Ampliar imagem | Tamanho original
Com este projeto para um músico no centro de Madri, apresentamos a quarta parte de nossas Arquiteturas que Multiplicam. Neste caso, se trabalha sobre um estado preexistente excessivamente compartimentado e escuro, típico dos térreos do centro histórico. As únicas entradas de luz eram produzidas através de duas aberturas da fachada que deveriam iluminar a maior parte da residência. O primeiro objetivo, consequentemente, foi liberar a estrutura espacial prévia e assim livrar a casa de todas as paredes. A partir disso, a característica diáfana do espaço é usada como ferramenta para introduzir a luz e multiplicar os usos internos na parte mais pública da residência. Os espaços mais importantes, portanto, cumprem as funções mais tradicionais de uma casa (sala de estar, sala de jantar, cozinha) dependendo de seu mobiliário, mas também se aproveitam da multiplicação de funções possíveis. Por contraste, os espaços mais privados (dormitório, núcleos úmidos e armários) são compartimentados na parte contrária do edifício. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar