Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. 10 obras icônicas do brutalismo na América Latina

10 obras icônicas do brutalismo na América Latina

10 obras icônicas do brutalismo na América Latina
via Usuário Flickr: Renovación República CC BY 2.0
via Usuário Flickr: Renovación República CC BY 2.0

Este artigo foi originalmente publicado por KatariMag. Leia outros artigos aqui e siga seu Instagram.

A arquitetura brutalista responde a um momento histórico. Terminava a Segunda Guerra Mundial e das cinzas surge uma nova forma de Estado, junto com um nova ordem global que vai incluir, com maior protagonismo, a Estados periféricos. A arquitetura brutalista nasce como resposta a ideias de estados benfeitores, estados robustos que vão sustentar e dirigir a nova sociedade de massas. Como disse o crítico Michael Lewis "o brutalismo é a expressão vernacular do estado benfeitor".

Esta arquitetura com compromisso ético foi uma nova forma do Movimento Moderno alimentado por ideias socialistas. Apela à honestidade dos materiais e, particularmente, do concreto bruto, e de fato esse termo derivou de sua expressão em francês "beton brut" cujo uso foi impulsionado por Le Corbusier. Logo depois da guerra, o grande arquiteto decide focar-se em uma arquitetura social, o primeiro exemplo disso foi sua icônica Unité d’ Habitation, construída em Marselha em 1947. Trata-se verdadeiramente de uma obra de arte em forma de edifício, com uma combinação de cores à la Mondrian e uma ideia de vida comunal moderna que inclui jardins, comércio e uma piscina na cobertura. O edifício que marcou o início do brutalismo parece delicado em comparação aos exemplares esteticamente brutais que estavam por vir.

O concreto se apresenta nesse momento histórico, de alta necessidade construtiva com materiais de baixo custo, pouco pretensioso, utilitário, democrático e moderno, além de ter altas possibilidades técnicas. Com as novas tecnologias se atinge uma capacidade de moldagem que responde a todo tipo de fantasia estrutural e a uma nova capacidade de abarcar espaços enormes. Com isso, os arquitetos de meados do século XX conceberam estruturas gigantescas de concreto cru com um ritmo poético, escultórico, brutal e primitivo.

Cortesía de Casiopea
Cortesía de Casiopea

Apesar do nome ter sido cunhado pelo crítico inglês Reyner Bahnam, na tentativa de dar uma origem inglesa à tendência, o brutalismo se mostrou desde o início, nas mãos de Le Corbusier, em um fenômeno verdadeiramente mundial. Da Índia a Georgia, no Japão e nos Estados Unidos e, evidentemente, na América Latina, encontramos exemplos dessa arquitetura que teve seu momento áureo em nossa região nas décadas de 60 e 70, avançando às vezes até os anos 80. É interessante como essa arquitetura nos conecta esteticamente com o "Terceiro Mundo", não sendo uma cópia de um estilo europeu, mas a adesão a um movimento global. É a periferia tomando protagonismo e tratando de juntar-se ao "desenvolvimento" e à modernidade. Aqui te apresentamos 10 edifícios icônicos do brutalismo na América Latina.

Biblioteca Nacional Mariano Moreno / Testa, Bullrich e Cazzaniga
Buenos Aires, 1961-90

via Usuário Flickr: Gustavo Gomes CC BY 2.0
via Usuário Flickr: Gustavo Gomes CC BY 2.0

Este edifício abriga a Biblioteca Nacional da Argentina. Foi chamado a concurso e vencido pelo vanguardista Clorindo Testa e cia em 1961, mas não foi finalizado até 1991 e ainda hoje falta edificar algumas propostas do projeto original. O edifício se situa em um amplo terreno entre a Av. Libertador e Las Heras, onde antigamente estava a Residência Presidencial de Perón, demolida pelos militares que o derrotaram. Em termos arquitetônicos, o mais interessante é que a sala de leitura foi situada no pavimento mais alto do edifício, dando a ela vistas a cidade e ao rio, enquanto os arquivos estão localizados no primeiro andar. Escultórico, poético e feito em concreto.

via Usuário Wikipedia: Barcex CC BY-SA 2.
via Usuário Wikipedia: Barcex CC BY-SA 2.

Banco de Londres y Sudamérica / Clorindo Testa
Buenos Aires, 1966

© E. Colombo
© E. Colombo

Foi o famoso Clorindo Testa quem também venceu o concurso feito pelo atualmente extinto Banco de Londres e América do Sul, para sua sede no centro financeiro de Buenos Aires, entre as ruas Recoleta e Bartolomé Mitra. A estrutura do que é hoje a sede do Banco Hipotecário S.A, se transformou em um marco mundial do brutalismo devido a sua ideia inovadora de mimetizar o edifício nas estreitas ruas que o rodeiam, unindo exterior e interior e, sobretudo, por seu belo uso artístico das possibilidades de moldagem do concreto armado.

via Usuário Flickr: lusignan CC BY SA 2.0
via Usuário Flickr: lusignan CC BY SA 2.0

Cepal / Emilio Duhart
Santiago, 1966

via Usuário Flickr: santiagonostalgico CC BY SA 2.0
via Usuário Flickr: santiagonostalgico CC BY SA 2.0

Este edifício foi construído por Emilio Duhart para receber a sede da Comissão Econômica para a América Latina, organismo subordinado às Nações Unidas. O arquiteto e sua equipe se inspiraram diretamente nas ideias de Le Corbusier, criando uma estrutura horizontal sustentada por pilares de concreto. A torre central em forma de caracol contém em seu exterior figuras precolombinas. O edifício se encontra muito próximo ao Rio Mapocho, de onde se extraiu o cascalho e a areia para a construção. Tratava-se de um terreno distante da cidade à época, mas que hoje está imerso em uma área residencial da comuna de Viatucura.

© Felipe Camus
© Felipe Camus

Banco de Guatemala / Jorge Montes Córdova e Raúl Minondo
Ciudad de Guatemala, 1966

via Usuário Flickr: adels CC BY 2.0
via Usuário Flickr: adels CC BY 2.0

Este edifício foi projetado pelos arquitetos José Montes Córdova e Raúl Minondo. Foi encomendado pelo Banco da Guatemala, instituição que aloja até os dias de hoje e foi construído no centro cívico da Cidade de Guatemala, lugar que é Patrimônio Cultural da Nação. Sua particularidade mais bonita, sem dúvidas, são as fachadas oeste e leste, revestidas de figuras que representam o códice Maya, fundido diretamente em concreto e criado pelos artistas guatemaltecos  Dagoberto Vásquez Castañeda e Roberto González Goyri.

via Usuário Flickr: alexanderTIEDEMANN CC BY ND 2.0
via Usuário Flickr: alexanderTIEDEMANN CC BY ND 2.0

Tribunal de Contas / Aflalo e Gasperini
São Paulo, 1971

Cortesía de Aflalo y Gasperini Arquitectos
Cortesía de Aflalo y Gasperini Arquitectos

Na zona sul de São Paulo se encontra o Tribunal de Contas do Município de São Paulo, um edifício enorme projetado pelo escritório Aflalo e Gasperini, construído a partir de 1971 e inaugurado em 1976. A estrutura se ergue sobre quatro imensos pilares de concreto, o que permite o trânsito livre em um espaço que se une com o Parque do Ibiraquera. A liberdade artística do edifício se contrapõe à falta de liberdades civis que o Brasil vivia no contexto de produção de edifício como produto da ditadura militar.

Cortesía de Aflalo y Gasperini Arquitectos
Cortesía de Aflalo y Gasperini Arquitectos

Centro de Exposiciones / Joao Filgueiras Lima
Salvador, 1974

Cortesía de Giancarlo Latorraca, 2000
Cortesía de Giancarlo Latorraca, 2000

Esta magnífica estrutura que se assemelha a uma nave espacial recém chegada no planeta foi projetada por João Filgueiras Lima, grande adepto brasileiro do Movimento Moderno, no Centro Administrativo de Salvador da Bahia. O edifício conta com salas de exposições e anfiteatros.

Cortesía de Giancarlo Latorraca, 2000
Cortesía de Giancarlo Latorraca, 2000

Palmas 555 / Juan Sordo Madaleno e cia
Cidade do México, 1975.

Cortesía de Sordo Madaleno Arquitectos, fotografía por Guillermo Zamora
Cortesía de Sordo Madaleno Arquitectos, fotografía por Guillermo Zamora

O edifício Palmas 555 na região de Lomas de Chapultepec foi um dos últimos projetos de Madaleno. A construção tem um primeiro pavimento de uso comercial e logo acima nove andares de escritório. A irregularidade dos níveis da um caráter único ao edifício. Trata-se de uma belíssima escultura em grande escala.

Cortesía de Sordo Madaleno Arquitectos, fotografía por Guillermo Zamora
Cortesía de Sordo Madaleno Arquitectos, fotografía por Guillermo Zamora

Edificio Jenaro Valverde Marín / Alberto Linner Díaz
San José, 1976

via Usuário Tumblr: myycp
via Usuário Tumblr: myycp

O edifício Genaro Valverde foi construído como um anexo ao edifício da Caixa Costarriquenha de Seguro Social. É um dos prédios mais altos da Costa Rica, com 17 pavimentos, sendo o projeto ícone de Alberto Linner. A obra, como muitas dessa tendência, também pretendia "fazer cidade", incluindo uma praça, fonte, jardins e espaços comerciais, em uma cidade que na época quase não tinha espaços públicos. Para o desencanto de Linner, hoje esse espaço está escorado, a fonte está desligada e sua ideia de espaço público, sepultada.

via Usuário Tumblr: your-a-tourist
via Usuário Tumblr: your-a-tourist

SESC Pompeia / Lina Bo Bardi
São Paulo, 1982

via Usuário Flickr: Pedro Kok CC BY SA 2.0
via Usuário Flickr: Pedro Kok CC BY SA 2.0

Este edifício recebe o Centro Cultural do Serviço Social de Comércio, e foi projetado sobre o terreno de uma antiga fábrica de barris de petróleo. A arquiteta Lina Bo Bardi projetou dois edifícios de concreto unidos por passarelas aéreas que se ligam à edificação de tijolos da fábrica. Esse espaço mistura esporte, ócio e cultura, um grande marco na cidade utilizado constantemente pelos moradores do bairro da Pompéia.

via Usuário Flickr: Maxine Brown Stephano CC BY SA 2.0
via Usuário Flickr: Maxine Brown Stephano CC BY SA 2.0

Embajada de Rusia en Cuba / Aleksandr Rochegov
La Habana, 1985

via Usuário Wikipedia: Nick de Marco CC BY 3.0
via Usuário Wikipedia: Nick de Marco CC BY 3.0

Esta incrível obra de arquitetura brutalista mostra a conexão entre esse estilo e a ideia de um estado forte, e inclusive totalitário, como o comunista (de fato nos territórios da antiga União Soviética, é possível encontrar diversos exemplos dessa tendência). Esta enorme torre irrompe na paisagem da Havana, transformando-se em um estandarte da influência soviética em Cuba. Sua construção começou em 1978 e inauguração em 1987, a dois anos da dissolução da URSS. Hoje recebe a embaixada russa. Está situado em um enorme lote no bairro costeiro de Miramar, onde se encontra a maioria das embaixadas na cidade.

via Usuário Wikipedia: Manuel Castro CC BY-SA 2.0
via Usuário Wikipedia: Manuel Castro CC BY-SA 2.0

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Cita: Catalina Dib. "10 obras icônicas do brutalismo na América Latina" [10 obras iconos de la arquitectura brutalista en Latinoamérica] 07 Mai 2019. ArchDaily Brasil. (Trad. Brant, Julia) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/916339/10-obras-iconicas-do-brutalismo-na-america-latina> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.