Ampliar imagem | Tamanho original
Este artigo escrito por Kjetil Trædal Thorsen, cofundador do Snøhetta, foi originalmente publicado pela Metropolis Magazine como "Opinion: The Next Great Public Spaces Will Be Indoors." Talvez com a única exceção das estações ferroviárias, o espaço público é geralmente entendido como espaço ao ar livre. Se nos Estados Unidos ou na Europa, especialmente agora com maior preocupação em relação à segurança, parece haver este modo determinado de privatizar tudo o que está dentro de casa, mesmo apesar de estarmos cada vez mais querendo melhorar o acesso ao espaço público ao ar livre. Mas nos sistemas em camadas de nossas cidades do futuro, precisamos nos concentrar nos espaços públicos encontrados dentro dos edifícios - tornando-os acessíveis. Em 1748, Giambattista Nolli fez este maravilhoso mapa de Roma, onde só fez duas distinções - o que era privado e o que era público. Se era interior ou exterior, se havia um espaço da igreja ou uma praça, não importava realmente. O mapa contava uma história diferente da cidade. Existem alguns exemplos hoje - a cobertura de nossa Ópera de Oslo é espaço externo, por exemplo, mas se localiza no edifício e está acessível ao público. Abrir o Louvre e deixar as pessoas acessarem ele 24 horas por dia - como na recente ocupação do museu pelo artista JR - é outra maneira de não distinguir entre o espaço público interno e externo. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar