Ampliar imagem | Tamanho original
Este artigo foi originalmente publicado pela Common Edge como "It’s a Book. It’s a Building. It’s a Behavioral Intervention!" Alguns anos atrás, ao visitar, ou melhor, explorar a Notre-Dame, o autor deste livro encontrou em um canto escuro de uma das torres, esta palavra esculpida na parede: 'ANÁΓKH Estes caracteres gregos, escurecidos pelo tempo, e esculpidos profundamente na pedra com as peculiaridades de forma e arranjo comuns à caligrafia gótica realizada manualmente durante a Idade Média, sobretudo, o triste significado desta palavra foi o que mais impressionou o autor. A palavra esculpida na parede significa "destino". Assim começa o trágico romance de Victor Hugo, Notre-Dame de Paris, publicado em 1831. Muitos consideram a história como uma advertência contra o julgamento das pessoas por sua aparência ou status. O protagonista, Quasimodo, nascido monstruosamente deformado, foi rejeitado e entregue à igreja. O antagonista do romance, o arcebispo de Notre-Dame, Claude Frollo, atribui ao jovem menino a tarefa de sineiro. Mais tarde, o pai adotivo e também o filho se apaixonam pela mesma menina, uma fascinante dançarina de rua de dezesseis anos chamada Esmerelda. Frollo finalmente trai Esmerelda, enquanto Quasimodo tenta salvá-la. O monstro se revela um herói, mas ele chega tarde demais. Esmerelda é enforcada por um crime que não cometeu. Com raiva, Quasimodo empurra seu pai do telhado da catedral de Notre-Dame e passa o resto de seus dias escondido no cemitério onde Esmerelda está enterrada, de luto. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar