O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Os universalistas, 50 anos de arquitectura portuguesa (Parte 1)

Os universalistas, 50 anos de arquitectura portuguesa (Parte 1)

Os universalistas, 50 anos de arquitectura portuguesa (Parte 1)
Os universalistas, 50 anos de arquitectura portuguesa (Parte 1), Os universalistas: viagem dos professores da Escola de Belas Artes do Porto à Grécia, 1976. Da esquerda para a direita: Alexandre Alves Costa, Sérgio Fernandez, José Grade, Alcino Soutinho, Fernando Távora e Álvaro Siza. Image © Arquivo de Sérgio Fernandes
Os universalistas: viagem dos professores da Escola de Belas Artes do Porto à Grécia, 1976. Da esquerda para a direita: Alexandre Alves Costa, Sérgio Fernandez, José Grade, Alcino Soutinho, Fernando Távora e Álvaro Siza. Image © Arquivo de Sérgio Fernandes

O universal é o local sem paredes
Miguel Torga - Poeta, dramaturgo e ensaísta português (1907-1995)

Um ponto de vista

Este texto foi escrito para a edição francesa do catálogo da exposição Os universalistas, 50 anos de arquitectura portuguesa, evento que a Delegação da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris organizou nessa cidade, no âmbito do seu 50º aniversário, em co-produção com a Cité de l’architecture et du patrimoine. O evento é agora apresentado, em 2018, em Portugal, na Casa da Arquitectura, em Matosinhos.

Para facilitar a leitura, dividimos o texto em duas partes. A segunda parte pode ser acessada nesse link.

Exposição “Os universalistas – 50 anos de arquitectura portuguesa”, na Casa da Arquitectura, 2018. Image © Nuno Grande
Exposição “Os universalistas – 50 anos de arquitectura portuguesa”, na Casa da Arquitectura, 2018. Image © Nuno Grande

O catálogo e a exposição estabelecem um olhar sobre meio-século de pensamento e de produção arquitetónicas, dando a conhecer, a um público alargado, o modo como a arquitetura portuguesa foi sendo marcada, ou foi ela própria marcando o contexto cultural e social do seu país, considerando ainda a sua inserção nas diversas dinâmicas mundiais ocorridas ao longo das últimas décadas.

A nossa seleção de autores e projetos defende um ponto de vista: o de que existe um “universalismo” peculiar e latente no modo como os melhores arquitetos portugueses foram criando as suas obras, de geração-em-geração, num assertivo balanço entre o legado universal da História da Arquitetura e as condicionantes geográficas e culturais dos lugares onde se propuseram edifica-las; isto é, exercitando uma fusão coerente e crítica entre o que hoje chamamos de “global” e de “local”.

Esse “universalismo-outro” - distinto daquele que se impôs, filosófica e politicamente, no Iluminismo centro-europeu, a partir dos finais do século XVIII - é também o resultado de um contínuo contacto com as geografias e as culturas do “outro”, com base em processos como a viagem, a colonização, a diáspora ou a emigração, fenómenos marcantes do percurso histórico português. A maior distinção residirá no facto desse “alteridade” portuguesa se ter processado, ao longo do tempo, “de baixo-para-cima”, na perspetiva da simbiose cultural, enquanto o Universalismo das Luzes se difundiu, dominantemente, “de cima-para-baixo”, a partir de um modelo erudito, uno e irrefutável de sociedade e de urbanidade. Nesse sentido, o universalismo português define-se historicamente “por defeito”, como bem lembra o filósofo Eduardo Lourenço na entrevista filmada que inicia a exposição.

A obra de Eduardo Lourenço como fio condutor

O título “Os universalistas” evoca também a frase preambular deste texto, escrita por Miguel Torga na sua obra Diário XV (1987)[1], e que exprime o modo como a cultura portuguesa sempre soube encarar o “universal” a partir de um “local” de enraizamento, embora em diálogo com o mundo; isto é, a partir de um “local sem paredes”, como descreve o autor, utilizando uma metáfora poética, de clara conotação espacial ou de inusitada inspiração arquitetónica.

João Abel Manta, Salazar através dos tempos (nº3), 1978. Image © Museu da Cidade de Lisboa
João Abel Manta, Salazar através dos tempos (nº3), 1978. Image © Museu da Cidade de Lisboa

Se o mote nos é sugerido por Torga, a estrutura da exposição segue o entendimento desse seu atento e fiel leitor – Eduardo Lourenço –, ensaísta e pensador do Portugal contemporâneo, radicado em França durante cinco décadas. Na sua extensa obra publicada, Lourenço percorre um conjunto de temas que nos ajudam a balizar arcos temporais e conceptuais do universalismo português, e que situamos no campo específico da cultura arquitetónica. Esses sucessivos períodos enquadram o pensamento e a prática de inúmeros arquitetos, em face das circunstâncias culturais e sociais que, dentro e fora de Portugal, deram contexto e sentido à sua obra. O seu universalismo arquitetónico é aqui colocado em confronto ou em diálogo: com a influência do internacionalismo Moderno, mas também do nacionalismo, na derradeira fase da ditadura portuguesa (1960-1974); com a década final do colonialismo português (1971-1975); com a Revolução dos Cravos (1974-1979); com o processo de integração de Portugal na Comunidade Europeia (1980-2000); e com o impacto da globalização (2001-2016).

Pretendeu-se, em síntese, evidenciar o modo como a cultura arquitetónica portuguesa se inscreve nessa condição histórica, simultaneamente “heteronímica” (ser eu e o outro) e “heterodoxa” (ser daqui e do mundo), algo que foi já identificado por diversos ensaístas na obra de outros criadores portugueses, noutras áreas disciplinares - da literatura às artes plásticas ou ao cinema contemporâneo -, e que atingem hoje um estatuto universal.

De algum modo, essa indagação estava, até agora, por aprofundar no campo da arquitetura, e é nesse sentido que esta exposição abarca um espectro temporal e inter-geracional que percorre cerca de meio-século; isto é, entre os arquitetos que aprofundaram a revisão crítica do Movimento Moderno, na década de 1960, e aqueles que, nascendo nesse período, prosseguem hoje um trabalho comprometido e amadurecido por um mesmo exercício crítico em face da globalização. Isto explicará a ausência de arquitetos mais jovens na nossa seleção, estando nós mais interessados em perceber a continuidade dos métodos, do que em fazer “futurologias” sobre novas promessas ou ruturas processuais.

Neste caminho, contamos com a companhia dos acutilantes cartoons de João Abel Manta e das expressivas fotografias de Alfredo Cunha - também eles cronistas ímpares do Portugal dos últimos 50 anos -, das ideias trocadas com Eduardo Souto de Moura, patrono científico deste evento, e dos lúcidos textos dos críticos convidados para escrever no catálogo: os portugueses Ana Tostões, Ana Vaz Milheiro, José António Bandeirinha, Jorge Figueira e Ricardo Carvalho; e os franceses Dominique Machabert, Francis Rambert, Jacques Lucan e Jean-Louis Cohen.

Ser universalista face ao (inter)nacionalismo

A viagem temporal desta edição inicia-se na década de 1960, em torno da geração de Fernando Távora e de Nuno Teotónio Pereira, sem esquecer os contributos de arquitetos com formações anteriores, como Francisco Keil do Amaral, Raul Chorão Ramalho, Alberto Pessoa e Ruy d’Athouguia, autores de obras marcantes nesse período, dentro e fora de Portugal. No entanto, será sobretudo em torno de Távora e de Teotónio Pereira que se estabelecem os mais consequentes métodos críticos e reflexivos da disciplina da arquitetura, transmitidos às gerações seguintes, a partir dos seus ateliês, respetivamente no Porto e em Lisboa. As suas práticas - entre a arquitetura, a pedagogia, e o empenho cívico em prol de uma arquitetura socialmente comprometida -, desenvolvem-se num país marcado por uma ditadura política e por um “nacionalismo orgânico” tal como lhe chamou Eduardo Lourenço no seu texto Psicanálise mítica do destino português[2], cujos excertos publicamos na exposição. Contrariando esse nacionalismo provinciano, Fernando Távora deixou num texto seu - embora pensando em Fernando Pessoa, que tanto admirava -, um olhar sobre a condição heteronímica do arquiteto português:

Ruy Jervis d'Athouguia, Alberto Pessoa, Pedro Cid. Sede e Museu da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1959-1969 . Image © Arquivo da Fundação Calouste Gulbenkian/Mário de Oliveira
Ruy Jervis d'Athouguia, Alberto Pessoa, Pedro Cid. Sede e Museu da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1959-1969 . Image © Arquivo da Fundação Calouste Gulbenkian/Mário de Oliveira

Cremos que o pensamento da arquitectura contemporânea portuguesa, nos seus sectores mais representativos, não esquece, antes pratica, a nossa tradição, não impositiva mas simpatizante e compreensiva, de consideração dos homens e dos seus lugares, garantindo, aos seus edifícios e espaços, a identidade e a variedade, como que num fenómeno de heteronímia, no qual o autor se desmultiplica, não por incapacidade conceptual ou outra, mas pelo princípio do respeito, quando merecido, que a outros somos devedores. Tal modo de estar presente no mundo, não resulta em verdade da fraqueza do criador perante o outro, o seu lugar e o seu tempo, mas exactamente da consideração criativa da sua substância e da sua circunstância.[3]

Nuno Teotónio Pereira, João Braula Reis. Edifício Franjinhas, Lisboa, 1965-1969 . Image © Fernando Guerra
Nuno Teotónio Pereira, João Braula Reis. Edifício Franjinhas, Lisboa, 1965-1969 . Image © Fernando Guerra

Iniciando, em 1947, um debate sobre a questão da Casa Portuguesa, e envolvendo-se, a partir de 1955, numa das equipas que realizaram o Inquérito à Arquitetura Popular em Portugal - obra publicada em 1961 -, Távora desenvolve, ao longo das décadas seguintes, uma contenda pessoal na defesa da diversidade da arquitetura portuguesa, denunciando a incoerência dos seguidismos estilísticos nacionalistas, e, no mesmo sentido, das adoções acríticas dos códigos formais difundidos pelo internacionalismo Moderno. Este será um dos contributos centrais de Távora e de Teotónio Pereira para a história da arquitetura em Portugal: fomentar - construindo obras notáveis, escrevendo textos didáticos, ensinado dentro e fora do ateliê -, um verdadeiro processo de revisão crítica desses dogmas que provinham, simultaneamente, “de dentro” e “de fora” da sua cultura.

Notas
[1] TORGA, Miguel, «Diário XV», in Miguel Torga, Diários Vol. XIII a XVI. Lisboa: Editorial Caminho, 1995, p.204
[2] LOURENÇO, Eduardo, « Psychanalyse mythique du destin portugais », in Le labyrinthe de la Saudade. Paris: Édition Sagres-Europa, 1988, pp.17-64
[3] TÁVORA, Fernando, «Imigração/Emigração. Cultura Portuguesa no Mundo», in Portugal. Arquitectura do Século XX (org. Annette Becker, Ana Tostões, Wilfried Wang). Lisboa, München, Frankfurt-am-Main: Prestel, Deutches Architektur-Museum, 1998, pp.141-143

Sobre este autor
Nuno Grande
Autor
Cita: Nuno Grande. "Os universalistas, 50 anos de arquitectura portuguesa (Parte 1)" 11 Abr 2018. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/892363/os-universalistas-50-anos-de-arquitectura-portuguesa-parte-1> ISSN 0719-8906