O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias de Arquitetura
  3. As cidades mais poluídas do mundo segundo a OMS (2014)

As cidades mais poluídas do mundo segundo a OMS (2014)

As cidades mais poluídas do mundo segundo a OMS (2014)
As cidades mais poluídas do mundo segundo a OMS (2014), Nova Déli, Índia © jepoirrier in Flickr. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>
Nova Déli, Índia © jepoirrier in Flickr. Used under Creative Commons

A contaminação atmosférica de 1.600 cidades de 91 países, entre 2008 e 2013, foi analisada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que tinha como meta estabelecer quais são as cidades mais contaminadas do mundo.

No informativo, as 10 cidades mais contaminadas foram determinadas de acordo com os níveis de Material Particulado 2,5, o mais perigoso para a saúde humana devido ao seu pequeno tamanho que permite com que ele penetre mais facilmente no organismo, provocando doenças respiratórias e cardíacas. Os resultados mostraram que dentre as 10 cidades com maiores níveis de MP 2,5, 6 são indianas.

De acordo com os resultados, a OMS calculou que a contaminação ambiental foi a causa da morte de 3,7 milhões de pessoas com menos de 60 anos em 2012 e que somente 12% da população mundial que vive nas cidades respira ar puro.

As cidades mais contaminadas do mundo (em relação à quantidade de MP 2,5 no ar)

A presença das seis cidades indianas entre as 10 mais contaminadas se explicaria, segundo o Centro para as Ciências e o Meio Ambiente do país, pela alta dependência do automóvel e o uso de carvão. Esse fato é diferente do que se poderia pensar das cidades chinesas, já que das 11 cidades analisadas, nenhuma obteve os níveis de contaminação “tão altos” para estar entre as 10 mais contaminadas.

1. Nova Déli, Índia

Nova Déli, Índia.© jepoirrier, Flickr. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>
Nova Déli, Índia.© jepoirrier, Flickr. Used under Creative Commons

De acordo com os padrões da OMS, as partículas de 2,5 deveriam ter uma presença limitada de 25 microgramas. Porém, na capital indiana esse nível foi bastante ultrapassado, atingindo 153 microgramas de partículas por metros cúbicos de ar.

2. Patna, Índia

Patna, Índia © andryn2006 via Flickr. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>
Patna, Índia © andryn2006 via Flickr. Used under Creative Commons

Essa cidade se dedicou, tradicionalmente, à plantação de cereais, porém, desde o final dos anos 90 passou por um acelerado processo de industrialização. Produto disso, o rio Ganges está mais contaminado do que nunca, recebendo dejetos industriais diretamente em suas águas, e as ruas cada vez mais cheias de automóveis, fatores que levaram à marca de 149 microgramas de MP 2,5 por m³ de ar.

3. Gwalior, Índia

Gwalior, Índia © stewartmorris via Flickr. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>
Gwalior, Índia © stewartmorris via Flickr. Used under Creative Commons

Essa cidade, com 144 microgramas de MP 2,5 por metro cubico do ar, supera em quase seis vezes o limite máximo permitido. Essa situação pode ser explicada pela alta dependência dos automóveis, os combustíveis fosseis e o uso ineficiente da energia nas edificações.

4. Raipur, Índia

Raipur, Índia.
Raipur, Índia.

A quarta cidade da lista também é indiana e alcançou 134 microgramas de MP 2,5 por m³ de ar entre 2008 e 2013.

Há algum tempo, o pesquisador ambiental da Universidade de Ravi, Sham Pervez, investigou a origem da contaminação dessa cidade e obteve os seguintes resultados: as indústrias geram entre 27% e 30% das emissões contaminantes, enquanto que o tráfego produz entre 41% e 45% e a construção civil, por fim, produz 5%. A esses números, é necessário acrescentar 8% proveniente dos solos, devido à localização subtropical da cidade.

5. Karachi, Paquistão

Karachi, Paquistão. © bennylin0724 via Flickr. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>
Karachi, Paquistão. © bennylin0724 via Flickr. Used under Creative Commons

A ausência de um sistema de transporte público eficiente faz com que parte da população recorra aos automóveis particulares. Assim, essa é uma das principais causas que contribuíram para que a cidade produzisse anualmente 117 microgramas de MP 2,5 por metro cubico de ar.

6. Peshawar, Paquistão

Peshawar, Paquistão. © Wikipedia
Peshawar, Paquistão. © Wikipedia

A constante queima de materiais nas fábricas de tijolo, a contaminação dos automóveis e o lixo que se acumula nas ruas são os motivos que contribuíram para que essa cidade ocupasse o sétimo lugar das 10 mais contaminadas, atingindo a cifra de 111 microgramas de MP 2,5 por metro cubico de ar.

Como consequência do alto trafego nas ruas, a contaminação acústica é outro fator que incide na saúde da população. Além disso, a contaminação da agua torna seu consumo impróprio.

7. Rawalpindi, Paquistão

Rawalpindi, Paquistão. © Travlr via Flickr. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>
Rawalpindi, Paquistão. © Travlr via Flickr. Used under Creative Commons

Segundo as medições da OMS, a antiga capital do Paquistão a cada ano produziu 107 microgramas de MP 2,5 por m³ de ar, gerados, em sua maioria, pelas fabricas instaladas na região - uma siderúrgica e uma refinaria de petróleo, que fazem dessa cidade um dos principais centros industriais do país.

8. Jorramabad, Irã

Jorramabad, Irã. © ninara, via Flickr. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>
Jorramabad, Irã. © ninara, via Flickr. Used under Creative Commons

A queima das pastagens nas áreas rurais próximas a cidade e a contaminação produzida pelos automóveis são as principais causas de emissões que fizeram com que entre 2008 e 2013 fossem gerados em média 102 microgramas de MP 2,5 por m³ anualmente.

9. Ahmedabad, Índia

Ahmedabad, Índia © -AX- via Flickr. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>
Ahmedabad, Índia © -AX- via Flickr. Used under Creative Commons

A quinta cidade mais contaminada da Índia emitiu durante cada ano entre 2008 e 2013 por volta de 100 microgramas de MP 2,5 por m³ de ar, ou seja, quatro vezes a mais do que o permitido pela OMS.

10. Lucknow, Índia

Lucknow, Índia © BOMBMAN, via Flickr. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>
Lucknow, Índia © BOMBMAN, via Flickr. Used under Creative Commons

Apesar da última cidade das mais contaminadas ser a única que está abaixo de 100 microgramas por m³ de ar, ela triplica – e quase quadruplica – o permitido pela OMS, alcançando 96 microgramas de MP 2,5 por m³.

Esse nível não somente é percebido nas áreas industriais, mas também nas residenciais, onde o uso do automóvel se faz bastante presente.

Após analisar esses índices é possível compreender porque a contaminação ambiental é a quinta maior causa de mortes na Índia.

E o MP 10?

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, o MP10 ou material particulado respirável corresponde as partículas que pelo seu tamanho – milésima parte de um milímetro – possuem maiores probabilidades de chegar até os pulmões, enquanto que as partículas de MP 2,5 afetam além do sistema respiratório o cardíaco.

Para saber quais são as cidades que estão mais expostas ao MP10, a OMS mediu os níveis registrados em 50 cidades entre 2008 e 2012. Nesse caso, os continentes se dividiram em novas regiões, dependendo se as cidades são de baixa e média renda ou alta renda.

No caso das cidades americanas de baixa e média renda, a Cidade do México é a mais contaminada, seguida pelo Rio de Janeiro, Caracas (Venezuela), Buenos Aires (Argentina) e São José (Puerto Rico).

Entre as cidades americanas de maiores rendas, Santiago liderou a lista como a mais contaminada com um nível de MP 2,5 equivalente a 26, quer dizer, com muito pouca diferença em relação ao “aceitável” pela OMS, e com um índice médio de MP10 correspondente a 69 microgramas diários de partículas em suspensão que superam o permitido fixado em 50.

No informativo, Santiago esteve seguida por Puente Alto – comuna que nesse caso foi considerada como uma cidade – e que por ano atingiu 22 microgramas de MP 2,5 por m³, enquanto que o MP 10 chegou a 59 microgramas. Nessa categoria as outras três cidades da lista são: Montevideo (Uruguay), Washington (EUA) e Vancouver (Canadá).

A partir dos resultados do estudo, é possível afirmar, em términos gerais, que as cidades menos contaminantes estão no Canadá, Estados Unidos, Finlândia, Islândia e Suécia.

A base de dados da OMS com os resultados das 1.600 cidades pode ser acessada aqui.

Via Plataforma Urbana. Tradução Camilla Ghisleni, ArchDaily Brasil.

Sobre este autor
Cita: Constanza Martínez Gaete. "As cidades mais poluídas do mundo segundo a OMS (2014)" 27 Ago 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/626054/as-cidades-mais-poluidas-do-mundo-segundo-a-oms-2014> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.