Exposição "O Mar é a Nossa Terra" ocupa a Garagem Sul no Centro Cultural de Belém em Lisboa

Exposição "O Mar é a Nossa Terra" ocupa a Garagem Sul no Centro Cultural de Belém em Lisboa

A Garagem Sul no Centro Cultural de Belém – espaço expositivo dedicado à arquitectura – inaugura a exposição O Mar é a Nossa Terra, A construção sensível da linha de costa no próximo dia 10 de Março. A exposição convida-nos a inverter o ponto de vista habitual e a pensar a terra a partir do mar. O que poderemos aprender com esta mudança de perspectiva?

Foto © Tiago CasanovaFoto © Tiago CasanovaFoto © Tiago CasanovaFoto © Tiago Casanova+ 8

Com curadoria de André Tavares e Miguel Figueira, a exposição apresenta o tópico através de vários meios, desde filmes a maquetas, passando por desenhos de arquivo, livros históricos, fotografias, infografias, miniaturas de barcos e instalações vídeo. O Mar é a Nossa Terra está patente até 9 de Agosto e inclui um extenso programa público, de forma a fomentar a discussão sobre este tema.  

Wind Lift I, Emder Hafen, ilustração da proposta “Mar de Areia” para a Figueira da Foz, 2011
Wind Lift I, Emder Hafen, ilustração da proposta “Mar de Areia” para a Figueira da Foz, 2011

"Esta exposição de arquitetura que não apresenta edifícios belos, mas mostra como ela nos ajuda a compreender que o mar é um lugar que habitamos." - André Tavares, cocurator

Vivemos hoje num contexto de emergência ambiental, e o mar é um dos espaços onde se jogam forças fundamentais de uma mudança inevitável. É o mar que determina como habitamos em terra. Perante essa evidência, um grupo de arquitetos tem desenvolvido um olhar original para o mar, retirando das suas dinâmicas naturais as coordenadas necessárias para compreender aspetos tão determinantes do quotidiano como a erosão costeira, a relação das cidades com o mar, os fluxos comerciais portuários e o mar como via de comunicação global, as formas de construção associadas à exploração dos recursos naturais marinhos.

Pedro Bandeira, Posto de socorro a náufragos
Pedro Bandeira, Posto de socorro a náufragos

A exposição O Mar É a Nossa Terra convida a inverter o olhar, a pensar a terra a partir do mar. O que podemos aprender com um olhar que, em vez de contemplar o horizonte, se envolve na complexidade das relações entre as forças naturais, as atividades humanas e o funcionamento dos ecossistemas? Esta exposição pretende dar evidência à necessidade de compreender melhor o espaço em que habitamos e contribuir para ajustar os modos como o transformamos. Inverter o olhar significa pensar o que construímos a partir de um espaço vital para o planeta: o mar.

Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, barco e casa, do livro Palheiros do Litoral Central Português, 1964
Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, barco e casa, do livro Palheiros do Litoral Central Português, 1964

Conteúdos da exposição

O visitante da exposição vai encontrar na Garagem Sul uma grande variedade de objetos, de filmes a maquetas, passando por desenhos de arquivo, livros históricos, fotografias, infografias, miniaturas de barcos e instalações vídeo. A exposição está organizada em várias secções: Linha Sensível, Areia, Rocha, Cidade, Alto, Varar, Legislação, Rebentação.

Foto © Tiago Casanova
Foto © Tiago Casanova

Os exemplos apresentados concentram-se, sobretudo mas não exclusivamente, na costa portuguesa. É a partir desse espaço que se apresenta um conjunto de quinze filmes que representam a relação dinâmica entre a atividade humana e os fluxos marítimos. Paralelamente a esta instalação vídeo, as várias salas apresentam alguns projetos de construção de dunas e de portos, relacionando-os com fenómenos naturais que vão da geomorfologia costeira ao anticiclone dos Açores. Isso permite caracterizar as relações entre dois tipos de costa — areia e rocha — e a forma das ondas que a conjugação destas dinâmicas produz, com os modos de abordar a água — varar e alto — e as formas de construção do território que lhes estão associadas. Estas observações convergem numa síntese — cidade —, apresentada em duas propostas de projeto para a Figueira da Foz.

Foto © Tiago Casanova
Foto © Tiago Casanova

São projetos que demonstram como o pensamento da arquitetura é fundamental para decidir e transformar a relação entre a cidade e o mar. Uma denuncia o absurdo ambiental que é um mar de areia, outra propõe retirar essa areia devolvendo-a ao seu curso natural, a deriva. Estas propostas, assim como a inclusão na legislação da forma das ondas mais notáveis de Portugal — a mais longa, a mais alta, a mais tubular — são exemplos da participação cidadã que é necessária para configurar o espaço que habitamos. A exposição concluiu-se com a constatação da proximidade cultural entre a arte-xávega e o surf, pondo em evidência a relação direta entre o homem e o mar. O modo como enfrentamos a rebentação das ondas acaba por conduzir às formas como construímos as nossas casas e o espaço em que habitamos.

