Ampliar imagem | Tamanho original
A biblioteca por Rem KoolhaasO impacto físico dos livros sempre foi muito importante para minha formação. A primeira vez que me fascinei com livros foi quando li os contos dos irmãos Grimm ilustrados por Gustave Doré. Ainda me lembro da natureza física desses livros, eles fazem parte de uma das lembranças mais vívidas de toda minha infância. Na década de 50, eu passava praticamente todo meu tempo livre na biblioteca do Museu Stedelijk - como se fosse a sala de estar da minha casa. A primeira vez em que a escrita e a arquitetura se cruzaram em minha vida foi em Delirious New York, que escrevi na Biblioteca Pública de Nova York, enquanto pesquisava em microfilmes, jornais antigos e livros. Eu tinha um lugar cativo na biblioteca onde eu passava praticamente todos meus dias e noites. A arquitetura e a escrita são muito semelhantes em suas historias e tradições, assim como ambas devem constantemente estar atualizadas para sobreviver. Nós, no OMA, projetamos muitas bibliotecas e construímos apenas algumas. As bibliotecas, tipologicamente falando, nos permitem pensar e desenvolver uma arquitetura excepcional, radical. Aparentemente, há um paradoxo. Um programa extremamente tradicional mas que nos leva ao mesmo tempo inventar novas soluções, e isso é exatamente o que fizemos no projeto da Biblioteca Nacional do Catar. O edifício é enorme, equivalente ao comprimento de dois 747. Não se trata apenas da escala, mas porque desde o início pensamos em criar um espaço acessível e estimulante para a população de todo o pais. A ideia era criar um edifício com um grande espaço único, sem divisões ou seções diferentes, certamente não deveríamos separá-los em diferentes pavimentos. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar