Porto Terrestre Mariposa / Jones Studio

Porto Terrestre Mariposa / Jones Studio

© Bill Timmerman © Bill Timmerman © Bill Timmerman © Bill Timmerman + 6

  • Arquitetos: Jones Studio
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  10750
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2014
  • Fotógrafo Fotografias:  Bill Timmerman
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Lutron, SONOS
  • Arquitetos Responsáveis: Phoenix—Neal Jones, AIA (principal in charge), Eddie Jones, AIA (principal designer), Brian Farling (lead designer), Jacob Benyi (project director), Melissa Farling, FAIA, Maria Salenger, AIA, Joanna Noonan, Rob Viergutz, Bill Osborne, AIA, J. Barry Moffitt, AIA, Tom Conner, Kevin Jones, Brian Lee, Ashley Kenneally, Brett Marinoff, Nick Nevels, David Takeuchi, Amit Upadhye, Eric Weber
  • Engenharia/Vistoria: Stantec
  • Engenharia Mecânica: Associated Mechanical Engineers
  • Engenharia Estrutural: Bakkum Noelke Consulting Structural Engineers
  • Projeto De Iluminação: Woodward Engineering
  • Geotecnia: West Technologies
  • Gestão De Obras: Vanir Construction Management (phase 1); Heery International (phase 2-4b)
  • Construtora: Hensel Phelps
  • Paisagismo: Chris Winters & Associates; ARC Studios
  • Sinalização: Stantec; Jones Studio
  • Consultoria Leed: Green Ideas
  • Segurança Contra Incêndio: EJ Engineering Group; Stantec
  • Artistas: Matthew Moore (“Passage”); Kimsooja (“An Album: Sewing into Borderlines”)
  • Cliente: General Services Administration
  • Área: 12.155,0 m2 (cobertura)
  • Custo: US$187 milhões
Mais informações Menos informações

Descrição enviada pela equipe de projeto. A fronteira terrestre entre os Estados Unidos e o México é uma das mais movimentadas do mundo. Somente pelo Porto Terrestre Mariposa, localizado na cidade de Nogales, Arizona, cerca de 2,8 milhões de veículos provenientes do México atravessam a fronteira anualmente. O porto seco de Nogales, construído na década de setenta, também é responsável pela entrada de 37% de tudo aquilo que os Estados Unidos importa do país vizinho. No início dos anos 2000, o Porto Terrestre Mariposa passou por um amplo projeto de reforma e ampliação. Concluído em agosto de 2014, o novo edifício da aduana de Nogales é uma moderna estrutura de mais de doze mil metros implantada em um terreno de vinte e dois hectares.

© Bill Timmerman
© Bill Timmerman

Portos são estruturas essenciais dentro do sistema econômico de um país, edifícios por onde passam todas as mercadorias e produtos que se importa e exporta. O Porto Terrestre Mariposa cresceu exponencialmente ao longo das últimas décadas, passando de uma modesta estação de fronteira a um dos mais movimentados portos secos entre os Estados Unidos e o México. No início dos anos 2000, a antiga estrutura fronteiriça de Nogales passou a ser um problema e a necessidade de modernizá-la e expandi-la tornou-se uma urgência para o país. O principal desafio era construir uma estrutura mais eficiente, a qual facilitasse as atividades de inspeção e controle de um enorme fluxo de caminhões, carros, ônibus, trailers, pedestres e ciclistas, reduzindo o congestionamento e os tempos de espera além é claro, de otimizar o fluxo de mercadorias entre os países. De forma muito inteligente, a equipe de arquitetos do Jones Studio propôs uma nova tipologia de edifício, a qual foi desenvolvida a partir de um estudo para a otimização dos fluxos e dos sistemas de circulação de bens e pessoas.

A nova tipologia proposta pelo Jones Studio conseguiu com sucesso responder às principais demandas do cliente, melhorando a eficiência operacional e a segurança do Porto Terrestre Mariposa, tanto dos oficiais que ali trabalham quanto das milhares de pessoas que transitam pela fronteira todos os dias. Como resultado disso, o trânsito de mercadorias pelo porto aumentou de 20-25 bilhões de dólares anuais em 2011 para cerca de 30-35 bilhões já em 2014, enquanto que o fluxo de caminhões cresceu um 13% ao longo dos últimos cinco anos. Projetado para ser construído em etapas, o Porto Terrestre Mariposa permaneceu em pleno funcionamento durante todo o processo de construção. Desde que concluído em 2014, a aduana de Nogales é considerada pela Administração da Alfândega e Serviços de Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos como um modelo para o futuro desenvolvimento de outros portos de fronteira do país.

© Bill Timmerman
© Bill Timmerman

O inovador sistema de circulação proposto pela equipe da Jones Studio consiste em quatro zonas lineares horizontais: uma área de trânsito em direção sul saindo dos EUA; uma zona de acesso para veículos particulares (POV) que entram nos EUA; o oásis; e a zona de controle comercial de produtos e mercadorias. O Oásis funciona como a coluna vertebral da estrutura do Porto, um enorme jardim entre as guaritas de controle de acesso de veículos e a zona de controle comercial. Este hiato entre as estruturas do Porto foi chamado de Oásis por proporcionar um momento de descanso em um lugar de clima tão severo quanto estressante. O deserto de Sonora é caracterizado por um altíssimo índice pluviométrico durante a estação das monções intercalado por longos períodos de seca. Pensando nisso, todos os ambientes pavimentados do Porto Terrestre Mariposa foram projetados para captar a água da chuva e armazená-la em uma série de cisternas subterrâneas que servirão para equilibrar o consumo de água durante os meses mais secos do ano. Além disso, o edifício principal conta com um sistema fotovoltaico de um megawatt instalado na cobertura.

© Bill Timmerman
© Bill Timmerman

A paleta de materiais é definida pelo uso de concreto, aço e vidro, escolhidos pela alta durabilidade e baixa manutenção. A estrutura de concreto aparente foi projetada para funcionar como um elemento de massa térmica que contribui com o controle de temperatura no interior dos edifícios. Em algumas fôrmas de concreto foram utilizados elementos lúdicos em forma de pegadas, uma alusão à experiência migratória e a historia do Porto de Nogales. A estrutura da cobertura do edifício foi executadas em aço escovado, o qual é protegido por uma fina camada de ferrugem natural que transformará a cor do edifício ao longo do tempo. As amplas aberturas de vidro que cercam a área de acesso do porto seco de Nogales foram cuidadosamente colocadas para permitir melhores e mais amplos ângulos de visão para a zona de transito e controle de produtos e mercadorias além de conectar visualmente o ambiente de trabalho com o oásis em frente.

© Bill Timmerman
© Bill Timmerman

O Porto Terrestre Mariposa também conta com duas instalações de arte pública encomendadas pelo programa GSA Art in Architecture: Passage, concebida pelo artista Matthew Moore, e An Album: Borderlines, de Kimsooja.

Galeria do Projeto

Ver tudo Mostrar menos

Localização do Projeto

Endereço: Nogales, AZ, Estados Unidos

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Porto Terrestre Mariposa / Jones Studio" [Mariposa Land Port of Entry / Jones Studio] 21 Jan 2020. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/932105/porto-terrestre-mariposa-jones-studio> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.