O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Casas
  4. Coreia do Sul
  5. a round architects
  6. 2017
  7. Casa Panpo-ri / a round architects

Casa Panpo-ri / a round architects

  • 11:00 - 2 Outubro, 2018
  • Traduzido por Vinicius Libardoni
Casa Panpo-ri / a round architects
Casa Panpo-ri / a round architects, © Kim Joo-Young
© Kim Joo-Young

© Kim Joo-Young © Kim Joo-Young © Kim Joo-Young © Kim Joo-Young + 21

© Kim Joo-Young
© Kim Joo-Young

O Clima em Jeju

A paisagem desta pequena ilha no extremo sul da Coreia é bastante plana e rochosa. Os fortes ventos vindos do Pacífico Sul tem esculpido este pedaço de terra firme ao longo de milênios, transformando seu panorama em uma forma simples e compacta. Os diversos cenários naturais ao redor da Ilha de Jeju têm muitas coisas em comum, mas também suas individualidades que respondem diretamente a sua orientação. A localidade de Panpo-ri, é onde estão implantadas a grande maioria das turbinas eólicas da ilha, exatamente onde encontram-se os ventos mais fortes e constantes.

© Kim Joo-Young
© Kim Joo-Young

Começamos este projeto considerando diferentes estratégias de como lidar com estas condições climáticas severas. Primeiramente decidimos incorporar muros de pedra, e em seguida optamos por rebaixar o lote em relação aos acessos com a finalidade de proteger-se dos ventos fortes. Em segundo lugar, começamos a definir as aberturas, com uma grande janela voltada para o sul, por onde receberíamos ampla iluminação natural nos espaços interiores além de beirais de até dois metros de profundidade para proteger as aberturas da forte luz do oeste. Ao final, frente aos lados leste e norte, com condições climáticas mais amenas, terminamos de configurar os limites da casa, maximizando as condições de iluminação e ventilação natural. Ou seja, nosso projeto é uma resposta direta ao clima específico da região.

© Kim Joo-Young
© Kim Joo-Young

Camadas de sentidos

Queríamos que nesta casa, seus moradores pudessem experimentar sensações completamente únicas, alheias aquelas que encontramos nos centros urbanos. O ser humano está lentamente se afastando cada vez mais de sua natureza e perdendo sua sensibilidade enquanto experimentam uma constante e incessante enxurrada de informações visuais. O espaço longo e estreito por onde acessamos esta casa atua como um instrumento musical. A dureza de seus materiais amplifica o som que reverbera e ecoa à medida que a natureza e os materiais se sobrepõem. Procuramos explorar as diversas potencialidades de cada material, criando interações dinâmicas entre cada um deles. Apesar de utilizar diferentes materiais (concreto, basalto, metal), optamos por pintá-los todos da mesma cor, eliminando os excessos e criando uma unidade visual.

© Kim Joo-Young
© Kim Joo-Young
Corte
Corte
© Kim Joo-Young
© Kim Joo-Young

O basalto áspero e o concreto liso possuem características completamente diferentes, mas de alguma forma parecem também muito semelhantes. A trepadeira plantada é um elemento natural capaz de conectar estes dois materiais. A luz que reflete ao longo da superfície da parede voltada para o sul fornecerá o calor necessário para que as plantas possam florescer. A grande porta de entrada feita de cedro de Jeju deixa a atmosfera da casa ainda mais aconchegante à medida que nos aproximamos da entrada. O som do vento nos acompanha ao longo de todo caminho até a casa, deixando muito evidente que estamos em uma pequena ilha no sul da Coréia. A partir do interior, vemos o sol refletindo no piso duro do quintal, e as luzes cintilantes refletidas no espelho d'água do lado de fora ecoam nas paredes internas, despertando a quietude deste espaço. A brisa que balança as árvores no pátio inferior nos permite sentir e até ouvir o açoite dinâmico da brisa do mar, enquanto que as paredes de pedra protegem a casa dos ventos mais fortes.

© Kim Joo-Young
© Kim Joo-Young

Estabelecendo uma relação

A paisagem do entorno é, em grande maioria, um enorme vazio. Entretanto, utilizamos diferentes abordagens em cada uma das fachadas, preparando-nos para os edifícios vizinhos que serão construídos num futuro próximo. As duas elevações voltadas para a estrada e para o pátio norte da casa estão visualmente recolhidos enquanto que as outras duas estão repletas de aberturas e espaços abertos, pois a distância ao limite do lote é suficiente para proporcionar privacidade. O espaço aberto voltado para o sul está protegido pelo muro alto de pedra, proporcionando intimidade em relação à casa localizada na frente, à oeste, encontram-se os espaços abertos e repletos de árvores que filtram a luz do sol e proporcionam um ambiente fresco e agradável para se estar.

© Kim Joo-Young
© Kim Joo-Young

Ver a galeria completa

Sobre este escritório
Cita: "Casa Panpo-ri / a round architects" [Panpo-ri Residence / a round architects] 02 Out 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Libardoni, Vinicius) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/902979/casa-panpo-ri-a-round-architects> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.