Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. 6 Reflexões sobre materiais e construção: Decisões que melhoram a qualidade de vida das pessoas

6 Reflexões sobre materiais e construção: Decisões que melhoram a qualidade de vida das pessoas

6 Reflexões sobre materiais e construção: Decisões que melhoram a qualidade de vida das pessoas
6 Reflexões sobre materiais e construção: Decisões que melhoram a qualidade de vida das pessoas, © José Tomás Franco
© José Tomás Franco

Materiais, produtos e sistemas construtivos estão em constante evolução e seguem novas tecnologias, descobertas e tendências de mercado. A questão é: nós, como arquitetos, estamos evoluindo com eles? Lemos sobre robôs trabalhando em canteiros de obras, materiais responsivos e inteligentes e o contínuo aumento da impressão 3D, mas será que tudo isso se torna ruído branco quando se inicia um novo projeto? Mais importante ainda, esses novos sistemas poderiam continuar progredindo sem levar em conta a qualidade de vida das pessoas, com sensibilidade e eficácia? 

Como devemos usar os materiais - tanto em suas formas tradicionais quanto em suas futuras concepções - para que nossos projetos estejam contribuindo de maneira relevante para como estamos habitando nosso planeta?

Para evoluir, precisamos saber como. Então vale a pena começar uma discussão sobre esses assuntos.

Construção e Materiais na Era Digital

Por Antonia Piñeiro

© José Tomás Franco
© José Tomás Franco

Com a presença aparentemente inabalável do trabalhador da construção civil na obra, os fundamentos profundos da indústria pareciam estar um pouco atrasados em relação à modernização. Até agora.

Grandes movimentos sociais, impulsionados pelo conceito de sustentabilidade, apareceram como uma reação contemporânea aos sistemas econômicos que promovem a produtividade sobre o trabalho artesanal local. A corrida para obter eficiência e, ao mesmo tempo, respeitar o meio ambiente tornou-se uma poderosa força motriz que leva a indústria a incorporar novos processos de fabricação e construção. O desenvolvimento de tecnologias para produção em massa rápida - como pré-fabricação, impressão 3D e softwares colaborativos - passou a ser considerado uma quarta revolução industrial.

Até que ponto essas novas tecnologias e produtos inteligentes podem fazer a diferença na qualidade de vida das pessoas em todo o mundo?

Conceitos como up-cycling e fabricação inteligente (desenvolvimento em larga escala de máquinas e sistemas de produção de alto nível) buscam neutralizar o custo ambiental de materiais e processos tradicionais. As partes interessadas e contratadas estão investindo em treinamento de mão-de-obra e robótica na esperança de melhorar as condições de trabalho e incorporar métodos mais eficientes e seguros. A arquitetura também está começando a adotar a inteligência artificial por meio da automação residencial, que tem um impacto direto na vida cotidiana. A tecnologia tem se mostrado uma aliada na busca de proteção ambiental, bem como no conforto individual.

A lenta revolução na construção abriu novas e excitantes oportunidades para o projeto arquitetônico. Nosso desafio, como arquitetos ,é não deixar essas oportunidades nas mãos de outros profissionais, mas sim apropriar-se delas para usá-las em favor da comunidade, habitabilidade e um bom projeto.

Desenho Universal e Automação: Materiais que Favorecem o Bem-Estar

Por José Tomás Franco

© José Tomás Franco
© José Tomás Franco

A acessibilidade em nossos projetos arquitetônicos é algo que não deveria precisar ser discutido. Embora seja algo geralmente associado a regulamentações obrigatórias (que variam em cada país), a consciência e o cuidado com as diferentes pessoas que usarão nossos projetos devem fazer parte da essência presente em todos os seus elementos e espaços.

Mas a acessibilidade não é apenas um problema projetual. A escolha de materiais e sistemas determina muito a maneira como os usuários interagem com o espaço construído. Além disso, algumas decisões arquitetônicas podem ser prejudicadas por uma seleção equivocada de produtos e materiais.

No caso de pessoas com deficiência visual, por exemplo, as texturas e condições ambientais (como temperatura e acústica) ganham importância, assim como o manuseio das cores, que devem ter um alto nível de contraste. Tanto no interior como no exterior, as superfícies tácteis podem ajudar a fornecer códigos texturizados que facilitam o movimento para os deficientes visuais. Sistemas em braile, dispositivos acústicos ou GPS também podem ser incorporados para suportar todas essas operações. Para aqueles com mobilidade reduzida, as superfícies antiderrapantes podem ser especificadas para permitir o movimento em uma cadeira de rodas ou o andar com uma bengala; A adição de acessórios de suporte em paredes e áreas perigosas, como escadas e banheiros, também é fundamental ao projetar para pessoas de mobilidade reduzida.

Dispositivos domésticos inteligentes e automação podem ser algumas das principais ferramentas para alcançar acessibilidade mais universal, permitindo que usuários com deficiências usem os espaços através de sensores e ambientes predeterminados. Ser criativo com materiais e produtos disponíveis é algo que também pode oferecer resultados inesperados e ainda melhores (Se você não acha que é possível, confira esta incrível casa projetada por So & So Studio). Estamos ansiosos para ver como essa consciência - baseada simplesmente no senso comum - forçará os arquitetos a repensarem de maneira inteligente os projetos espaciais.

Cidades densas mas dignas: vida compartilhada e de pequena escala

Por Eduardo Souza

© José Tomás Franco
© José Tomás Franco

Cidades são a maior conquista coletiva dos seres humanos. Até 2050, quase 10 bilhões de pessoas compartilharão nosso planeta, com cerca de 60% disso vivendo ems cidades. Pensar nas infraestruturas para atender adequadamente toda a população, de forma sustentável, é algo que causa ansiedade para planejadores, arquitetos e políticos. Mas é inevitável que nosso estilo de vida também mude.

A relação entre densidade e qualidade de vida ainda parece ser uma questão ainda pendente após décadas de experimentação. Arranha-céus ou blocos baixos? As Tiny houses também podem ser boas opções, ocupando lotes em desuso. Várias formas de coabitação desmaterializam nossas noções preconcebidas de lar: com áreas compartilhadas, espaços de uso misto, cozinhas coletivas, zonas comunitárias, entre outros. É vital que os produtos arquitetônicos se adaptem a essas novas demandas e que nós, como arquitetos, nos aprofundemos na compreensão dos materiais, a fim de obter o máximo deles.

Equipamentos, móveis e novas tecnologias tornaram-se cada vez mais flexíveis, eficientes e “inteligentes” para proporcionar conforto e melhorar a coexistência de cidadãos em espaços privados e públicos. Seja a necessidade de repensar o uso e a conservação de recursos naturais ou restrições de espaço - em casas extremamente pequenas, residências multifamiliares massivas, ou em calçadas e parques urbanos - os arquitetos têm uma grande responsabilidade de escolher materiais e sistemas que permitam uma vida digna para as pessoas no futuro, além dos metros quadrados disponíveis para projetar.

Remodelações: Focando nos Interiores para Impactar a Saúde Psicológica

Por Soledad Sambiasi

© José Tomás Franco
© José Tomás Franco

Com o surgimento dos estudos em neurociência, o campo do projeto de interiores evoluiu a um ritmo muito acelerado durante a última década. Várias descobertas foram feitas relacionadas a como o desenho interno e seus princípios: equilíbrio, proporção, simetria e ritmo têm um impacto direto em nossas respostas emocionais. Há muitos estudos que aprofundam isso, por exemplo, o estudo de altura de pé-direito em espaços comerciais, da Universidade de Minnesota, onde "três experimentos investigaram os efeitos de altura de teto alta (10 pés) e baixa (8 pés) em indivíduos". noções de liberdade versus confinamento, e se tais efeitos influenciaram o processamento da informação ". [1] Pesquisadores concluíram que a altura do teto tem um impacto direto na noção individual de liberdade, criatividade e foco, e também provou como o humor é significativamente melhorado.

À medida que as cidades se tornam mais densas e passamos mais tempo dentro dos prédios, o projeto dos espaços internos se torna um fator-chave na determinação da qualidade de vida das pessoas, especialmente por causa de seu impacto direto em nossa saúde emocional.

Os espaços de trabalho também vem mudando dramaticamente. Há vinte anos, os clientes corporativos da Haworth reservavam cerca de 10% do espaço para uso comunitário; hoje isso está mais perto de 40%. Com a nova dinâmica de trabalho desta geração, mais empresas alocam recursos para investir em redesenhos e novos móveis. Em relação a essa questão específica, há descobertas e iniciativas interessantes, como o "Living Office" da Herman Miller, ou a pesquisa desenvolvida pela Velux em relação ao impacto da luz do dia em nossa vida diária.

Assim, decisões relacionadas a cores, iluminação, espaço, mobília e elementos naturais podem moldar conscientemente respostas humanas, como criatividade, paz e felicidade. À medida que as cidades se adensam, haverá menos espaço para novos edifícios e as reformas ganharão mais espaço.

Lidando com a Qualidade Ambiental dos Espaços Mínimos

Por Audrey Migliani

© José Tomás Franco
© José Tomás Franco

O cidadão de 2019 está sendo considerado, cada vez mais, como parte de uma 'geração interna' que vive cercada de concreto e quase sem vegetação ao redor. A principal preocupação é a falta de conexão com a natureza; espaços ao ar livre trazem vantagens que nenhuma tecnologia pode reproduzir. A luz solar, por exemplo, acelera o metabolismo e melhora os níveis de cortisol e melatonina, hormônios que influenciam diretamente a qualidade do sono e, consequentemente, o bem-estar durante o dia. Além disso, médicos e especialistas dizem que a ventilação natural diminui alergias, irritabilidade e problemas respiratórios.

É fácil proporcionar essas condições em uma casa no meio da floresta ou em um prédio à beira-mar, mas ela se torna mais complexa em uma cidade superlotada. Um dos grandes desafios para os arquitetos hoje - e no futuro - é proporcionar espaços saudáveis em edifícios multifamiliares com pequenas unidades residenciais características das metrópoles contemporâneas.

Ser tão eficiente quanto possível usando os produtos e materiais certos pode ser fácil se realmente apreciarmos as opções disponíveis (especialmente se quisermos evitar o uso de condicionadores de ar ou sistemas de exaustão que consumam uma grande quantidade de energia elétrica). Em novos projetos, uma boa opção é a instalação de estruturas de PVC com vidro duplo (ou reflexivo), para obter ambientes mais quentes e silenciosos. Sistemas como Brises-Soleil e fachadas ventiladas devem ser considerados, pois melhoram significativamente a ventilação e a iluminação natural. Para edifícios em que a renovação está fora de questão, é possível, por exemplo, tomar medidas para alcançar níveis adequados de isolamento sonoro. É ideal adotar um cobertor acústico e pisos mais silenciosos, como opções em vinil ou elevados, porque eles atuam como uma barreira de ruído para os vizinhos. O Drywall atenua até 30 dB entre os apartamentos vizinhos, por isso também é um bom aliado no processo projetual.

No entanto, quando esses investimentos ou mudanças não são possíveis, ainda temos alternativas interessantes: madeira e drywall trazem calor; cores claras e pedras ajudam a esfriar. Quartos com menos móveis facilitam o fluxo de ar, o que é muito bom. E também é sabido que os vasos de plantas aumentam a frescura do espaço, por isso é útil plantar um jardim vertical em uma parede com mais exposição solar.

Nossa influência positiva na boa saúde das pessoas é um desafio importante e valioso, que pode restaurar a relevância de nossa profissão.

Arquitetura crua: A Qualidade e a Beleza dos materiais aparentes

Por Eduardo Souza

© José Tomás Franco
© José Tomás Franco

O revestimento pode melhorar o conforto térmico dos interiores, ao mesmo tempo que gera fachadas esteticamente uniformes. E eles também podem esconder alguns erros e imprecisões durante a etapa construtiva. Vilanova Artigas, um dos precursores do “brutalismo paulista”, defendeu, entre muitas outras coisas, que “as mãos dos trabalhadores” deveriam estar aparentes no trabalho final para mostrar quem realmente construiu o edifício. Materiais aparentes eram uma característica constante das obras da Arquitetura Moderna Brasileira.

Esses tipos de decisões muitas vezes levam mais em conta o aspecto estético do que questões técnicas ou econômicas, mas é inegável que materiais aparentes carregam muito mais história. Seja a lembrança do prego que sustentou a fôrma de concreto ou os nós e fibras da madeira que mostram a vida de uma árvore, isso revive um senso de habilidade e exclusividade que não ocorre em uma construção mais industrializada.

Embora pareça contraditório, tornar os materiais visíveis é, geralmente, uma opção mais cara, pois exige maior cuidado em todas as etapas da produção. No entanto, sua beleza ainda é uma opção exigida por alguns tipos de clientes, e a indústria da construção respondeu a isso desenvolvendo produtos que proporcionam resultados naturais e rústicos com preços moderados - de novos tipos de concreto e molduras, de selantes e protetores para madeira e tijolos e metais e vidro com novas propriedades térmicas e estéticas. Novamente, a chave é fazer as escolhas certas e aprofundar o comportamento inerente de cada material.

Camadas e camadas de materiais de baixa qualidade que buscam imitar os outros ganharam espaço em mercados com regulamentações locais fracas e com investidores que pressionam a redução de custos. A imprevisibilidade do futuro dos materiais não parece ser muito bem-vinda no mundo competitivo da construção. Mas, em um mundo que parece estar perdendo cada vez mais sua conexão com a natureza, não seria importante "retornar" continuamente aos efeitos das matérias-primas para aprender - e nunca esquecer - a sensação, a aspereza e as surpresas. de suas superfícies?

Talvez seja uma boa maneira de abraçar essas novas tecnologias, sem perder a sensibilidade que nos fez escolher essa profissão em primeiro lugar.

[1] Joan Meyers-Levy and Rui (Juliet) Zhu. (2007). The Influence of Ceiling Height: The Effect of Priming on the Type of Processing That People Use. Janeiro de 2019, de InformeDESIGN <https://www.informedesign.org/Rs_detail/rsId/3387>

Sobre este autor
Cita: AD Editorial Team. "6 Reflexões sobre materiais e construção: Decisões que melhoram a qualidade de vida das pessoas" [6 Thoughts On Materials and Construction: Decisions That Improve People's Quality Of Life] 28 Fev 2019. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/912313/6-reflexoes-sobre-materiais-e-construcao-decisoes-que-melhoram-a-qualidade-de-vida-das-pessoas> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.