O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias de Arquitetura
  3. 15 Instalações imperdíveis na Bienal de Arquitetura de Chicago 2017

15 Instalações imperdíveis na Bienal de Arquitetura de Chicago 2017

15 Instalações imperdíveis na Bienal de Arquitetura de Chicago 2017
Este artigo de Chicago Architecture Biennial 2017 es apresentado por:

Com a Bienal de Arquitetura de Chicago de 2017 a todo vapor e aberta ao público até 7 de janeiro de 2018, exploramos as galerias, corredores e salões do Chicago Cultural Center para apresentar as nossas quinze instalações preferidas. Documentada pelas lentes de Laurian Ghinitoiu e montada por nossa equipe editorial do local, esta seleção pretende lançar luz sobre a amplitude, o alcance e as preocupações abordadas em Make New History - o maior evento de arquitetura na América do Norte.

© Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu + 45

Você pode seguir nossa cobertura da Bienal de Arquitetura de Chicago de 2017, aqui.

Metropolitana / Piovene Fabi com Giovanna Silva

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Durante os anos 1950 e 60, Piovene Fabi e Giovanna Silva afirmam que, na Itália, "tudo era possível. [...] O futuro estava lá". A cena permitiu que a vanguarda cultural do momento conseguisse desenvolver trabalhos em parceria com grandes instituições e empresas e, em troca, "definir um novo manifesto de modernidade". Inspirado por um dos principais projetos de infraestrutura da época, o Metrô de Milão, os arquitetos desenvolveram uma coleção de móveis que extraíram a cor, o estilo e a simbologia do metrô em uma série de elementos independentes recompostos.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Point Supreme

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Para o escritório com sede em Atenas, o Point Supreme, liderado por Konstantinos Pantazis e Marianna Rentzou, o foco está nos materiais e na materialidade. Três totens, descritos pelos arquitetos como "listas verticais de coisas", são declarações sobre a acumulação e a coleta. Os materiais que os compõem variam de naturais e artesanais, novos e recuperados, projetados ou acidentais, e inteiros ou modulares. O resultado são três aglomerações de elementos que "correspondem a partes precisas do mundo", neste caso, uma "representação alternativa da casa".

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

O Edifício Art Déco / WORKac com fotografias de James Ewing

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Na instalação de WORKac, de Nova Iorque, projetada por Amale Andraos e Dan Wood, o Líbano (e Beirute, em particular) ocupa o lugar de destaque. "A preservação histórica costuma ser apoiada em álibis aparentemente benignos, como a preservação da identidade, do patrimônio ou da especificidade cultural", afirmam. Após a guerra civil de quinze anos no Líbano, essa realidade se tornou evidente. A instalação, focada em uma casa de estilo art déco dos anos 1930, "reflete sobre os potenciais e as armadilhas da preservação histórica".

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Construções e Referências / Caruso St. John comThomas Demand e Hélène Binet

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

As três Galerias de Chicago no segundo andar do Centro Cultural são grandes espaços cúbicos, e o mais dramático deles foi equipado pelo escritório britânico-suíço Caruso St. John, em colaboração com os fotógrafos reconhecidos internacionalmente Thomas Demand e Hélène Binet. Cinco grandes modelos representam projetos concluídos e em construção pelo escritório, reunidos e "retirados de seus contextos, removidos do lugar e da política". O espaço em torno dos modelos, que eles descrevem como um "palco", é circundado por uma "cortina" alta, que é, na verdade, um papel de parede concebido por Demand. As mudanças entre os dois modos de representação - modelo e fotografia, e duas e três dimensões - destacam habilmente o espaço entre eles.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Conexões Materiais: Teatro dos Escritores / Studio Gang

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

O escritório com sede em Chicago, o Studio Gang, liderado por Jeanne Gang, desenvolveu um conjunto forte de obras públicas nas quais o ato de compreender, expor e instigar a comunidade geralmente são centrais. Nas Chicago Galleries do Centro Cultural, eles instalaram um corte da estrutura de seu Teatro dos Escritores em Glencoe, Illinois - um elemento de madeira que não só é belamente trabalhado, mas que permite que o Teatro seja aberto a um parque adjacente, estendendo a energia de suas atividades sociais e culturais a um domínio público mais amplo.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Formato Finito 04 / Pezo von Ellrichshausen

