O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Arquitetura Paulistana #58: Passarela do Aeroporto de Congonhas / Estúdio Artigas + H2C Arquitetura

Arquitetura Paulistana #58: Passarela do Aeroporto de Congonhas / Estúdio Artigas + H2C Arquitetura

Arquitetura Paulistana #58: Passarela do Aeroporto de Congonhas / Estúdio Artigas + H2C Arquitetura
Arquitetura Paulistana #58: Passarela do Aeroporto de Congonhas / Estúdio Artigas + H2C Arquitetura, Passarela do Aeroporto de Congonhas. Cortesia de Arquitetura Paulistana
Passarela do Aeroporto de Congonhas. Cortesia de Arquitetura Paulistana

O curso livre Arquitetura Paulistana, organizado por Marco Artigas, levou os alunos para conhecerem o projeto da Passarela do Aeroporto de Congonhas, projetada pelo Estúdio Artigas em parceria com o escritório H2C Arquitetura. Iniciado em 2014, o projeto levou quatro anos para ser concluído e contou com a participação do Nitsche Arquitetos, responsáveis pela comunicação visual do empreendimento.

Saiba mais sobre o projeto da Passarela do Aeroporto de Congonhas, tema da aula de número 58 do curso Arquitetura Paulista, nos vídeos e no texto a seguir, fornecidos pelos organizadores.

O protagonista no desenvolvimento da cidade de São Paulo, historicamente, foi o automóvel. Os grandes planos urbanos que estudamos nas escolas e universidades vinculam o progresso, o crescimento, a modernidade com a imagem do transporte individual motorizado. Dentro desse contexto surgem os diversos movimentos sociais que lutam pela inversão de prioridade na hora de desenhar as cidades. Seu principal objetivo é a inversão da pirâmide da mobilidade urbana. (Para elucidar: a pirâmide tem que que ficar de cabeça para baixo, pois o pedestre é a prioridade).

Foi justamente um movimento organizado pela sociedade civil que conquistou, na década de 70, a construção de diversas passarelas urbanas na cidade de São Paulo. Estudantes da Fundação Getúlio Vargas manifestaram o descontentamento em relação à grande quantidade de atropelamentos na Avenida Nove de Julho. E a vitória foi da sociedade civil. A EMURB contratou o escritório de Vilanova Artigas para desenvolver projeto para quatro passarelas na cidade de São Paulo. Uma delas era a Passarela do Aeroporto de Congonhas, sobre o principal eixo norte sul da capital, na atual Avenida Washington Luís, uma das grandes portas de entrada da cidade de São Paulo.

O projeto de Artigas foi pensado em estrutura mista: pilares e escadas em concreto armado aparente e viga metálica para transpor a largura da avenida. Essa técnica foi usada para todas as passarelas projetadas pelo arquiteto. Enquanto os pilares e escadas eram construídos in loco as vigas metálicas eram produzidas fora e, quando prontas, eram simplesmente apoiadas nos pilares, em uma ou duas madrugadas. Essa estratégia reduzia o impacto no trânsito e mostrava um grande desenvolvimento da tecnologia para estrutura de passarelas urbanas.

Passaram-se décadas até a sociedade civil se organizar novamente com o objetivo de fazer melhorias na passarela. A Associação dos Amigos da Passarela (ASPA) foi criada com esse fim, visto que a falta de manutenção tornou a estrutura desenhada por Artigas um risco para a população.

Em 2014 os escritórios H2C Arquitetura e Estúdio Artigas se uniram para tirar o projeto do papel e por fim conseguir, junto com a ASPA, realizar a doação do projeto para a cidade de São Paulo. Entre reuniões com os diversos órgãos públicos municipais e patrocinadores, foram angariados os fundos para a execução do projeto.

O desenho da nova passarela teve como ponto de partida a leitura das necessidades de uma sociedade contemporânea e as suas relações com um projeto de um grande arquiteto brasileiro.

O conceito do desenho original da década de 70 foi mantido. A estrutura continua mista (concreto e metálica) e a interferência da obra no cotidiano da cidade foi mínima. A nova passarela foi instalada durante os intervalos de tempo franqueados em duas madrugadas. Enquanto a nova estrutura metálica estava sendo desenvolvida na cidade de Pindamonhangaba, os pilares e as escadas em concreto armado existentes foram restaurados, recuperando a sua característica original de concreto aparente.

* Texto fornecido pelos arquitetos. 

Sobre este autor
Romullo Baratto
Autor
Cita: Romullo Baratto. "Arquitetura Paulistana #58: Passarela do Aeroporto de Congonhas / Estúdio Artigas + H2C Arquitetura" 26 Jul 2018. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/898972/arquitetura-paulistana-number-58-passarela-do-aeroporto-de-congonhas-estudio-artigas-plus-h2c-arquitetura> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.