Ampliar imagem | Tamanho original
Joshua Smith, um miniaturista e artista do sul da Austrália, tem como atividade construir mundos minúsculos e intrincados. Seu trabalho, que exige uma surpreendente habilidade de observação e representação, se concentra nos "aspectos negligenciados do ambiente urbano - como a sujeira, a ferrugem e o grafite", todos recriados em uma escala de 1:20. Smith, que cria kits de miniatura há cerca de uma década, só recentemente optou por afastar-se de uma carreira artística de 16 anos de estêncil. Com seus talentos criativos agora focados apenas na criação de modelos, e todas as habilidades que acompanham este ofício, o ArchDaily pergunta: como você faz isso? AD: Conte sobre seu processo de trabalho. JS: Primeiramente, encontro o edifício que quero replicar, pessoalmente ou usando o Google Street View. A partir daí eu começo a reverter a construção do edifício e dividi-lo em componentes (ou seja, as portas, janelas, rua, caixas elétricas e assim por diante). Em seguida, começo a pensar em que materiais vou usar para criar cada elemento a partir do zero. Papelão ondulado, por exemplo, para portas de rolos; MDF para a base do edifício. Assim que tenho a base construída, passo uma camada de tinta e começo a fazer uma pátina para simular a ação do tempo usando pincéis e giz pastel. É durante esta fase que o edifício começa a parecer real e daí começo a acrescentar a fiação elétrica para iluminação interior e exterior e, em alguns casos, iluminação ativada por sensor. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar