Ampliar imagem | Tamanho original
O espaço é um refúgio urbano. Híbrido, traz referências de arte, design, arquitetura, moda e fotografia. O paisagismo, chancelado por Renata Tilli, abençoa a cabana em uma sintonia de bem estar, relaxamento e conexão. O artista convidado, Antonio Peticov, empresta sua criatividade dando vida aos ladrilhos hidráulicos e à escultura de neon, que baliza a cabana em espectro de cores do arco-íris. “Acredito que a natureza precise estar cada vez mais presente, nos reconectando e preenchendo espaços antes ocupados por móveis e objetos”, diz o arquiteto. O bambu empresta à entrada da cabana, sua simbologia de leveza, flexibilidade e força. Os ladrilhos hidráulicos, assinados pelo artista convidado Antonio Peticov, saltam das telas e obras de arte e ganham vida unindo arte e design. A escultura mobiliária de resíduo florestal, do designer Hugo França, abriga os bancos do designer Bruno de Carvalho. As cerâmicas, de Hideko Honma,  traduzem sensibilidade e paz oriental com alma brasileira. Bruno entra em cena novamente com a poltrona suspensa Sela. Criado no interior traz, em suas peças, a memória afetiva da fazenda. Victor Affaro, através de suas lentes na fotografia de Dunas, faz uma alusão à arquitetura centenária modernista e às curvas de Niemayer, em sinergia com a luminária Sinatra, assinada por Arthur Casas. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar