Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Por que a África é o futuro das megacidades

Por que a África é o futuro das megacidades
Br adtopic under the radar banner

Em um discurso sobre o futuro das cidades, alguém poderia ser perdoado por limitar seu escopo geográfico às inovações na Europa, nos Estados Unidos e, cada vez mais, na China e no Sudeste Asiático. Afinal, Shenzhen está prestes a sediar mais uma vez a única Bienal do mundo dedicada exclusivamente à urbanização, enquanto a arquitetura inteligente e responsiva se manifesta em visões de cidades como Toronto e Londres e gigantes da tecnologia como Microsoft e Siemens. No entanto, apesar de nossa preocupação com os problemas e as oportunidades da urbanização no 'Norte Global' e as inovações arquitetônicas que ele anuncia, há mérito em expandir nossos horizontes - e não apenas em direção a Marte. Até o final do século, nenhuma das maiores 20 cidades do mundo estará na China, Europa ou nas Américas. Enquanto isso, a África receberá 13 das 20, incluindo as 3 primeiras.

Uma renderização de Eko-Atlantic City, Lagos, Nigéria. Imagem © ekoatlantic.com
Uma renderização de Eko-Atlantic City, Lagos, Nigéria. Imagem © ekoatlantic.com

O Banco Mundial acredita que a urbanização será “a transformação mais importante que o continente africano passará neste século”, com mais da metade da população vivendo em cidades até 2040. Isso se manifestará quando 40.000 pessoas se mudarem para as cidades todos os dias nos próximos 20 anos. O resultado será a criação de nove “megacidades” com mais de 10 milhões de pessoas cada uma, sendo as maiores Kinshasa (35 milhões), Lagos (32 milhões) e Cairo (24 milhões).

Cape Town, South Africa. Image via Shutterstock
Cape Town, South Africa. Image via Shutterstock

À medida que as cidades africanas crescem e superam seus rivais globais, os arquitetos, designers urbanos e planejadores que supervisionam esse desenvolvimento serão forçados a enfrentar desafios sociais e ambientais, como expansão urbana, mudança climática e déficits de infraestrutura. Isso sem considerar que 60% dos moradores urbanos da África vivem em favelas. O desafio já está sendo enfrentado por estudos como os da Arup Proofing City detalhando o trabalho da empresa em nove cidades de quatro países: Etiópia, Gana, Moçambique e Uganda. A proposta da empresa para o crescimento gerenciado dessas cidades varia de acordo com as circunstâncias locais; da “Visão de Uganda 2040”, que pretende ativar cinco cidades secundárias estratégicas e regionais em um ato de descentralização, enquanto o modelo de Moçambique centra-se na evolução de “corredores de crescimento” que englobam transporte, logística, comércio, economia e desenvolvimento humano.

Slums in Lagos, Nigeria. Image via Shutterstock
Slums in Lagos, Nigeria. Image via Shutterstock

Em contraste com as intervenções em escala urbana de Arup, o Instituto de Arquitetura Experimental da Bauhaus Universitat Weimer trabalhou recentemente com o Instituto Etíope de Construção de Edifícios e Desenvolvimento de Cidades para construir três protótipos residenciais em uma escala de 1: 1 para Addis Ababa, abordando a hiperurbanização da capital etíope nos últimos anos. Em vez de confiar em modelos desatualizados da Europa e do Norte Global, os experimentos tiram proveito dos métodos de construção indígenas, tecnologias de construção e uso de materiais para criar estruturas espaciais socialmente robustas, abertas e flexíveis. Embora projetado para Adis Ababa, onde 80% da população urbana vive em favelas, o exercício arquitetônico tem uma história mais ampla para contar; a de um novo ethos arquitetônico, um vernáculo urbano para cidades africanas que enfrentam um aumento sem precedentes na demanda por crescimento urbano.

Protótipos para futuras habitações nas cidades africanas. Imagem © Bauhaus Experimental Building
Protótipos para futuras habitações nas cidades africanas. Imagem © Bauhaus Experimental Building

Este novo vernáculo urbano será complementado pela tecnologia na África. A revolução tecnológica transformou a vida e as oportunidades dos cidadãos africanos, incluindo exemplos famosos, como o uso de telefones celulares como solução para a fraca estrutura bancária do continente. Essas tecnologias continuarão a servir como facilitadores da atividade urbana nas megacidades da África no futuro. O Fórum Econômico Mundial destaca exemplos importantes, como o Max.ng, um serviço de moto-táxi que concluiu 1.000.000 viagens em três cidades da Nigéria, ou Sendy, um serviço de entrega de encomendas com mais de 1.100 motoristas atendendo 5.000 empresas e 50.000 pessoas em todo o Quênia, Uganda e Tanzânia. Ambas as empresas são baseadas no mesmo modelo de aplicativo móvel descentralizado e orientado ao usuário que também está transformando as cidades ocidentais; um modelo que não pode ser ignorado, pois arquitetos e planejadores urbanos orientam o desenvolvimento e operação das megacidades da África do futuro.

Embora seja tentador descartar as previsões de longo prazo para a urbanização africana como um problema para o futuro, hoje é necessário um planejamento e investimento inteligentes, a fim de mitigar os riscos de amanhã. A África precisa gastar US $ 130 - 170 bilhões anualmente para atender às suas necessidades básicas de infraestrutura, com dois terços dos investimentos em infraestrutura urbana necessários até 2050 ainda não realizados. Para lidar com as demandas sem precedentes definidas para as cidades africanas e garantir que 1,3 bilhão de africanos que viverão nas cidades até 2050 possam viver com dignidade, oportunidade e segurança, o continente exige um pensamento inovador de seus políticos, planejadores urbanos e seus arquitetos.

Sobre este autor
Cita: Walsh, Niall. "Por que a África é o futuro das megacidades" [Why Africa is the Future of Megacities] 12 Nov 2019. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/927993/porque-a-africa-e-o-futuro-das-megacidades> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.