O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Eventos
  3. Exposições sobre Ernesto de Sousa e a crise financeira de 1970 inauguram a programação do MAAT de 2018

Exposições sobre Ernesto de Sousa e a crise financeira de 1970 inauguram a programação do MAAT de 2018

  • 16:00 - 23 Março, 2018
Exposições sobre Ernesto de Sousa e a crise financeira de 1970 inauguram a programação do MAAT de 2018
Exposições sobre Ernesto de Sousa e a crise financeira de 1970 inauguram a programação do MAAT de 2018, Exposição "Supergood – Diálogos com Ernesto de Sousa". Image © Bruno Lopes
Exposição "Supergood – Diálogos com Ernesto de Sousa". Image © Bruno Lopes

MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia de Lisboa inaugura sua programação de 2018 com duas exposições, Supergood – Diálogos com Ernesto de Sousa  Bem-Vindos à Cidade do Medo, que tratam respectivamente da obra de Ernesto de Sousa e a crise financeira que afetou Nova Iorque nos anos 1970. 

Saiba mais sobre as exposições, a seguir:

Repensar a obra de Ernesto de Sousa

Exposição "Supergood – Diálogos com Ernesto de Sousa". Image © Bruno Lopes
Exposição "Supergood – Diálogos com Ernesto de Sousa". Image © Bruno Lopes

A exposição Supergood – Diálogos com Ernesto de Sousa foi pensada a partir da obra de Ernesto de Sousa, “o detonador”, nas palavras de Álvaro Lapa, e uma figura fundamental da vanguarda portuguesa do século XX. A exposição promove uma revisão e atualização da obra de Ernesto de Sousa, colocando, lado a lado, artistas de diferentes gerações e nacionalidades, que exploram as dimensões política, cultural e ideológica que marcaram a atuação de Ernesto de Sousa ao longo de mais de duas décadas. Desta forma, o legado artístico e conceptual de Ernesto de Sousa é convertido num campo vasto de experimentação e no ponto de partida para uma reflexão em torno das práticas artísticas atuais. Ao lado de trabalhos já existente.

Com curadoria do artista Hugo Canoilas, esta exposição coloca em diálogo os artistas Melanie Bonajo, Rita Sobral Campos, Vasco Costa, Simon Dybbroe Møller, Supergood e Jannis Varelas. Cada artista ficou associado a uma obra específica do legado de Ernesto de Sousa: o texto "Artes gráficas- veículo de intimidade" serviu de ponto de partida para o convite aos Supergood; “O teu corpo é o meu corpo”, uma série de ações, performances e exposições com participação de Simon Dybbroe Møller; o filme "Dom Roberto" indicou o trabalho de Melanie Bonajo; a operação "Encontro no Guincho" remete para Jannis Varelas; o texto a "Oralidade, futuro da arte?" foi proposta a Rita Sobral Campos; e a exposição "Barristas e imaginários: quatro artistas populares do Norte" apresentado a Vasco Costa.

Exposição "Supergood – Diálogos com Ernesto de Sousa". Image © Bruno Lopes
Exposição "Supergood – Diálogos com Ernesto de Sousa". Image © Bruno Lopes

O trabalho realizado passou por pensar estas obras, textos ou exposições, que estão associados a um contexto artístico, histórico e político que marcou a atuação de Ernesto de Sousa. Para além de prestar homenagem a esta figura emblemática, a exposição cria uma ponte entre a obra de artistas contemporâneos e este legado.

O medo por João Fonte Santa

Exposição "Bem-Vindos à Cidade do Medo". Image © Paulo Alexandre Coelho
Exposição "Bem-Vindos à Cidade do Medo". Image © Paulo Alexandre Coelho

Na exposição Bem-Vindos à Cidade do Medo, João Fonte Santa parte de uma reflexão sobre a crise financeira que afetou Nova Iorque nos anos 70, para analisar o estado do mundo, expressando uma observação lúdica e crítica sobre a atualidade social, política e cultural.

Com curadoria de Sandra Vieira Jürgens, Fonte Santa apresenta um conjunto de obras de pintura, desenho e vídeo de produção recente, onde trabalha sobre o significado político e filosófico do medo, os processos de desterritorialização da guerra, os conflitos e a instabilidade permanentes, bem como a contínua vigilância e controlo que marcam a nossa contemporaneidade. No seu trabalho, aborda também as causas da desestabilização que define o nosso tempo: a política internacional, muito marcada pela eleição de Donald Trump, o projeto e a visão neoliberais do mundo, a economia do medo, as vagas de crise e de estados de choque coletivo, provocadas por guerras, ataques terroristas, colapsos financeiros, catástrofes naturais e industriais. Mas, sem dúvida, que o Medo é um dos temas centrais da exposição e a forma como este se apoderou da sociedade contemporânea: “O medo é um estado de insegurança permanente que é criado artificialmente através de uma campanha do poder político com a cumplicidade dos órgãos de informação que tira diretos de cidadania e de representação aos cidadãos” explica o artista.

Exposição "Bem-Vindos à Cidade do Medo". Image © Paulo Alexandre Coelho
Exposição "Bem-Vindos à Cidade do Medo". Image © Paulo Alexandre Coelho

Nos novos trabalhos que apresenta  - na continuidade do livro de autor O Colapso da Civilização publicado em 2016 - convocam-se relações de associação entre imagens de jornais, da televisão e da Internet com os campos da cultura popular, seja com a música pop marginal ou com o cinema série B, mas também com narrativas e atmosferas estéticas inspiradas na literatura do século XIX ou no pensamento e ação de filósofos — como Gramsci, Adorno, Chomsky e Naomi Klein —, autores que convocam desafios sempre presentes na construção de um outro futuro.

Saiba mais sobre a programação do MAAT aqui

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Romullo Baratto
Autor
Cita: "Exposições sobre Ernesto de Sousa e a crise financeira de 1970 inauguram a programação do MAAT de 2018" 23 Mar 2018. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/891136/exposicoes-sobre-ernesto-de-sousa-e-a-crise-financeira-de-1970-inauguram-a-programacao-do-maat-de-2018> ISSN 0719-8906