Programas públicos

Como é prática da Garagem Sul, a exposição O Mar É a Nossa Terra é acompanhada por uma programação paralela que permite aos visitantes aprofundar a descoberta dos conteúdos apresentados. Essa programação inclui visitas guiadas conduzidas pelos monitores da Garagem Sul, mas também por participantes da exposição e especialistas convidados; essas visitas prolongam-se também a obras e espaços da cidade, neste caso incluindo uma visita à Figueira da Foz. Há ainda um conjunto de oficinas para todos os públicos, de crianças a adultos, e mesmo escolas nos vários graus de ensino. Estas atividades estão agendadas, mas também podem ser realizadas nas datas mais convenientes (mediante marcação prévia). 

Foto © Tiago Casanova
Foto © Tiago Casanova

Equipe de curadoria

A exposição tem a curadoria dos arquitetos Miguel Figueira, autor de obras como as intervenções no espaço urbano e o Centro de Alto Rendimento de Montemor-o-Velho, e André Tavares, programador da Garagem Sul / Centro Cultural de Belém e investigador no Lab2PT da Escola de Arquitetura da Universidade do Minho. Resulta de um trabalho coletivo que contou também com a participação do arquiteto Pedro Maurício Borges e dos designers change is good (José Albergaria & Rik Bas Backer), dos arquitetos Marta Labastida, Ivo Poças Martins e Pedro Bandeira, assim como do surfista Eurico Gonçalves e da produtora Carla Cardoso. Além das várias instituições parceiras, colaboraram na preparação da exposição Aitor Ochoa Argany, Daniel Duarte Pereira e Diego Inglez de Souza no âmbito do grupo de investigação Fishing Architecture do Lab2PT, Escola de Arquitetura da Universidade do Minho.

Foto © Tiago Casanova
Foto © Tiago Casanova

Biografias dos curadores

Miguel Figueira (Coimbra, 1969) é arquiteto pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto. Foi responsável pelo Gabinete Técnico Local de Montemor-o-Velho (1997–2002) e, até 2014, pelo Projeto Urbano na autarquia. Coordena desde 2009 o movimento cívico SOS Cabedelo. Em 2003 recebeu o Prémio Nacional de Arquitetura Alexandre Herculano e, em 2011, o conjunto da sua obra foi distinguido com o prémio AICA da Associação Internacional de Críticos de Arte. Cofundador do movimento cívico SOS Cabedelo, em 2011 partilhou o prémio Movimento Milénio Cidade Surf com Eurico Gonçalves.

André Tavares (Porto, 1976) é arquiteto, investigador na Escola de Arquitetura da Universidade do Minho e programador de arquitetura na Garagem Sul do Centro Cultural de Belém. É coordenador da Dafne Editora, foi diretor do Jornal Arquitectos entre 2013 e 2015 e curador-geral, com Diogo Seixas Lopes, da Trienal de Arquitectura de Lisboa 2016, The Form of Form. É autor de vários livros, com destaque para Uma Anatomia do Livro de Arquitectura (Dafne Editora/Canadian Centre for Architecture, 2016) (EAUM) e investigador no LAB2PT. É autor de livros como Projectos Específicos para Um Cliente Genérico (Dafne Editora, 2006) e Escola do Porto Lado B: 1868–1978 (CIAJG, 2014), e coautor de Atlas de Parede Imagens de Método (Dafne Editora, 2011; Lars Müller, 2012) e Poder/Arquitectura (Casa da Arquitectura/Lars Müller, 2017). Em 2015, foi-lhe atribuído, pela Associação Internacional de Críticos de Arte, o Prémio AICA de Crítica e Ensaística de Arquitetura.

O Mar é a Nossa Terra, A construção sensível da linha de costa 

  • Inauguração: Terça-feira, 10 de Março – 19h 
  • Horários de abertura: Terça a Domingo, das 10h às 18h
  • Bilhetes: 6€ (Entrada gratuita no primeiro Domingo de cada mês)
  • Local: Garagem Sul / Centro Cultural de Belém
  • Endereço: Praça do Império, 1449-003 Lisboa

  • Título

    O Mar É a Nossa Terra
  • Tipo

    Exposição
  • Organizadores

    Garagem Sul / Centro Cultural de Belém
  • De

    10 de Março de 2020 07:00 PM
  • Até

    09 de Agosto de 2020 06:00 PM
  • Onde

    Garagem Sul / Centro Cultural de Belém
  • Endereço

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos

Este evento foi enviado por um usuário de ArchDaily. Se você quiser, pode também colaborar utilizando "Enviar um evento". As opiniões expressas nos anúncios enviados pelos usuários archdaily não refletem necessariamente o ponto de vista de ArchDaily.

Cita: "Exposição "O Mar é a Nossa Terra" ocupa a Garagem Sul no Centro Cultural de Belém em Lisboa" 09 Mar 2020. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/935231/exposicao-o-mar-e-a-nossa-terra-ocupa-a-garagem-sul-no-centro-cultural-de-belem-em-lisboa> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.