Ampliar imagem | Tamanho original
As cidades estão na linha de frente no enfrentamento da Covid-19. Esta pandemia manifesta-se como uma crise global, e as decisões tomadas neste delicado momento pelos governantes, formuladores de políticas, tomadores de decisão e a população têm sérias consequências futuras. Inúmeros contextos já estão sofrendo alterações que modificam — mesmo que momentaneamente — o comportamento da humanidade. Medidas de distanciamento social, lockdown, cuidados sanitários e a contenção da mobilidade urbana apresentam-se como elementos consideráveis na transformação dos novos cenários urbanos. A mobilidade urbana está afetada pelas múltiplas ordens e medidas que variam dentre regimes mais rígidos e/ou mais flexíveis em diferentes contextos. Um exemplo recente dos problemas que a pandemia está ampliando pode ser observado pelo déficit divulgado de US $16 bilhões do Metrô de Nova York para os próximos 4 anos. Uma cidade onde o transporte público é uma opção habitual, o prejuízo é significativo. Apesar do metrô estar com problemas que afetam o nível de serviço, a força de trabalho e a melhora na infraestrutura, o distrito de Manhattan e boa parte do Brooklyn, assim como o Queens, dispõem de densidade populacional e diversidade. Indicadores, que quando combinados de uma maneira acertada, são fatores essenciais para convivência, qualidade do espaço urbano e implementação de estratégias de mobilidade urbana sustentável. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar