Ampliar imagem | Tamanho original
Em abril passado, o prefeito Bill de Blasio, de Nova iorque, anunciou planos para introduzir um projeto de lei que proibiria a construção de novos edifícios totalmente envidraçados. Parte de um esforço maior para reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 30% da cidade, outras iniciativas incluíram o uso de energia limpa para abastecer as operações da cidade, a reciclagem obrigatória de resíduos orgânicos e a redução da compra de plásticos descartáveis e carne processada. O anúncio ocorreu logo após a aprovação da Lei de Mobilização Climática, uma resposta abrangente ao Acordo Climático de Paris que incluía telhados verdes necessários em novas construções e reduções de emissões em edifícios existentes. A decisão de De Blasio deriva da ineficiência energética conhecida das fachadas totalmente envidraçadas, comparadas a "estufas" e que, portanto, exigem quantidades gigantescas de ar-condicionado para serem resfriadas. Com a Agência Internacional de Energia estimando que 40% das emissões globais de CO2 provêm de edifícios e que o ar condicionado constitui 14% de todo o uso de energia, a redução desses números pode ter efeitos indeléveis. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar