Centro de Medicina Comparativa e Bioimagen / Calderon-Folch Studio

Centro de Medicina Comparativa e Bioimagen / Calderon-Folch Studio

© José Hevia© José Hevia© José Hevia© José Hevia+ 43

Badalona, Espanha
  • Arquitetos Responsáveis:Pilar Calderon, Marc Folch, Pol Sarsanedas
  • Arquitetura:Pilar Calderon, Marc Folch, Pol Sarsanedas
  • Urbanismo:Lluís Corbella
  • Clientes:Fundació Institut d’Investigació en Ciències de la Salut. Germans Trias i Pujol
  • Urbanização:Lluís Corbella (COMA Arquitectura)
  • Instalações:Mario Nahra (IPB)
  • Diretor De Execução:Ramón Cisa (BETARQ)
  • Segurança E Saúde:Jesús Fernández (TRESAT)
  • Estructura:Bernuz-Fernández Arquitectes
  • Cidade:Badalona
  • País:Espanha
Mais informaçõesMenos informações
© José Hevia
© José Hevia

Descrição enviada pela equipe de projeto. O novo Centro de Medicina Comparativa e Bioimagem é um edifício que abriga um centro de pesquisa de primeira linha. Trata-se de um equipamento de referência baseado em critérios éticos de pesquisa, cuja complexidade técnica e funcional, além dos quesitos de conforto, foram resolvidos de maneira eficiente, sustentável e sensível com o entorno. O CMCiB se situa no Campus de Can Ruti, que tem como referência o Hospital Universitário Germans Trias y Pujol (centro de atenção primária de 800.000 pessoas e hospital geral básico de 200.000 pessoas). Esta área biomédica inclui o Institut Guttmann, o Institut d’Investigació en Ciències de la Salut Germans Trias i Pujol (IGTP), o Institut Josep Carreras d’Investigació contra a leucemia, a Faculdade de Medicina da UAB e, agora, o Centro de Medicina Comparativa e Bioimagem.

© José Hevia
© José Hevia
Corte Longitudinal
Corte Longitudinal
© José Hevia
© José Hevia

A integração com o entorno é abordada a partir da implantação do volume na topografia, a definição de uma geometria orgânica e sua materialidade, assim como a naturalização dos espaços externos. O edifício se encontra em um lote de grande desnível, que faz limite com a zona florestal no ponto mais alto do campus universitário. Essa diferença de cotas foi aproveitada para gerar um edifício topográfico que relaciona diversos níveis, articulando o programa em seu interior e gerando o mínimo volume aparente. Assim, os pavimentos de pesquisa, que demandam condições climáticas estáveis, permanecem semi-enterrados, ocultos e resguardados sob uma superfície de coberturas vegetais ligadas ao local.

© José Hevia
© José Hevia

O volume aparente, compacto e de arestas arredondadas, busca a relação com o entorno através de uma concavidade curvilínea que abraça a praça de acesso e de um envoltório biosférico de madeira que participa do entorno natural do Parc de la Serralada de Marina. Funcionalidade: O complexo programa funcional e as demandas técnicas foram resolvidos a partir da criação de dois níveis de acesso - que segregam a entrada de pessoas do funcionamento logístico - dando lugar, por sua vez, a duas áreas funcionais: a área administrativa e a científico-técnica. Além disso, essa estratificação de usos por níveis permite dividir as atividades científicas das de manutenção, garantindo o funcionamento otimizado do centro e os rigorosos padrões de contenção biológica. Neste sentido, se constrói um pavimento técnico de toda a superfície da área científico-técnica que permite acessar todas as instalações sem interferir no desenvolvimento da atividade científico-docente. Um dos desafios mais importantes na busca da excelência na pesquisa científica é consolidar o talento local e atrair o talento internacional. Para isso, se projeta um edifício com os mais altos padrões de conforto (visual, higrotérmico e acústico), em um entorno privilegiado, luminoso, com espaços amplos e materiais naturais que garantem condições de trabalho adequadas.

© José Hevia
© José Hevia
Planta Acesso
Planta Acesso
© José Hevia
© José Hevia

Com o objetivo de minimizar as emissões de CO2 durante a construção do edifício, optou-se pelo uso de materiais de pouco impacto ecológico. O envoltório foi construído por meio de um sistema modular de sistema leve de madeira, celulose estufada, isolamento externo de madeira expandida e revestimento de lariço sem tratamento por cima dos 3,5m de ignífugo em sua base. Optou-se pela pré-fabricação - inclusive para a estrutura autoportante - para garantir maior qualidade, o uso mínimo de material possível e acelerar ao máximo o processo construtivo. Um desenho compacto, que reduz a superfície exposta à radiação solar, com fachadas e coberturas com elevado desempenho térmico que são equipadas com sistemas de climatização com recuperação de energia e fluxo de ar variável (cujo regime de funcionamento se adapta às demandas reais, por sondas de NH3 e CO2), bombas, motores e circuitos secundários de eficiência elevada, sistemas de iluminação artificial eficientes e reguláveis, entre outros. Um depósito de 250m² para a recuperação e gestão de águas pluviais para uso sanitário e irrigação, junto a implantação de equipamentos sanitários e sistemas eficientes, também representam uma refução significativa na demanda hídrica em comparação a outros edifícios deste tipo.

© José Hevia
© José Hevia
© José Hevia
© José Hevia

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:Carretera de Canyet, s/n, 08916 Badalona, Barcelona, Espanha

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Centro de Medicina Comparativa e Bioimagen / Calderon-Folch Studio" [Centro de medicina comparativa y bioimagen / Calderon-Folch Studio + Sarsanedas Arquitectura + COMA Arquitectura + Mario Nahra] 14 Set 2020. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/941258/centro-de-medicina-comparativa-e-bioimagen-calderon-folch-studio> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.