudo de zoneamento e taxa de construção e as implicações financeiras e econômicas da construção. Projeto e engenharia é a fase em que encontramos a “arquitetura”, definida livremente como o desenvolvimento de um projeto, a seleção dos materiais, a engenharia dos sistemas de construção e a elaboração dos desenhos e documentos de construção para licitação.

O longo, complicado e trabalhoso processo de AEC é o local onde muitas inovações propostas encontram seus maiores obstáculos - mostrando quem realmente está pronto para inovar. Na minha experiência com materiais não convencionais na arquitetura, posso afirmar que não se trata de sua adequação técnica, mas de como eles se encaixam ou não no processo AEC que inibe sua adoção mais ampla. A triagem inicial, e mais eficaz, ocorre dentro da fase de viabilidade, em que códigos estritamente prescritivos excluem preventivamente materiais não codificados e técnicas de construção, e as estruturas financeiras da construção enfatizam o custo inicial em valor de longo prazo.

Uma aplicação incorreta de tecnologias em suas fases mais adequadas no processo AEC pode explicar a lenta aderência à certas inovações, como o BIM (software de modelagem de informações de construção). O software BIM foi desenvolvido inicialmente como uma ferramenta para melhorar a eficiência da documentação e coordenação durante o projeto e a engenharia, mas se mostrou muito mais valioso para o gerenciamento de materiais durante a construção. O resultado, pelo menos em muitos casos, foi que os empreiteiros foram os primeiros a adotar o BIM, com os arquitetos seguindo o exemplo. Isso mostra que uma boa avaliação do impacto de uma inovação no processo AEC pode influenciar sua taxa de aderência.

© Quang Truong
© Quang Truong

A terceira pedra angular é uma avaliação do ciclo de vida. As preocupações do movimento da sustentabilidade trouxeram muitas considerações adicionais à tona na arquitetura. Mas uma das mais duradouras pode ser uma maior conscientização do impacto de um edifício além da vida útil projetada. Isso significa estudar os efeitos dos processos escolhidos na aquisição de materiais, operação predial, manutenção, resiliência e fim da vida útil. Em resumo, esses impactos podem ser divididos em três fases básicas do ciclo de vida: (1) incorporadas, (2) operacionais e (3) final de vida útil.

Em cada uma dessas fases do ciclo de vida, existem oportunidades de inovação na identificação, quantificação e medição do desempenho da construção. Edifícios mais resilientes podem aumentar a vida útil e a usabilidade? Existem materiais com custos de manutenção mais baixos, mas com maior durabilidade? Existem sensores que podem monitorar o uso de energia, a qualidade do ar interno ou a luz do dia? À medida que exigimos cada vez mais que nossos prédios funcionem efetivamente desde a concepção até o final da vida útil, as inovações na forma como identificamos, quantificamos e medimos o desempenho de um edifício ao longo de uma vida útil projetada ganharão importância.

É importante observar que essas fases e sub-fases se reforçam e se apoiam mutuamente. Qualquer inovação ou tecnologia proposta precisa ter uma compreensão clara de seus pontos fortes e desafios em cada fase da estrutura, julgada contra a ambição. Como qualquer estrutura, ela deixa de ser eficaz se um ou mais elementos forem comprometidos, mas ganha força se cada elemento e suas conexões forem robustos.

Trabalhando dentro dessa estrutura, podemos avaliar com mais precisão o resultado de muitas decisões. Antes de tudo, podemos avaliar a viabilidade de qualquer tecnologia ou inovação proposta. Ao gerar uma matriz simples enumerando oportunidades versus desafios (ou uma análise SWOT) em todas as fases, podemos obter uma compreensão mais completa do potencial dessa inovação para atingir uma meta. A ambição é usada para avaliar e pesar as vantagens e desvantagens de uma inovação proposta em cada fase. Em segundo lugar, podemos usar essa estrutura para determinar os melhores cursos de ação para cumprir nossas ambições espaciais.

Os edifícios são complicados e refletem a natureza igualmente complexa da sociedade contemporânea. Estamos constantemente aprendendo mais sobre o nosso ambiente e pedindo ao nosso ambiente construído que faça mais por nós. A arquitetura precisa se adaptar e mudar constantemente, e quanto mais isso for possível, melhor ela poderá servir aos nossos objetivos. As inovações propostas na arquitetura devem determinar sua ambição, descobrir maneiras de medir seu sucesso e entender como isso muda o processo de fazer um edifício acontecer.

Via The Architect's Newspaper.

Sobre este autor
Cita: Truong, Quang. "De onde virá a inovação na arquitetura?" 07 Ago 2020. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/944981/de-onde-vira-a-inovacao-na-arquitetura> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.