O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. O mercado imobiliário informal em Portugal / Tiago Mota Saraiva - ateliermob

O mercado imobiliário informal em Portugal / Tiago Mota Saraiva - ateliermob

O mercado imobiliário informal em Portugal / Tiago Mota Saraiva - ateliermob
O mercado imobiliário informal em Portugal  / Tiago Mota Saraiva - ateliermob, Orçamento do Estado de 2013 Fonte: CGTP – Intersindical Nacional (http://www.cgtp.pt/social/fiscalidade/6038-para-onde-vao-os-seus-impostos). Image Courtesy of ateliermob
Orçamento do Estado de 2013 Fonte: CGTP – Intersindical Nacional (http://www.cgtp.pt/social/fiscalidade/6038-para-onde-vao-os-seus-impostos). Image Courtesy of ateliermob

"Criado originalmente para o jornal Homeland - News from Portugal – representação portuguesa na 14ª Exposição Internacional de Arquitectura – La Biennale di Venezia 2014".

O mercado imobiliário do Informal

Desde a entrada da troika em Portugal, houve uma revolução na estrutura de despesa do Estado. 

Saúde e Educação deixaram de ser as maiores rubricas de gastos no Orçamento do Estado, ganhando particular relevância o pagamento da dívida, o valor gasto para salvar um banco e o pagamento das PPP's (parcerias público-privadas). Em 2013, 47,50% do Orçamento do Estado foi reservado para estas três últimas rubricas, reduzindo-se na Saúde (27,10%), na Educação (21,50%) ou na Segurança Social (19,90%). O Estado tende a desaparecer como actor de políticas públicas e sociais, assumindo-se como um cobrador de impostos para pagamento da dívida. Como se imaginará, com este cenário não há lugar para uma política nacional de habitação. 

Mas o que se passa com a iniciativa privada?
Em virtude de uma lei dos anos 60, que congelou o valor das rendas durante décadas, o mercado de arrendamento foi diminuindo até 2008. As casas para alugar eram poucas e a preços proibitivos. O grande beneficiado deste desajuste imobiliário era a banca. O crédito imobiliário foi um negócio florescente.

Com os receios decorrentes do colapso financeiro e com o desbloqueamento violento da Lei das Rendas imposto pela troika, as rendas antigas estão a sofrer aumentos abruptos. Milhares de cidadãos, e em particular os mais velhos, estão a abandonar as suas casas de sempre. 

O mercado da habitação está em agitação, ainda que não apareça nos dados oficiais, e é no informal que se sente o reflexo destas turbulências. A venda-de-chaves é prática corrente nos bairros não legalizados e, muitas vezes, a única solução com um tecto para quem perdeu a casa ou o emprego. Estas operações são marginais a todos os impostos de transação de imóvel e não requerem os certificados a que as directivas comunitárias obrigam. Basta apresentar o dinheiro para ficar com a chave da casa.

A Cova do Vapor, um bairro de génese ilegal construido à beira mar, num local edílico a 10 km de Lisboa, é um dos exemplos desta efervescência imobiliária. Com metade do bairro licenciado, são as casas sem papéis que estão disponíveis. A venda-de-chaves de uma casa com 50m2 situa-se entre os 10.000€ e os 20.000€ ao passo que as legais custarão mais de 50.000€. 

A dimensão deste mercado está por medir, mas parece claro que as políticas de austeridade que estão a ser impostas ao país estimulam o regresso ao informal. Comprar uma casa não legalizada tem riscos, mas não envolve um empréstimo, uma hipoteca, um banco e diminui, substancialmente, o valor do investimento.

Cita: Tiago Mota Saraiva. "O mercado imobiliário informal em Portugal / Tiago Mota Saraiva - ateliermob" 06 Ago 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/625188/informal-real-estate-tiago-mota-saraiva-ateliermob> ISSN 0719-8906