Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

O peixe morto na praia: o problema das “Mulheres na Arquitetura”

O peixe morto na praia: o problema das “Mulheres na Arquitetura”

O tema geral deste artigo discorre sobre a complexa sobreposição de gênero e questões raciais que fizeram da prática arquitetônica um espaço hegemônico. O artigo tem um interesse especial em "Mulheres na arquitetura" como um espetáculo na indústria de hoje. Uma indústria que, de fato, sofre de uma falta aparente e palpável justamente desse ponto. Para abordar o assunto, o qual suspeitamos que esteja presente também em outras profissões relacionadas construção, descreveremos esse local arquitetônico para os profissionais.

Praia da Hegemonia:

Os homens brancos estão vestidos e continuam sentados na praia de areia macia, respirando constantemente o ar fresco. Neste espaço arquitetônico, é difícil distinguir os desequilíbrios hegemônicos entre homens negros e mulheres brancas, porque a afrodescendência estava (e é) geralmente ausente do registro arquitetônico histórico, enquanto as estatísticas atuais mostram que os homens, em geral, dominam a profissão. A distribuição racial desse grupo não é comumente relatada, e pode-se inferir que o problema não é tão urgente. Então, neste espaço, e de acordo com a minha leitura sobre isso, parece que os homens negros têm mais privilégios no espaço arquitetônico do que as mulheres brancas.

E assim, os negros estão nadando na água, o que parece refrescante e está bem desde o ponto de vista do homem branco, mas é perturbador para o homem negro que apesar de ter o privilégio de respirar ar fresco, seus pés permanecem sempre encharcados no mar.

Então, nós temos as mulheres brancas também nadando na água, cansadamente, sem pausa na praia, tendo que fazer um esforço para chegar até a areia, com apenas algumas, de fato, chegando à costa. Absorvendo as substâncias químicas no fluxo e refluxo não tão refrescante do oceano tóxico de que agora estamos cientes, elas são capazes de observar a vida abaixo da água quando mergulham, mas igualmente são capazes de respirar ar fresco.

Finalmente, temos mulheres negras (ah, o estado familiar que conheço tão bem). Nós nos afogamos nas profundezas do oceano, olhando para os reflexos de luz e constantemente exercendo nossos esforços para nadar através da água sem ar. Da praia, esta água parece um sonho azul indiferente, mas das profundezas, pode-se ver a realidade do líquido tóxico verde; uma visão só verdadeiramente visível da perspectiva das mulheres negras que nadam abaixo. Às vezes, em uma ocasião rara, uma mulher negra chega à praia e, quando chega lá, é chocante para todos, inclusive para ela.

O problema que polui a água está no leito oceânico, espalhado pela superfície da terra: insuportavelmente fedorento, apodrecendo e matando os peixes.

Raramente vemos ou sabemos como são as outras condições da Praia da Hegemonia. Aqueles que se aquecem na praia não sabem o que significa se afogar. Aqueles que nadam estão lutando, mas não podem reivindicar uma luta semelhante àqueles que se afogam nas profundezas da água verde. E esses, nós, mulheres negras, nas profundezas, podemos ver todos os outros estratos com o menor acesso à praia. É a partir daqui que a interseccionalidade é mais observada, por mais dolorosa que seja.

Ao descrever a Praia da Hegemonia, a intenção não é encontrar uma solução imediata porque, por mais que a questão seja premente, convencer os outros membros do espaço a olhar para além de suas condições e ajudar uns aos outros requer um esforço colaborativo, sim? Dessa forma, a intenção aqui é pescar o problema e colocá-lo em todos os pratos da costa. Para que todos possamos experimentar o seu odor insuportável e descobrir como livrar a praia de seu problema hegemônico para que todos possam desfrutá-la.

O peixe morto pode ser dissecado em dois (problemas):

1.      A arquitetura é percebida como um ideal neutro, o que não é.

2.      “As mulheres na arquitetura" são vistas como um grupo homogêneo

1. A arquitetura é percebida como um ideal neutro, o que não é.

A profissão de arquiteto tem desigualdades e preconceitos de gênero extremamente altos. De acordo com o Conselho Sul-Africano para a Profissão Arquitetônica, em 2015, dos 8.842 Profissionais Cadastrados (RPs), apenas vinte e um por cento (21%) são mulheres. Deste grupo, 271 profissionais, ou quinze por cento (15%) são indivíduos anteriormente desfavorecidos (Cullis, 2015), que em termos sul-africanos significa aqueles afetados por injustiças históricas e mais explicitamente por pessoas de cor. No mesmo ano, a população sul-africana estava em 54.956.920 pessoas. Deste grupo, 50.422.912 eram pessoas de cor e apenas 271 estavam registrados como profissionais de arquitetura mulheres e negras (Stats South Africa, 2015). Isso mostra o desequilíbrio racial e de gênero palpável na profissão.

Os números diferem de acordo com os países, mas desequilíbrios semelhantes estão sempre presentes nos EUA, no Reino Unido e na UE. Por que isso acontece? A partir das leituras que encontrei, a identificação dos problemas foi pequena. No entanto, um fio comum parece ser a diferença de renda entre homens e mulheres que ocupam a mesma posição. De acordo com a pesquisa "Mulheres na Arquitetura" de 2016, a disparidade salarial entre os gêneros no nível de sócios e conselheiros difere em 55%, com a diferença se tornando menor, ao longo da experiência (Mairs, 2017). Mais uma vez, por quê? O sistema de aquisição de dinheiro na profissão de arquiteto varia de acordo com a comissão e a oportunidade do projeto, que é um fator a ser reconhecido na leitura desses resultados. Não sei ao certo o que impulsiona essa tendência nos negócios com co-diretores de diferentes gêneros, mas o problema persiste. Instituições como a "Women in Architecture" na África do Sul foram lançadas para implementar políticas que retifiquem legalmente essas desigualdades pragmáticas. Então, podemos rever isso em um ano ou dois novamente.

Ao mesmo tempo, há a maior influência dessa tendência: a cultura social e educacional da arquitetura. Despina Stratigakos, autora de "Where are all the Women Architects" pinta a realidade da questão multifacetada ao dizer: “embora as mulheres representem quase metade dos estudantes de arquitetura, as mulheres estão sub-representadas entre os docentes, especialmente nas áreas de projeto. Os currículos do curso também favorecem bastante o trabalho e os escritos dos homens, deixando os alunos com a impressão de que as mulheres contribuíram pouco” .(Stratigakos, 2016).

Como arquiteta graduada na Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul, no continente africano, posso afirmar que nunca encontrei uma arquiteta negra no meu currículo do curso. Além de Zaha Hadid, ela era uma “arquiteta de estrelas”, e é um problema que vamos abordar daqui a pouco. Foi somente com o advento de #RhodesMustFall e o movimento decolonial em uma disciplina de teoria (sim, singular) em meu curso respondeu ao currículo evidentemente pesado do Ocidente ao incluir e reestruturar sua lista de leitura. Devo mencionar que isso foi iniciado pelo professor do curso de História e Teoria da Arquitetura. No entanto, a fim de realmente mudar a imagem da arquitetura como um homem branco fumante de cigarro, como Le Corbusier, sentado em sua cadeira modernista, a literatura africana localizada no anexo empoeirado de nossas bibliotecas universitárias deve ser colocada em nossas listas de leitura. Muitas vezes ri deste exemplo particular de micro-reforma porque o professor é de fato um homem branco europeu; evidência da simbiose entre o aliado branco. Agradeço-lhe por me apresentar as obras de escritores infindáveis ​​que moldaram minha percepção de arquitetura hoje. Isso inclui a professora de arquitetura Lesley Lokko, a escritora e fotógrafa Teju Cole, a artista Joy Mboya, entre uma lista crescente de outras.

2. “Mulheres na arquitetura” NÃO são um grupo homogêneo.

Histórica e globalmente hoje há menção especial de “Mulheres Arquitetas” entre os “Arquitetos” normais da indústria. Isso alimenta a ideia de binários de gênero e, mais particularmente, para este artigo, alimenta a ideia de que os arquitetos masculinos são sinônimos do “ideal neutro”. Ao realizar o Dia Internacional da Mulher deste ano, a lista de Dezeen de arquitetas e designers inspiradoras fez um reconhecimento especial. A arquiteta dinamarquesa Dorte Mandrup, que respondeu dizendo: “Permita-me explicar; Eu não sou uma arquiteta feminina. Eu sou arquiteta. Quando falamos de gênero, tendemos a falar sobre mulheres. Os homens não têm realmente um gênero. Eles são apenas ... neutros. Sem gênero. É por isso que você não reconhece o termo “arquiteto masculino” apesar de todos os esforços para que as arquitetas se sintam especiais, o resultado é exatamente o oposto ”(Madrup, 2017).

O elogio é bem recebido e apreciado pelas mulheres do setor. No entanto, a recorrência dessa tendência, associada à lenta presença transformadora das mulheres na indústria, chegou a um ponto em que a arquitetura se torna epistemologicamente masculina. Mandrup é assertiva e franca ao mencionar que, embora essa tendência vise talvez incluir mulheres, ela faz exatamente o contrário. Ela expõe um comportamento de cota que a profissão está em conformidade e mantém o status quo das mulheres como troféus que "fizeram" a esfera da arquitetura. Veja Jane Jacobs, Lina Bo Bardi e Eve Ensler; as únicas mulheres (brancas) que chegaram às prateleiras da história. Retrospectivamente, se a profissão continuar nessa tendência, o registro arquitetônico continuará sendo um espaço definido pelo homem branco.

Então, você tem isso, o peixe morto.

A cabeça: currículos acadêmicos permanecem sem transformação, com pitadas de alguns educadores progressistas que, infelizmente, não é suficiente. Os educadores são transitórios nas instituições, mas as instituições têm a capacidade de fazer mudanças culturais fundamentais e duradouras.

A cauda: uma extensão da cabeça. A cultura iniciada durante a experiência educacional. É a normalização da arquitetura como uma carreira dominada ou definida pelos homens. Claro, temos números crescentes, mas precisamos olhar para as escalas multifacetadas do peixe - salário igual, números apropriados e inclusão cultural interseccional que não definem a complexidade do poder e impedem que outros avancem em suas carreiras.

Todos nós temos o direito de respirar na nossa praia.

Originalmente publicado em 20 de agosto de 2017 aqui

Bibliografia 

1.      Cullis, Jacquie. SACAP Anúncio do programa Mulheres na Arquitetura da África do Sul (WiASA). Setembro, 2015. http://www.sacapsa.com/news/249829/SACAP-Announces-Women-In-Architecture-South-Africa-WiASA-programme.htm (acessado em 20 de agosto, 2017).
2.      Mairs, Jessica. Gender pay gap is broadening shows Women in Architecture survey. 10 de Fevereiro, 2017. https://www.dezeen.com/cookies-policy/ (acessado em 20 de agosto, 2017).
3.      Stats South Africa. Mid-year population estimates. Statistical release, Pretoria: StatsSA, 2015, 8.
4.      Stratigakos, Despina. Why is the world of architecture so male-dominated? 21 de Abril, 2016. http://www.latimes.com/opinion/op-ed/la-oe-stratigakos-missing-women-architects-20160421-story.html (acessado em 20 de agosto, 2017).
5.      Madrup, Dorte. “I am not a female architect. I am an architect”. May 25, 2017. https://www.dezeen.com/2017/05/25/dorte-mandrup-opinion-column-gender-women-architecture-female-architect/ (acessado em 20 de agosto, 2017).
6.      Lushaba, Lwazi. “Dr Lwazi Lushaba on the Black Schema at UCT-Lecture 3-Part 1/3.” Dr Lwazi Lushaba on the Black Schema at UCT-Lecture 3-Part 1/3. Cape Town: Youtube, 26 de Junho, 2017.

Sobre este autor
Cita: de Klerk, Khensani. "O peixe morto na praia: o problema das “Mulheres na Arquitetura”" [Dead Fish on the Beach: the Problem with “Women in Architecture”] 25 Jun 2019. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/919254/o-peixe-morto-na-praia-o-problema-das-mulheres-na-arquitetura> ISSN 0719-8906
Ler comentários

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.