O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. A importância de entender o corpo humano: Projetando para todo o tipo de pessoas

A importância de entender o corpo humano: Projetando para todo o tipo de pessoas

A importância de entender o corpo humano: Projetando para todo o tipo de pessoas
A importância de entender o corpo humano: Projetando para todo o tipo de pessoas, Esboços de Bill Stumpf, que mostram seu desejo de projetar uma cadeira que funcione para todos os tipos de corpos. Cortesia de Herman Miller
Esboços de Bill Stumpf, que mostram seu desejo de projetar uma cadeira que funcione para todos os tipos de corpos. Cortesia de Herman Miller

É um simples senso comum: um bom design é baseado nas pessoas e no que elas realmente precisam. Como arquitetos, estamos nos aprofundando o suficiente para dar as respostas corretas aos requisitos que enfrentamos em cada projeto?

A Herman Miller é um ótimo exemplo desse entendimento. Fundada em 1905 por Dirk Jan De Pree, a empresa americana produz equipamentos e móveis para escritórios e habitações, incluindo um alto nível de pesquisa para entender o corpo humano e a maneira como habitamos nossos espaços cotidianos. Essas investigações, apoiadas por testes de usabilidade e trabalho multidisciplinar, resultam em um grande número de peças de mobiliário e projetos espaciais que agora são usados com sucesso por pessoas em todo o mundo.

Tivemos a oportunidade de visitar a sede da empresa em Zeeland, Michigan, e entender como esses estudos têm sido realizados há várias décadas.

Uma cadeira que se adapte a todas as formas de pessoas. Investigações de Bill Stumpf. Cortesia de Herman Miller
Uma cadeira que se adapte a todas as formas de pessoas. Investigações de Bill Stumpf. Cortesia de Herman Miller

Pesquisa, teste e trabalho multidisciplinar

A Herman Miller produz uma cadeira a cada 20 segundos. Como a empresa consegue fornecer respostas eficazes para cada um dos milhares de usuários diferentes? Este rápido processo de fabricação parece ser o ponto final eficiente de um longo caminho de estudos e explorações profundas com uma abordagem centrada no ser humano.

Segundo Gary Smith, Vice-Presidente de Design e Exploração de Produtos da Herman Miller, a empresa tem uma longa história de pesquisa que remonta à década de 1960, quando o Instituto de Pesquisa Herman Miller foi estabelecido, inicialmente liderado por Bob Propst. Desde seus primeiros anos, o instituto promoveu o objetivo de explorar a realidade de maneira global, expandindo o olhar para "encontrar problemas fora da indústria moveleira e conceber soluções para eles". [1]

Investigações de Bill Stumpf para o projeto da cadeira Ergon. Cortesia de Herman Miller
Investigações de Bill Stumpf para o projeto da cadeira Ergon. Cortesia de Herman Miller
Investigações de Bill Stumpf para o projeto da cadeira Ergon. Cortesia de Herman Miller
Investigações de Bill Stumpf para o projeto da cadeira Ergon. Cortesia de Herman Miller

No entanto, esses estudos gerais quantitativos são refinados por meio de testes de usabilidade com usuários variados e a contribuição de especialistas em diferentes áreas, que os complementam com dados mais qualitativos. Por exemplo, alguns testes medem o nível de conforto que uma pessoa sente ao sentar-se, enquanto outros medem variáveis metabólicas - como a frequência cardíaca (FC), a frequência respiratória (FR) e a liberação de CO2, entre outros -, comparando o desempenho entre diferentes cadeiras em relação à saúde do usuário. O resultado de todos esses processos permite, então, definir o resumo do projeto e melhorar as qualidades dos produtos.

Trabalhamos com ergonomistas; pessoas que passam suas vidas estudando não apenas as dimensões do corpo humano e suas diferenças, mas também as maneiras pelas quais os corpos se movem. Eles estudam sua estrutura, ossos, músculos e como o corpo deve se mover para se sentir confortável. Também trabalhamos com coloristas e especialistas em materiais, que nos dão um senso de moda e nos permitem responder a gostos diferentes e em mudança. Procuramos os melhores criativos e talentos de todo o mundo para se juntar a nós em cada projeto em particular ', diz Smith.

Keiji Takeuchi. Cortesia de Herman Miller
Keiji Takeuchi. Cortesia de Herman Miller

Além do conforto, buscando bem-estar

Hoje em dia, os seres humanos passam muito tempo sentados. Seja em nossos momentos de trabalho ou descanso, os tempos de inatividade física predominam em nossas vidas, e a Herman Miller entendeu isso como uma oportunidade, e não como um problema.

Para pessoas cada vez mais seduzidas pela tecnologia da computação - e as posições sedentárias que ela estimula -, as soluções de assentos que beneficiam o coração podem ajudar a diminuir o risco de doenças cardiovasculares e, em última análise, melhorar a saúde das pessoas. [2]

Antes e depois de aplicar o sistema 'Living Office' da Herman Miller, em uma empresa com sede em Nova Iorque. Cortesia de Herman Miller
Antes e depois de aplicar o sistema 'Living Office' da Herman Miller, em uma empresa com sede em Nova Iorque. Cortesia de Herman Miller

Então, isso não é apenas um problema de conforto. Há uma abundância de cadeiras bonitas e confortáveis para escolher, mas que não consideram os efeitos que terão em uma pessoa que passa várias horas por dia sentado nela. As investigações realizadas permitem que suas cadeiras se adaptem instintivamente ao corpo e seus movimentos, especificamente à espinha, permitindo que a pessoa se mova livremente em todas as direções, sem obstáculos ou esforços excessivos. Desta forma, problemas relacionados a posturas estáticas durante um longo dia de trabalho são evitados e podem até ajudar a melhorar a função fisiológica das pessoas em posições sedentárias.

O interessante é que, em milhares de anos, nossos corpos não mudaram muito. Alguns dos parâmetros de design mudam muito rapidamente, como a preferência por certas cores, enquanto outros mudam em uma velocidade média, como a natureza de nossas casas ou a arquitetura e nossos ambientes construídos. No entanto, existem alguns parâmetros que quase não mudam, como a natureza do corpo humano ”, acrescenta Smith.

Antropometria: estudando medidas do corpo humano

A antropometria é um dos estudos essenciais promovidos e desenvolvidos pela empresa, com ênfase especial na diversidade de tamanhos físicos que existem em todo o mundo. Com o passar dos anos, a precisão desses estudos aumentou, por exemplo, usando escaneamentos tridimensionais.

Pessoas de todos os tamanhos e formas se ajustam às generalidades dos objetos do dia-a-dia. A altura das bancadas, o espaço para as pernas nos carros, a largura dos assentos dos aviões, a profundidade das escadas ou as alturas dos corrimãos - com muita frequência, são projetados para o tamanho médio da população. No entanto, quando um produto é projetado para atender à "média", um design médio geralmente é o resultado. [3]

Estudos antropométricos desenvolvidos por Herman Miller nos Estados Unidos. Cortesia de Herman Miller
Estudos antropométricos desenvolvidos por Herman Miller nos Estados Unidos. Cortesia de Herman Miller

Por meio desses estudos, os projetistas podem identificar certas porcentagens que agrupam a população de acordo com suas dimensões e requisitos de tamanho. Dessa forma, eles responderão com eficiência à maior porcentagem possível de usuários em potencial (atingindo 95% em alguns casos), com base em alta adaptabilidade e flexibilidade e permitindo controle intuitivo do usuário.

Esses três fatores são essenciais para considerar, mesmo quando o design é eficaz para uma alta porcentagem da população. A distribuição específica de peso em uma pessoa, por exemplo, fará com que sua percepção do conforto de certas posições tradicionalmente usadas seja totalmente diferente. O que para uma pessoa é bom, pode não ser confortável para outra.

Uma cadeira que permite ao usuário olhar para frente e para baixo sem que haja tensão no pescoço. Cortesia de Herman Miller
Uma cadeira que permite ao usuário olhar para frente e para baixo sem que haja tensão no pescoço. Cortesia de Herman Miller
Uma cadeira que permite manter uma postura neutra e equilibrada e ficar alinhada com o aparato visual. Cortesia de Herman Miller
Uma cadeira que permite manter uma postura neutra e equilibrada e ficar alinhada com o aparato visual. Cortesia de Herman Miller

O corpo humano e sua relação com o espaço: o caso do escritório

A Herman Miller não só promoveu o estudo do ser humano para fabricar peças de mobiliário independentes, mas também como parte fundamental de uma série de sistemas integrados para configurar espaços habitáveis, especificamente escritórios. Em seu livro 'The Office: A Facility Based on Change', originalmente publicado em 1968, Bob Propst apresenta estratégias para planejar e definir efetivamente esses espaços de trabalho, através de uma análise do comportamento humano que ainda se aplica hoje.

Planejar o escritório requer um conjunto expandido de habilidades. O planejamento é um exercício de futilidade, a menos que produza uma estrutura bem fundamentada, baseada no entendimento das variáveis-chave: o propósito da organização; o apoio do desempenho individual; o papel do planejamento das instalações e a arte do pré-jogo. [1]

Action Office II – Princípios operacionais. 'The Office: A Facility Based on Change' (1968), por Bob Propst. Cortesia de Herman Miller
Action Office II – Princípios operacionais. 'The Office: A Facility Based on Change' (1968), por Bob Propst. Cortesia de Herman Miller

Estas 4 chaves têm relação direta com as pessoas que habitarão o espaço de trabalho diariamente. O pré-jogo, por exemplo, é usado para simular e modelar diferentes configurações espaciais para testar seu uso futuro eficaz, evitando assim a especulação. Propst sugeriu o uso conjunto de softwares computacionais e maquetes em escala, permitindo uma análise geral do espaço e a possibilidade de ampliar áreas específicas para um estudo mais detalhado.

Action Office System. Cortesia de Herman Miller
Action Office System. Cortesia de Herman Miller

A análise realizada nos primeiros anos - com o apoio de uma equipe multidisciplinar composta por psicólogos, matemáticos, antropólogos e outros especialistas relevantes - incluiu aspectos como o fechamento e o acesso, a privacidade e a segurança, o trânsito e o clima social, inteiramente na experiência real do usuário. O resultado foi o Action Office System (nas suas versões I e II), que agora foi complementado com as novas possibilidades oferecidas pelo seu 'irmão'; o Living Office.

Living Office System. Ilustrações por Daniel Carlsten. Cortesia de Herman Miller
Living Office System. Ilustrações por Daniel Carlsten. Cortesia de Herman Miller
Living Office System. Cortesia de Herman Miller
Living Office System. Cortesia de Herman Miller

Adaptabilidade, flexibilidade e controle do usuário ... mas com uma poderosa "espinha dorsal"

Em vez de "fornecer uma fórmula de semelhança para todos" [4] - uma das maiores críticas que Bob Propst faz aos escritórios tradicionais do século 20 -, os móveis e projetos espaciais que conseguem ser amplamente adaptáveis, flexíveis e controláveis permitem fornecer respostas específicas e adequadas a uma enorme variedade de pessoas, corpos e usos.

Brochura da Cadeira Aeron, lançada em 1994. Cortesia de Herman Miller
Brochura da Cadeira Aeron, lançada em 1994. Cortesia de Herman Miller

A exaustiva pesquisa, teste e as contribuições de profissionais relevantes é essencial para alcançar esses objetivos. Mas, em todos eles, deve haver uma "espinha dorsal" que os torne consistentes e fortes, mantendo suas principais qualidades, embora possam ser usados de maneiras diferentes por diferentes usuários.

Aprofundar-se na comissão recebida é absolutamente necessário e facilita nosso trabalho como projetistas. E para isso, é essencial retornar ao começo: tomar o indivíduo como ponto de partida.

© Bill Porter
© Bill Porter

[1] "The Office: A Facility Based on Change." Propst, Robert. Published by Herman Miller, Inc. 1968
[2] Sitting Can Be Good for the Circulatory System. How the Embody Chair Lowers Heart Rate. <https://www.hermanmiller.com/research/categories/white-papers/sitting-can-be-good-for-the-circulatory-system/> (accessed December 2018).
[3] "The Evolution of Anthropometrics and User Control". The Science and Research Behind the Mirra 2 Chair. <https://www.hermanmiller.com/research/categories/white-papers/the-evolution-of-anthropometrics-and-user-control/> (accessed December 2018).
[4] The Accidental Arrival of the Cubicle. <https://medium.com/robin-powered/the-accidental-arrival-of-the-cubicle-ebc04da7552/> (accessed December 2018).

Sobre este autor
Cita: Franco, José Tomás. "A importância de entender o corpo humano: Projetando para todo o tipo de pessoas" [Understanding The Human Body: Designing For People of All Shapes and Sizes] 18 Jan 2019. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/909661/a-importancia-de-entender-o-corpo-humano-projetando-para-todo-o-tipo-de-pessoas> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.