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Visto de longe, o trabalho de Pezo von Ellrichshausen aparece como uma evolução de múltiplos. Estruturas, ambientes e aberturas permanecem constantes em seu trabalho, e diferentes configurações tornaram-se a espinha dorsal de sua empresa.(Este tema foi apresentado recentemente em Veneza.) Aqui, o escritório chileno utiliza a parede final das Chicago Galleries - embora também envolva uma segunda superfície - para exibir uma apresentação iterativa de 729 aquarelas: dramática, perspicaz e silenciosamente espetacular.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Estacionamento & Mais / HHF Architects

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Localizado no piso térreo do Centro Cultural de Chicago, a instalação da HHF, da Basileia, é uma homenagem e uma investigação sobre a garagem. Citando a crítica de Bernard Rudofsky de 1964 sobre o "foco limitado da história da arquitetura", que "suprime o não-representativo", a HHF apresenta sua proposta para Dreispitz - uma área de logística de 50 hectares ao sul de sua cidade natal: "uma estrutura aberta para um futuro aberto". Ao trazer a infraestrutura histórica anônima da área em seu projeto, eles estão tentando sugerir uma maneira totalmente nova de se aproximar dos ambientes construídos existentes.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

A Capela / junya ishigami+associates

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Um dos poucos modelos selecionados para serem expostos sozinhos na Bienal, e mantendo uma característica escultórica e minimalista, a proposta de Ishigami para uma capela usa um conceito que parece simples para criar um espaço arquitetônico dramático. Com a forma de um vale localizado na província chinesa de Shangdong, duas paredes brancas de 45 metros de altura delimitam um espaço estreito e elevado, que ampliam as características naturais do vale. Em uma extremidade, as duas paredes altas se conectam para limitar o espaço da capela;à distância, a capela aparece como uma peça dramática na paisagem, uma nova e artificial "montanha esbelta" que descansa no centro de um vale natural. Apresentado totalmente em branco e acima do nível dos olhos, é transmitido um senso muito real das linhas dramáticas de raciocínio por trás do projeto ousado deste espaço sagrado.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Faça Grandes Planos / MONADNOCK

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Daniel Burnham, o influente arquiteto de Chicago que dirigiu a Exposição Colombiana de Chicago de 1893, disse em 1907: "Não faça planos pequenos; eles não têm força para mexer com o sangue dos homens e provavelmente não serão realizados". Burnham complementa: "Faça grandes planos". É com este mantra que o escritório com sede em Roterdã, Monadnock, caracterizou o estilo Hollywood em um andaime cor-de-rosa no quarto andar do Centro Cultural de Chicago. Fazendo referência a sua instalação Não Faça Planos Pequenos na Holanda, Monadnock "volta pra casa" com este projeto. O nome do escritório é sinônimo do edifício Monadnock de Burnham e Root, o prédio de paredes de tijolos autoportantes mais alto já construído, e o próprio tijolo é um dos materiais favoritos da Monadnock em seus projetos (ver Landmark Nieuw Bergen).

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Super Modelos / Sylvia Lavin com Erin Besler, Jessica Colangelo e Norman Kelly

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Localizado no quarto andar do Centro Cultural, Super Modelos — apresentado em paralelo à Exhibition Models, que atualmente está em exibição na Escola de Arquitetura da Universidade de Princeton — apresenta doze modelos de réplicas selecionados pelo Deutsche Architekturmuseum (DAM) na década de 1980. Abrigado em uma estrutura (também uma réplica) projetada por O. M. Ungers, a instalação busca expor e investigar a "suposição de que os museus apenas mostram, intencionalmente, obras de arte originais"; na verdade, de acordo com os participantes, "pedidos de modelos para replicar edifícios tem sido, há muito tempo, parte da cultura das exposições de arquitetura".

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

(Estudo para) Capela para as Cenas da Vida Pública – A Reunião de Enrico Mattei e a Rainha de Sheba / baukuh e Stefano Graziani

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Apesar de seu título comparativamente inacessível, A Capela Para Cenas da Vida Pública, concebida pelo escritório milanês Baukuh e o fotógrafo Stefano Graziani, representa uma interessante exploração do que "público" significa para arquitetos e para a arquitetura. Projetado para acomodar um evento festivo imaginário - o encontro de Enrico Mattei (um político e empresário italiano falecido) e a Rainha de Sheba - e inspirado por várias referências culturais, incluindo a de Piero della Francesca, o revestimento interno da estrutura de madeira apresenta um ciclo de desenhos que falam e fazem referência a um evento que nunca ocorreu.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Cinco Salas / Paul Andersen e Paul Preissner

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Uma ambição chave por trás desta iteração da Bienal de Arquitetura de Chicago tem sido a ocupação dos espaços de circulação do Centro Cultural. Cinco Salas forja uma sequência de galerias em um corredor que é, nas palavras de Andersen e Preissner, "muito largo para ser um corredor e muito estreito para exibir exposições confortavelmente". Cinco paredes profundas e pesadas revestidas de peças de vidro constituem um movimento material e estão tão à vontade na cidade dos ventos fortes quanto em relação às peças expostas - uma série de peças excepcionais dos fotógrafos David Shalliol e Scott Fortino. Esses totens monumentais representam uma tentativa muito inteligente de interagir com o espaço cívico e municipal que a Bienal ocupa.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Canônico Tropical: A Ordem da Ambiguidade / AGENdA - agencia de arquitectura

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Da mesma forma que Cinco Salas realizou a ambição de habitar os espaços de circulação do Centro Cultural, o Canônico Tropical desempenha um papel semelhante e com sucesso espacial similar. A AGENdA, com sede em Medellín, argumenta que a Colômbia "está presa em uma definição limitada de sua história arquitetônica e uma ideia muito incompleta de sua identidade", tornando difícil para os profissionais se posicionarem. Em resposta, eles propuseram uma maneira alternativa de olhar e pensar sobre a história; para vê-la menos como uma narrativa coerente e linear e mais como "uma adaptação sistemática de cânones, processos ou materiais". A sua parede de tecido, ou cortina, é uma versão "distorcida, modificada e adaptada" de um sistema de fachada em vidro. A "bela contradição" está em sua "lógica invertida", argumentam.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Cosmic Latte: Manifesto Bege / J. MAYER H. und Partner Architekten e Philip Ursprung

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

"O universo é bege", explicam os criadores de "Cosmic Latte". A instalação, que recebeu o nome da cor do universo (conforme prescrito por astrônomos), explora as raízes, os significados e a expressão "ser bege". Esta é uma cor "moderada e popular"? Ou é a cor da violência - a tonalidade dos escombros empoeirados deixados pela violência e pela guerra? E se vemos o bege como entediante, J. MAYER H. und Partner Architekten e Philip Ursprung (Diretor do Departamento de História da Arte e da Arquitetura na ETH Zurique) nos convidam a considerar como essa cor está assumindo um significado arquitetônico global mais amplo.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Histórias Pessoais / 51N4E

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

O escritório com sede em Bruxelas, 51N41, liderado por Johan Anrys e Freek Persyn, tenta revelar a arquitetura como um processo transformador que "gera uma ficção produtiva". Localizado no Dance Studio - uma sala escura no piso térreo do Centro Cultural de Chicago - a instalação é composta por filmes de artistas contemporâneos e uma constelação de objetos simbólicos relativos a dois projetos de diferentes escalas, a maior parte sendo o Skanderbeg Square (Tirana, 2012). Travel, de David Clauerbout, é um interessante audiovisual sobre encontros próximos com caminhos em ambientes naturais e de floresta artificial, sugerindo que nossa compreensão coletiva do que constitui o ambiente construído é mais abrangente do que imaginamos.

Curators Johnston Marklee Introduce the 2017 Chicago Architecture Biennial, "Make New History"

As the 2017 Chicago Architecture Biennial prepares to open its doors, curators Sharon Johnston and Mark Lee ( Johnston Marklee) introduce Make New History - the theme of the second edition of North America's largest architecture and design exhibition. Understanding the trace of history is more important than ever.

In "Vertical City," 16 Contemporary Architects Reinterpret the Tribune Tower at 2017 Chicago Architecture Biennial

In a large-scale, central installation at the 2017 Chicago Architecture Biennial, the likes of 6a architects, Barozzi Veiga, Kéré Architecture, MOS, OFFICE KGDVS, and Sergison Bates-among others-have designed and constructed sixteen five meter-tall contemporary iterations of the renowned 1922 Chicago Tribune Tower design contest. + 55 Located in the Sidney R.

Sobre este autor
Cita: AD Editorial Team. "15 Instalações imperdíveis na Bienal de Arquitetura de Chicago 2017" [15 Must-See Installations at the 2017 Chicago Architecture Biennial] 05 Out 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Moreira Cavalcante, Lis) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/880772/15-instalacoes-imperdiveis-na-bienal-de-arquitetura-de-chicago-2017> ISSN 0719-8906
Ler comentários

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.