Ampliar imagem | Tamanho original
Projetar é um ato crítico e arquitetura é uma disciplina inevitavelmente política - por mais que se tente negar. Essa é a visão de Andrés Jaque, arquiteto espanhol - fundador do Office for Political Innovation, com sede em Madri e Nova Iorque - que se dedica à prática arquitetônica, pesquisa e ativismo como se uma coisa fosse indissociável da outra. Nesta entrevista, realizada durante a 12ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, Jaque discute como a reflexão queer pode oferecer aportes para o engajamento de comunidades e como a arquitetura vem se "desdobrando em uma atividade transescalar e uma prática multimeios". "O projeto é definitivamente uma prática crítica, [...] aspectos básicos, como a escolha dos materiais ou os acessos ao edifício, são, hoje, questões críticas que precisam ser vistas a partir da perspectiva dos desafios políticos contemporâneos", afirma Jaque, cujo trabalho na Europa, EUA e América Latina vem abordando questões de sexualidade, gênero e ativismo a partir de projetos e investigações que buscam discutir o espaço não mais enquanto um dado universal, mas como ações situadas.  Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar