O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. O valor de depreciação da forma na era da fabricação digital

O valor de depreciação da forma na era da fabricação digital

O valor de depreciação da forma na era da fabricação digital
O valor de depreciação da forma na era da fabricação digital, O Pavilhão de Pesquisa CID / ITKE 2011, demonstrando um exemplo de um diagrama de Voronoi no trabalho. Imagem © CID / ITKE Universidade de Stuttgart
O Pavilhão de Pesquisa CID / ITKE 2011, demonstrando um exemplo de um diagrama de Voronoi no trabalho. Imagem © CID / ITKE Universidade de Stuttgart

Neste artigo, originalmente publicado no Australian Design Review como "Tolerance and Customisation: a Question of Value", Michael Parsons argumenta que as formas complexas possibilitadas pela fabricação digital em breve poderão ser vítimas de sua própria popularidade, perdendo seu valor intrínseco ao se tornarem mais comuns e de fácil execução.

A ideia de tolerância em arquitetura tornou-se um ponto popular de discussão devido à recente integração da fabricação digital. As melhorias nos métodos de modelagem digital estão permitindo dois avanços importantes: em primeiro lugar, a ideia de reduzir a tolerância necessária na construção a um mínimo (e, finalmente, zero) e, segundo, a customização em massa como uma realidade física. A fabricação digital fez uma abordagem ampla à tolerância de fabricação do obsoleto e agora permite, para elementos únicos, a tolerância específica para cada um. A precisão do modelo digital permite ao designer a possibilidade de criação de formas mais complexas com maior facilidade e controle. Até agora, isso tem tido grandes e distantes implicações no projeto.

Leia mais para descobrir como essa facilidade de criação pode diminuir o sucesso das formas complexas.

A 'Parede Programada' na ETH Zurique. Imagem © ETH Zurich
A 'Parede Programada' na ETH Zurique. Imagem © ETH Zurich

A Abedian School of Architecture está instalando o seu primeiro braço robótico industrial, juntando-se assim ao número crescente de escolas de arquitetura australianas que estão investindo em processos de fabricação avançados. A integração contínua de novos processos de fabricação digital, tais como, impressora 3D, CNC, corte a laser e fabricação robótica em escolas de arquitetura, oferece aos estudantes o luxo de criar desenhos usando essas ferramentas. De repente, eles têm a liberdade para explorar o design digital e concretizar fisicamente estes projetos digitais, independentemente da complexidade.

Esses processos têm diminuido a diferença entre a representação digital e o resultado físico. Agora os alunos podem trabalhar em um mundo digital de linhas e superfícies infinitamente finas e ainda são capazes de fabricar produtos físicos sem se preocupar muito com a modificação do modelo digital para explicar as restrições concretas e toleráveis.

A palavra "tolerância" é comumente venerada como um guia sempre presente ao realizar um projeto. Ela é vista como um nível aceitável de diferença entre o ideal representado e a realidade física. A realidade física de um projeto é influenciada por uma grande variedade de fatores, incluindo, e possivelmente o mais importante, o processo de fabricação utilizado, o que explica o uso contínuo de tolerâncias generalizadas. Embora os profissionais podem, por vezes, ter acesso a ferramentas de fabricação digital, nem todos os praticantes projetam especificamente com os métodos de fabricação digital em mente.

"Geometria fantasma" uma inovação em impressão 3D por alunos da SCI-Arc. Imagem
"Geometria fantasma" uma inovação em impressão 3D por alunos da SCI-Arc. Imagem

Os alunos, ao contrário, não estão restritos e, como resultado, produzem desenhos complexos para um futuro que ainda não chegou. Portanto, eu acho que é importante olhar para as implicações que a criação com tolerância zero tem sobre o futuro dos projetos. Desenhos orgânicos ou algorítmicos complexos são, sem dúvida, evocativos e cativantes, mas pode haver uma consideração ética maior a ser levada em conta.

Como a tecnologia de fabricação tende a exigir tolerância zero e desenvolver habilidades mais refinadas para a fabricação das geometrias complexas, a tolerância social para projeto complexo vai provavelmente aumentar. Como é o caso de muitas das novas tecnologias, o trabalho dos pioneiros destaca-se como vanguarda, mas mesmo tardiamente, eles estão utilizando a tecnologia, o trabalho que se produz tornou-se amplamente aceito e às vezes até mesmo uma regra. De repente, o que era uma obra única em um ano, é genérica no outro.  Com o aumento do acesso a fabricação digital, vem uma propensão para o excesso de uso ou, pelo menos, para usar esses métodos sem consideração.

Na fabricação digital, formas complexas são muitas vezes mais difíceis de produzir do que as simples: acima, um cubo torcido contra um extrudado; no meio, uma linha curva contra uma reta; a frente, exemplos de um diagrama de Voronoi. Cortesia da imagem da Australian Design Reveiw
Na fabricação digital, formas complexas são muitas vezes mais difíceis de produzir do que as simples: acima, um cubo torcido contra um extrudado; no meio, uma linha curva contra uma reta; a frente, exemplos de um diagrama de Voronoi. Cortesia da imagem da Australian Design Reveiw

Vejamos alguns exemplos. Em primeiro lugar, na computação, o uso do Diagrama de Voronoi se tornou tão comum que já não demonstra qualquer nível de habilidade, muito pelo contrário. O uso do Diagrama de Voronoi agora exige uma forte justificação racional porque seu apelo estético tornou-se desvalorizado pelo uso excessivo. Outro exemplo pode ser a comparação entre um simples cubo impresso em uma impressora 3D e um homólogo retorcido. Ambos os cubos exigem o mesmo número de camadas e tempo de impressão similar; a única diferença real é a estética.

Um terceiro exemplo pode ser o uso de um braço robótico para cortar duas linhas, uma linha reta e a outra em curvas não-uniformes. Um braço robótico não sabe a diferença entre as duas. Mais uma vez, a única diferença real é estética. No passado, havia uma diferença tanto na habilidade de fabricação quanto no design estético; agora é simplesmente uma diferença irrisória na habilidade da fabricação.

Rápido Artesanato, um projeto simulando morfologia natural, Neri Oxman. Imagem © Neri Oxman
Rápido Artesanato, um projeto simulando morfologia natural, Neri Oxman. Imagem © Neri Oxman

À medida em que a necessidade de uma certa habilidade em conseguir formas complexas diminui, o mesmo acontece com o nosso valor social dos resultados formais complexos. Talvez precisemos reavaliar a nossa percepção da diferença, em outras palavras, a nossa tolerância, para o projeto complexo. Precisamos considerar que o que eram dois resultados muito diferentes no passado agora são apenas diferenciados por um fator, a estética e não de habilidade.

Um cubo azul é realmente diferente de um cubo vermelho, se você não está privilegiando a estética? É onde a verdadeira questão do design digital e modelagem se encontram. O que distingue uma obra de fabricação digital do resto? O que dá significado ao trabalho agora que a complexidade não é intrinsecamente valiosa? Os alunos não devem se esconder atrás de formas cativantes, mas, em vez disso, devem procurar uma  justificativa mais forte para o seu trabalho.

Como fabricação digital avança em direção ao seu objetivo de exigir tolerância zero, a tolerância social vai aumentar e assim a percepção da sociedade em relação a homogeneidade. Fabricação digital está se desvalorizando através de uso excessivo e, portanto, se torna responsabilidade do arquiteto, e, particularmente, dos estudantes de arquitetura, reintroduzir o valor em um projeto sintetizando múltiplas e complementares fontes de modo único e inovador. O desafio para os alunos não é alcançar brilhantismo técnico ou digital, mas sim empregar essas ferramentas principais para atingir brilho arquitetônico.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Rory Stott
Autor
Cita: Stott, Rory. "O valor de depreciação da forma na era da fabricação digital" [The Depreciating Value of Form in the Age of Digital Fabrication] 06 Mai 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/601441/o-valor-de-depreciacao-da-forma-na-era-da-fabricacao-digital> ISSN 0719-8906
Ler comentários