Ampliar imagem | Tamanho original
Este projeto é uma obra para as instalações comerciais de um grupo de investidores que utilizou técnicas de construção ecológicas e tecnologias de energia limpa (CChange). O desenho surge da nossa escultura 'A sombra de Ledoux' (1993) e da Galerie Miran (2003), em que propomos a construção de todos os elementos interiores com tábuas de abeto oriundas de cultivos sustentáveis e utilizando máquinas de comando numérico: a fim de priorizar recursos de carbono renováveis.  O projeto compreende essencialmente duas plantas - o térreo e a cobertura, os quais se articulam como superfícies contínuas por meio da sua função. A curvatura expressa tanto a gênesis digital quanto a lógica de fabricação sem costuras, com o arquiteto proporcionando arquivos mecanizados reais para o fabricante. Na medida do possível, o ethos era substituir componentes industriais típicos (como grades, maçanetas, etc.) por objetos elaborados em madeira, oferecendo um protocolo radicalmente simplificado para a entrega de um interior muito bem elaborado. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar