Ampliar imagem | Tamanho original
Quem durante 2018, às segundas e quintas, passou por um terreno vazio no coração de Paraisópolis, segunda maior comunidade de São Paulo, se deparou com crianças com joelhos polvilhados de terra, brincando com objetos como pneus, barquinhos de papel e gravetos em um sem fim de brincadeiras. Era o projeto Brincreto, iniciativa do Coletivo LUB – Laboratório de Urbano de Brincadeiras. Entendendo o brincar como parte da natureza da criança, o projeto formado no início de 2018 se dedica a incentivar a brincadeira espontânea em espaços inusitados da malha urbana. “O que falta para a maioria delas é a oportunidade. Basta acender uma fagulha e já está tudo ali”, conta Carla Scala, paisagista e uma das integrantes do coletivo, juntamente com Letícia Borges, Sofia e Beatriz Olival. Durante todo o ano, as quatro jovens se apropriaram de um terreno desocupado, reivindicando-o como um espaço de brincar para meninas e meninos de 6 a 13 anos. “Era um terreno todo remexido pela terraplanagem e que cada dia tinha um formato diferente”, recorda Carla. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar